i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
CRISE DO COMBUSTÍVEL

Preço da gasolina bate recorde. Mas, na real, já esteve mais alto

Na década passada, combustível chegou a ser vendido acima de R$ 5 por litro na média nacional, em valores corrigidos pela inflação

  • PorFernando Jasper
  • 25/05/2018 16:12
Fila por combustível em Curitiba nesta sexta (25): em valores corrigidos pela inflação, preço médio nacional da gasolina chegou a passar de R$ 5 por litro na década passada. | Aniele Nascimento/Gazeta do Povo
Fila por combustível em Curitiba nesta sexta (25): em valores corrigidos pela inflação, preço médio nacional da gasolina chegou a passar de R$ 5 por litro na década passada.| Foto: Aniele Nascimento/Gazeta do Povo

O preço médio da gasolina nas bombas do país chegou a R$ 4,44 por litro na semana entre 20 e 26 de maio, em meio à crise de abastecimento provocada pela greve dos caminhoneiros. É o valor mais alto já apurado nas pesquisas da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).

Mas a atualização dos valores do passado pela inflação mostra que, em termos reais, o combustível já esteve mais caro – pelo menos quando se considera a média nacional, que dilui preços extremos, como os observados nos últimos dias em meio à escassez do combustível.

Em algumas ocasiões da década passada, o preço médio no país ficou perto de R$ 5 por litro, ou até acima, caso dos quatro primeiros meses de 2003. Em fevereiro daquele ano, o litro foi vendido por uma média de R$ 2,22 nos postos brasileiros, o equivalente a R$ 5,21 em valores atualizados, considerando-se a inflação acumulada desde então – de 134%, conforme a medição do IPCA.

SÉRIE HISTÓRICA:Os preços da gasolina, do etanol e do diesel desde 2001

O período entre março e maio de 2006 também foi de preços elevados. Em abril daquele ano, a média nacional foi de R$ 2,60 por litro, ou R$ 5 a preços de hoje.

Outra forma de mensurar o peso da gasolina hoje é compará-lo com a renda do trabalhador. Em fevereiro de 2003, um salário mínimo (então em R$ 200) comprava cerca de 90 litros do combustível (que custava R$ 2,22, na média nacional). Atualmente, o valor do mínimo (R$ 954) equivale a quase 215 litros de gasolina (R$ 4,44).

Há uma diferença importante entre a política de preços da Petrobras naquela época e a praticada hoje. Desde julho do ano passado, a estatal vem repassando ao consumidor quase que diariamente as flutuações de preço do petróleo no mercado internacional. Antes esse repasse era mais espaçado. E com alguma frequência a empresa, por orientação do governo, reduzia sua margem de lucro para evitar maiores altas na bomba.

LEIA TAMBÉM:Baderna ou ato legítimo? O que presidenciáveis pensam da greve dos caminhoneiros

Em julho de 2008, por exemplo, o barril do petróleo passava de US$ 140 – mais de R$ 230 pela cotação da época, ou cerca de R$ 400 em valores atualizados. Naquele mês, o preço médio da gasolina nas bombas foi de R$ 2,50 por litro, ou R$ 4,35 em valores atuais. Nos últimos dias, o petróleo estava mais barato – abaixo de US$ 80 por barril, o equivalente a R$ 290 – e a gasolina, mais cara (R$ 4,44).

Etanol

Os preços do etanol são os que estão mais longe do pico histórico. Na semana passada, o derivado de cana foi vendido a R$ 2,82 por litro, em média, nos postos do país. Na série corrigida pela inflação, o valor mais alto foi o de março de 2006 – atualizado, o preço nominal de R$ 1,95 da época corresponde hoje a R$ 3,76 por litro.

Diesel

Quem realmente bateu recorde – nominal e também em termos reais – foi o preço do diesel, estopim da greve dos caminhoneiros. Na semana passada, o combustível foi vendido por uma média de R$ 3,79 por litro em todo o país. Até então, o preço médio mais alto da história, em valores atualizados, era o de outubro de 2005 – R$ 1,89, equivalente hoje a R$ 3,72.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.