i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Privilégio

PGR entra com ação no STF para acabar com a aposentadoria especial de ex-governadores

    • Estadão Conteúdo
    • 18/09/2020 15:21
    Procurador-geral da República, Augusto Aras, entrou com ação no STF para acabar com a aposentadoria especial de ex-governadores
    O procurador-geral da República, Augusto Aras.| Foto: Evaristo Sá/AFP

    O procurador-geral da República, Augusto Aras, encaminhou ao Supremo Tribunal Federal (STF) nesta sexta-feira (18) uma ação contra leis estaduais que garantem pensões e aposentadorias especiais a ex-governadores e seus dependentes.

    No pedido, a Procuradoria-Geral da República (PGR) sustenta que a interpretação do STF, que declarou a inconstitucionalidade do pagamento da aposentadoria especial para ex-governadores em diversas ações individuais, deve ser fixada para que passe a valer em todo o território nacional. A argumentação é que não pode haver diferenças entre as regras vigentes nos estados e que, em última instância, a prática causa prejuízos aos cofres públicos.

    Augusto Aras afirma ainda que o tratamento privilegiado aos ex-governadores contraria os princípios constitucionais da igualdade, moralidade e impessoalidade e que, ao conceder os benefícios, os estados usurpam a competência da União para dispor sobre normas gerais de Previdência social.

    "É inadmissível a elaboração de leis imorais, cujo propósito seja privilegiar alguns poucos indivíduos. Benesses dessa natureza, aliás, costumam ter destinatários certos e determináveis, o que, ademais, implica contrariedade ao princípio da impessoalidade", afirma o procurador-geral na ação de arguição de descumprimento de preceito fundamental (ADFP).

    PGR destaque que aposentadoria especial não existe para autoridades federais

    Outro ponto levantado por Aras é que não pode haver benefício em nível estadual quando a Constituição Federal não prevê o mesmo tratamento para autoridades nacionais.
    "Nem mesmo a autonomia dos estados ou sua competência concorrente em matéria de Previdência social permite a inovação jurídica mediante a criação de pensão, de natureza graciosa, sem previsão semelhante na legislação federal, tampouco na Constituição", afirma.

    Segundo a ação, atualmente os estados do Acre, Santa Catarina, Amazonas, Minas Gerais, Rondônia e Paraíba pagam benefícios a seus ex-governantes.

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    Máximo 700 caracteres [0]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.