i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Atlas da Violência

Assassinato de mulheres cresce 30% em dez anos; país tem média de 13 mortes por dia

  • PorKelli Kadanus
  • Brasília
  • 05/06/2019 12:08
Mulher se protege de agressão usando uma das mãos
Mulher se protege de agressão usando uma das mãos| Foto: Pexels

O Brasil registrou em 2017 o assassinato de 4,9 mil mulheres, segundo o Atlas da Violência divulgado nesta quarta-feira (5). Esse é o maior número registrado desde 2007 e mostra que cerca de 13 mulheres foram assassinadas por dia ao longo do ano em todo o país. O número representa um aumento de 30,7% nos últimos 10 anos e de 6,3% em relação a 2016. O estudo mostra ainda que 28,5% das vítimas foram mortas em casa e 52% por armas de fogo.

Os dados foram compilados pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP), em parceria com o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), com base nos dados oficiais do Sistema de Informações Sobre Mortalidade, do Ministério da Saúde.

INFOGRÁFICO: Veja a taxa de homicídios de mulheres detalhada por estado

O Atlas da Violência mostra também que as mulheres negras são as que mais morrem no Brasil. Em 2017, 66% de todas as mulheres vítimas de assassinatos eram negras.

O homicídio de mulheres negras também foi o que mais cresceu. Enquanto a taxa de homicídios de mulheres não negras teve crescimento de 1,6% na última década, a taxa de homicídios de mulheres negras cresceu 29,9% no mesmo período. Em números absolutos a diferença é ainda mais brutal, já que entre não negras o crescimento é de 1,7% e entre mulheres negras de 60,5%.

LEIA TAMBÉM: Qual é o dia e o horário que mais se mata no Brasil. E quem mais é vítima de assassinato

Considerando apenas os dados de 2017, a taxa de homicídios de mulheres não negras foi de 3,2 a cada 100 mil mulheres. Entre as negras, a taxa foi de 5,6 para cada 100 mil pessoas.

Homicídio ou feminicídio?

Como os dados sobre homicídios que constam no Atlas da Violência são obtidos através do Ministério da Saúde, há uma dificuldade em distinguir o que é homicídio de mulheres de feminicídio, já que o sistema de saúde não classifica as mortes por tipo penal.

O feminicídio é caracterizado pelo assassinato em razão do gênero, ou seja, quando mulheres são mortas pelo fato de serem mulheres.

Apesar de o Ministério da Saúde não fazer essa classificação, outros dados coletados no banco de dados podem dar pistas nesse sentido. Segundo estudos internacionais, a significativa maioria das mortes violentas intencionais que ocorrem dentro das residências são perpetradas por conhecidos ou íntimos das vítimas. Portanto, a taxa de incidentes letais intencionais contra mulheres que ocorrem dentro das residências é um dos critérios usados pelo Atlas da Violência para medir o feminicídio.

FIQUE POR DENTRO: Violência cai em 15 estados, mas Norte e Nordeste puxam pra cima taxa de homicídios no país

Segundo os dados do Ministério da Saúde, do total de homicídios contra mulheres, 28,5% ocorrem dentro da residência (39,3% se não forem considerados os óbitos em que o local do incidente era ignorado). “Muito provavelmente esses são casos de feminicídios íntimos, que decorrem de violência doméstica”, afirmam os pesquisadores no Atlas da Violência.

Outra pista para caracterizar o aumento nos casos de feminicídio é a diferença entre as taxas, levando em consideração o local onde as mulheres são mortas. Entre 2012 e 2017, por exemplo, houve um aumento de 1,7% na taxa de homicídios de mulheres no Brasil. Quando esses dados são analisados levando em conta o local do assassinato, porém, os números indicam que houve aumento de 17,1% na taxa de homicídios de mulheres dentro de casa, enquanto a taxa de assassinatos fora da residência diminuiu 3,3% no mesmo período.

“Possivelmente, a redução de homicídios de mulheres fora da residência esteja refletindo a diminuição gradativa da violência geral que tem se expandido cada vez mais para um maior número de unidades federativas. Por outro lado, o crescimento dos casos que ocorrem dentro das residências deve ser reflexo do aumento de casos de feminicídios, efetivamente”, apontam os pesquisadores.

Maioria das mortes de mulheres é por arma de fogo

Em 2017, 53% das mulheres assassinadas no país morreram por armas de fogo – um aumento de 3,5% em relação ao ano anterior. Outro dado que chama a atenção é o percentual de mulheres que foram mortas dentro de casa, com uso de arma de fogo. Elas correspondem a 11,8% do total das vítimas femininas registradas em 2017 – um aumento de 8,2% em relação a mulheres que morreram na mesma situação em 2016.

O Atlas da Violência também mostra que apenas em 2017, mais de 221 mil mulheres procuraram delegacias de polícia para registrar episódios de agressão (lesão corporal dolosa) em decorrência de violência doméstica, número que pode estar subestimado dado que muitas vítimas têm medo ou vergonha de denunciar esse tipo de situação.

Situação por estado

Segundo o estudo, mulheres estão morrendo mais nos últimos 10 anos nos estados do Rio Grande do Norte (que registrou aumento de 214% na taxa de homicídios de mulheres no período), Ceará (aumento de 177%) e Sergipe (107%).

Já no ano de 2017, o estado de Roraima respondeu pela maior taxa, com 10,6 mulheres vítimas de homicídio por grupo de 100 mil mulheres, índice mais de duas vezes superior à média nacional (4,7). A lista de estados onde houve mais violência letal contra as mulheres é seguida por Acre, com taxa de 8,3 para cada 100 mil mulheres; Rio Grande do Norte, também com taxa de 8,3; Ceará, com taxa de 8,1; Goiás, com taxa de 7,6; Pará e Espírito Santo, com taxas de 7,5.

No mesmo ano, o estado de São Paulo respondeu pela menor taxa de homicídios femininos: 2,2 por 100 mil mulheres. Depois, vêm o Distrito Federal (2,9), Santa Catarina (3,1), Piauí (3,2), Maranhão (3,6) e Minas Gerais (3,7).

VOLTAR AO TOPO

8 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 8 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • J

    JOSE GUILHERME

    ± 1 horas

    Esse é o resultado de um sociedade construída sobre os pilares da hipocrisia e demagogia. Desarmem a população e dá nisso... pra falar só de mulheres, foco principal da matéria, seria interessante alguém levantar os dados estupro e homicídios em Israel ou no Estado do Texas (EUA), onde há 300.000 portes de arma para mulheres.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • V

      Vinicius pacheco

      ± 3 horas

      E o assassinato de homens aumentou quanto? E já que informaram sobre a cor ou raça dos assassinados, sabem informar também a raça ou cor dos assassinos?

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • D

        Diogo

        ± 4 horas

        Morrem 13 mulheres por dia? E morrem 150 homens! Vamos Parar de mimimi esquerdista! O país é violento e não tem Nada de feminicídio! Morrem muitos seres humanos nesta desgraça de país!

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

        • D

          Decio mango

          ± 7 horas

          Besteira o grande numero de mortes se da pelo trafico de drogar..e seus desdobramentos...

          Denunciar abuso

          A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

          Qual é o problema nesse comentário?

          Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

          Confira os Termos de Uso

          • G

            GUSTAVO_RJ_70

            ± 8 horas

            "em razão do gênero".... NÃO!, em razão do sexo. Usar a palavra gênero já mostra que o autor foi , em alguma medida, influenciado pela ideologia de gênero.

            Denunciar abuso

            A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

            Qual é o problema nesse comentário?

            Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

            Confira os Termos de Uso

            • E

              Eduardo Soares

              ± 9 horas

              Me recordo de im professor de Direito Civil que comentou sobre uma pesquisa realizada em fóruns do estado de São Paulo sobre causas de mortes no século XIX. Um dado interessante apareceu: os processos de homicídios percentualmente concentravam nas classes mais pobres. As desavenças eram resolvidas por assassinatos entre os pobres. Entre os mais abastados, resolvia-se, principalmente, na justiça. Possivelmente, mais negros são mortos, principalmente por estarem nas classes menos favorecidas. As estatísticas deveriam considerar esse fator socio-econômico.

              Denunciar abuso

              A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

              Qual é o problema nesse comentário?

              Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

              Confira os Termos de Uso

              • E

                Eduardo Soares

                ± 9 horas

                Um ponto que nos chama a atenção é o período considerado, no qual o país foi governado pela esquerda que cria leis para contenção de crimes de feminicídio e contra etnias oprimidas. Isto nos leva a crer que tais medidas são inócuas e servem apenas de bandeira política.

                Denunciar abuso

                A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                Qual é o problema nesse comentário?

                Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                Confira os Termos de Uso

                • R

                  Renata

                  ± 9 horas

                  Ponto importante, os estados com maior letalidade para a mulher são também os mais violentos em termos gerais, então me parece que essa violência direcionada à mulher seja uma uma decorrência direta da condição desses estados. Dito isto, a melhor política de proteção contra essa mortalidade feminina, seria o aumento da segurança da população em geral. Isso também pode ser percebido nos estados menos violentes que tiveram inclusive queda no número de mulheres mortas.

                  Denunciar abuso

                  A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                  Qual é o problema nesse comentário?

                  Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                  Confira os Termos de Uso

                  Fim dos comentários.