Profissional de saúde prepara dose da vacina Oxford/AstraZeneca contra a Covid-19 em centro de vacinação em Brighton, Inglaterra, 26 de janeiro
Dose da vacina Oxford/AstraZeneca contra a Covid-19 em centro de vacinação em Brighton, Inglaterra, 26 de janeiro.| Foto: Ben Stansall/AFP

A prefeitura de Manaus informou que um idoso de 83 anos morreu neste sábado (30) após receber uma dose da vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford e produzida pela fabricante AstraZeneca. Dois milhões de doses do imunizante, que foi importado da fábrica da AstraZeneca na Índia, foram distribuídos aos estados nesta primeira etapa da campanha nacional de vacinação contra a Covid-19.

Segundo a prefeitura, o idoso recebeu a primeira dose da vacina na sexta-feira (29). Neste sábado (30) pela manhã, a família do idoso informou que ele veio a óbito. O caso agora terá de ser investigado pela prefeitura e pelo governo do estado. Os órgãos de saúde locais já deram início aos procedimentos de coleta de dados epidemiológicos e material biológico para exames e análises.

A chefe da Divisão de Imunizações da Secretaria de Saúde de Manaus, Isabel Hernandes, afirma que a notificação de qualquer evento adverso após a vacinação é medida obrigatória para todos os tipos de vacina e que não significa a existência de relação de causa e efeito. “Não podemos atribuir nenhum evento adverso à vacina até que a investigação do caso esteja concluída. A notificação é feita para acompanhamento e como estratégia para avaliar a segurança das vacinas”, afirmou em nota distribuída pela prefeitura.

A remessa de vacinas da AstraZeneca/Oxford foi enviada ao Amazonas pelo Ministério da Saúde, sendo repassado ao município de Manaus um total 74.140 doses, das quais 50.398 destinadas especificamente à vacinação de 100% dos idosos de 80 anos e mais, com ou sem doença crônica, e 100% dos idosos de 75 a 79 anos e 37% de 70 a 74 anos com doenças crônicas.