Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Jair Bolsonaro
Presidente Jair Bolsonaro: comitê de crise será coordenado pelo general Braga Netto.| Foto: Marcos Correa/PR

O presidente Jair Bolsonaro editou, na segunda-feira (16), um decreto instituindo um comitê de crise para supervisão e monitoramento dos impactos do novo coronavírus no Brasil. O texto foi publicado em edição extra do Diário Oficial da União (veja a íntegra do decreto abaixo).

Segundo o decreto, o comitê será responsável por articular a ação governamental no combate à COVID-19, além de assessorar o presidente "sobre a consciência situacional em questões decorrentes da pandemia". O próprio Bolsonaro, entretanto, não participará das reuniões.

O coordenador do grupo será o ministro da Casa Civil, general Braga Netto, mas o comitê terá a participação de vários membros do primeiro escalão. Ministros como o do Meio Ambiente, Ricardo Salles, e da Agricultura, Tereza Cristina, ficaram de fora. Veja a lista dos participantes:

  • Ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro;
  • Ministro da Defesa, Fernando Azevedo;
  • Ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo;
  • Ministro da Economia, Paulo Guedes;
  • Ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas;
  • Ministro da Educação, Abraham Weintraub;
  • Ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni;
  • Ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta;
  • Ministro da Ciência, Tecnologia Inovações e Comunicações, Marcos Pontes;
  • Ministro da Controladoria-Geral da União, Wagner Rosário;
  • Ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves;
  • Ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Jorge Antonio Francisco;
  • Ministro da Secretaria de Governo da Presidência, Luiz Eduardo Ramos;
  • Ministro do Gabinete de Segurança Institucional, general Augusto Heleno;
  • Advogado-Geral da União, André Luiz Mendonça;
  • Presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto;
  • Diretor-presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Antônio Barra Tores;
  • Presidente do Banco do Brasil, Rubem Novaes;
  • Presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Duarte Guimarães;
  • Presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Gustavo Montezano;
  • Coordenador do Centro de Operações de Emergências em Saúde Pública da Secretaria de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde.

Como o comitê de crise tomará decisões

O texto prevê, ainda, que o coordenador do grupo poderá convidar para as reuniões outros ministros; membros do Poder Legislativo, Judiciário e do Ministério Público; e outras autoridades públicas e especialistas. Somente os ministros, porém, terão direito a voto.

O decreto não institui uma periodicidade para as reuniões. Afirma, apenas, que o comitê deverá se reunir sempre que houver convocação do coordenador.

O quórum dos encontros é de maioria absoluta, isto é, metade mais um dos integrantes devem estar presentes. Nas votações, o que vale é a maioria simples – ou seja, o voto de 50% mais um dos presentes. Em caso de empate, a decisão será do general Braga Netto.

Veja a íntegra do decreto que criou o comitê de crise:

18 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]