# "Pode ser que em novas ondas os picos sejam ainda piores do que a onda atual". O alerta é do médico infectologista Bernardo Montesanti Machado de Almeida, convidado deste episódio do podcast

***) O Brasil segue batendo recordes negativos nos números da pandemia. O último dia do mês de março, por exemplo, registrou quase 4 mil mortes causadas pela Covid-19 no país. É disparado o pior momento desde o início da crise no país.

Muita gente está angustiada: até onde isso vai piorar, antes de, espera-se, melhorar? Mais do que isso: o que ainda pode ser feito para evitar uma tragédia ainda maior?

Esperança na vacinação, mas ela não é mágica

É claro que a vacinação é uma esperança. Mas aí, vem exemplos como o do Chile. Nosso vizinho sul-americano já vacinou muito. Mesmo assim, os chilenos estão adotando novas medidas severas de isolamento social, depois que casos e mortes voltaram a disparar, lotando hospitais.

Parece cada vez mais que o caminho é bem longo para vencer de vez essa pandemia. A preocupação sanitária caminha lado a lado com o receio do agravamento da crise econômica.

Para analisar esse cenário, este episódio do podcast 15 Minutos recebe o médico infectologista Bernardo Montesanti Machado de Almeida, do serviço de Epidemiologia do Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Paraná.

***
O podcast 15 minutos é um espaço para discussão de assuntos importantes, sempre com análise e a participação da equipe de jornalistas da Gazeta do Povo. De segunda a sexta, de forma leve e dinâmica, com a duração que cabe na correria do seu dia. Apresentação é do jornalista Márcio Miranda. O programa é publicado no Spotify, Google Podcast, Deezer e no iTunes.

***
Ficha técnica: ‘15 minutos’, podcast de notícias da Gazeta do Povo #Apresentação e roteiro: Márcio Miranda; direção de conteúdo: Rodrigo Fernandes; equipe de produção: Maria Eduarda Scroccaro, Jenifer Ribeiro e Durval Ramos; montagem: Leonardo Bechtloff; identidade visual: Gabriela Salazar; estratégia de distribuição: Gladson Angeli e Marcus Ayres.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]