i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Supostas conversas

Deltan Dallagnol defende Lava Jato em vídeo e rebate acusações; assista

    • Gazeta do Povo
    • 10/06/2019 19:10
    O procurador Deltan Dallagnol, chefe da força-tarefa da Lava Jato em Curitiba, em palestra no Congresso Nacional Sobre Macrocriminalidade e Combate à Corrupção, em Curitiba.
    O procurador Deltan Dallagnol, chefe da força-tarefa da Lava Jato em Curitiba.| Foto: Hedeson Alves/Gazeta do Povo

    Em vídeo divulgado no fim da tarde desta segunda-feira (10), o procurador da República e coordenador da Lava Jato em Curitiba, Deltan Dallagnol, defendeu as ações da operação e comentou as supostas conversas entre ele e o ex-juiz federal e atual ministro da Justiça, Sergio Moro.

    Dallagnol afirma que a Lava Jato em Curitiba sofreu o ataque de um "criminoso que invadiu contas de celulares e sequestrou contas de aplicativos de contas de mensagens e se fez passar por jornalistas e procuradores". Ele afirma ainda que não reconhece a fidedignidade das mensagens, mas reconhece que podem gerar desconforto, e que a Lava Jato irá ouvir as críticas da sociedade.

    O procurador diz temer que o avanço de divulgações possa deturpar fatos. “Em primeiro lugar, é normal que procuradores e advogados conversem com o juiz, mesmo sem a presença da outra parte. O que deve se verificar é se nessas conversas houver conluio ou quebra de imparcialidade”, destaca.

    Segundo o procurador, a imparcialidade é demonstrada pelo fato de a Justiça ter negado “centenas de pedidos do Ministério Público”. Ele lembra que 54 pessoas acusadas pelo MP foram absolvidas, e que o MP recorreu por não aceitar a decisão da Justiça.

    “E os atos da Lava Jato são revisados por três instâncias independentes do poder Judiciário, por vários julgadores”, diz.

    Provas do caso Triplex e liberdade de imprensa

    Uma das supostas conversas vazadas seria sobre a preocupação de Deltan Dallagnol quanto a solidez das provas contra o ex-presidente Lula no caso do tríplex do Guarujá, em 2016.

    “Antes da acusação, o MP analisa de forma intensa e crítica para não oferecer acusação frágil e injusta. As provas eram robustas. Tanto que nove julgadores concordaram com a robustez e condenaram”, avalia o procurador.

    O jurista aproveitou ainda para defender o posicionamento do Ministério Público para impedir a concessão de entrevista de Lula a jornalistas. “A força tarefa [da Lava Jato] entende que a prisão em regime fechado restringe o direito de comunicação com a imprensa. Não é uma questão de liberdade de imprensa. É uma questão de liberdade do preso, e vale para qualquer pessoa, independente de ser ou não político, ou do partido político”, afirma.

    Deltan destaca que essa foi a posição manifestada em autos de execução penal e que será reforçada.

    Deltan Dallagnol e a Teoria da conspiração

    Para o procurador, acreditar que a Lava Jato é uma operação partidária é uma “teoria da conspiração sem base”. Ele lembra que apenas em Curitiba são 15 procuradores que atuam na força tarefa, além de 30 servidores e dezenas de agentes públicos na Receita Federal, na Polícia Federal.

    “Só a delação da Odebrecht nomeou 415 políticos de 26 diferentes partidos. Ou seja, a Lava Jato é contra a corrupção seja de quem ela for”, defende.

    O procurador ainda defende a legitimidade da atuação e que não caminha com a linha de “os fins justificam os meios”.

    Ele ainda cita que foram acusadas pela Lava Jato mais de 400 pessoas, sendo que 150 condenadas por lavagem de dinheiro e organização criminosa. “Mais de R$ 13 bilhões estão sendo recuperados para os cofres públicos”, diz. Ele adianta ainda que estão sendo negociados acordos que pretendem buscar a recuperação de mais de R$ 1 bilhão.

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.