Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Marcelo Crivella: impeachment
Marcelo Crivella, prefeito do Rio de Janeiro.| Foto:

As eleições municipais de 2020 já ocupam grande parte dos debates políticos. Os partidos têm conduzido suas articulações em preparação para a primeira disputa após o surpreendente ano de 2018, que consagrou figuras de fora do círculo político mais convencional e outras que jamais haviam disputado uma eleição.

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) foi um dos "azarões" que triunfou na eleição passada. Apesar de ter exercido quase 30 anos de mandato na Câmara, Bolsonaro disputou em 2018 sua primeira eleição majoritária e concorreu por um partido pequeno. A corrida eleitoral de 2020 será, portanto, a primeira que terá o bolsonarismo como força política consolidada no país.

Candidatos ligados ao presidente disputarão em diferentes capitais. No Rio de Janeiro, por exemplo, o deputado estadual Rodrigo Amorim (PSL) tentará ser prefeito, embalado pela expressiva votação que recebeu em 2018. Em São Paulo, a líder do governo na Câmara, Joice Hasselmann (PSL), é também pré-candidata. Curitiba e Belém são outras capitais que deverão ter bolsonaristas brigando com destaque pela vitória eleitoral.

"Nós pretendemos ter candidatos em todas as cidades com mais de 100 mil eleitores. Vamos fazer um grande ato de filiação no próximo dia 17, visando as eleições municipais. E Bolsonaro vai querer ver o partido representando tudo o que ele propôs como candidato", disse o presidente nacional do PSL, deputado federal Luciano Bivar (PE).

Para as legendas "convencionais", a disputa municipal é também uma oportunidade de garantir uma sobrevida no cenário político. O PSDB vai buscar manter o comando de São Paulo e de Porto Alegre. O PT vai apostar no prestígio do governador baiano Rui Costa para finalmente conquistar a prefeitura de Salvador. E o MDB se esforçará para que suas candidaturas sejam competitivas em São Paulo e Goiânia, atualmente já administrada pelo partido.

Presidente de outro partido tradicional, Carlos Siqueira, o comandante nacional do PSB, disse ver "boas perspectivas" para a sigla em 2020. Ele elenca nomes do partido em cidades como São Paulo, Salvador, Rio de Janeiro, Curitiba e Goiânia, entre outras. "Temos um panorama bem interessante para trabalharmos", declarou. Para Siqueira, as eleições municipais seguem lógicas que não se aplicam às disputas nacionais e estaduais: "as alianças entre os partidos obedecem a critérios locais. É uma dinâmica completamente distinta".

A Gazeta do Povo mapeou o cenário pré-eleitoral das 11 capitais estaduais mais populosas do Brasil: São Paulo, Rio de Janeiro, Salvador, Fortaleza, Belo Horizonte, Manaus, Curitiba, Recife, Goiânia, Belém e Porto Alegre. Os universos encontrados dividem-se em três grandes grupos. Um é os das cidades em que os atuais prefeitos já estão em segundo mandato, e portanto não podem concorrer à reeleição. O segundo é o das cidades em que os atuais prefeitos podem disputar a reeleição e são favoritos à vitória. Por fim, o terceiro universo é aquele em que os prefeitos estão aptos à reeleição, mas não vivem um bom momento diante do eleitorado.

Fortaleza aguarda os Gomes

Fortaleza é uma das cidades em que o atual prefeito deixará o cargo ao final de 2020. Roberto Cláudio (PDT) foi eleito e reeleito sob a bênção do grupo mais político do Ceará, liderado pelos ex-governadores Ciro e Cid Gomes. Sua gestão detém índices satisfatórios de aprovação. No entanto, até o momento Cláudio e o PDT não indicaram um nome de consenso para a eleição. No campo da oposição, uma pré-candidatura forte é a de Capitão Wagner, deputado federal que é filiado ao PROS mas está próximo do bolsonarismo. Ele foi o candidato a deputado federal mais votado em 2018. A também deputada Luizianne Lins (PT), que foi prefeita de capital cearense entre 2005 e 2012, deve disputar novamente o cargo. Outro parlamentar, o deputado estadual Heitor Ferrér (Solidariedade), tem também seu nome cogitado.

Recife: grupo de Campos deve manter poder

Em Recife, o grupo do atual prefeito já tem um nome no radar. O hoje deputado federal João Campos (PSB), filho do ex-governador Eduardo Campos, é o favorito para disputar a eleição com o aval do atual chefe do Executivo municipal, Geraldo Júlio (PSB). Distante do PSB, os grupos de centro-esquerda e centro-direita vivem impasses entre unir forças ou ver partidos diferentes apresentando nomes próprios. PT e PDT podem apresentar, separadamente, os nomes de Marília Arraes e Túlio Gadelha, ou com um sendo vice do outro. Na centro-direita, Daniel Coelho (Cidadania) é pré-candidato, e busca trazer para si o apoio do DEM de Priscila Krause e Mendonça Filho.

As duas maiores cidades da região Norte, Belém e Manaus, vivem cenários similares: têm prefeitos do PSDB que encerram seus mandatos em 2020 e não "ungiram", ainda, nomes para sua sucessão.

Belém tem briga aberta

Na capital paraense, o deputado Cabo Sabino e o ex-governador Simão Jatene podem ser os nomes do PSDB. Deputado federal e ex-prefeito da cidade, Edmilson Rodrigues (PSOL) deve concorrer novamente. Éder Mauro, do PSD, levantará na eleição municipal a bandeira do bolsonarismo. E atualmente sem partido, a jornalista Ursula Vidal pode concorrer como o nome do governador Helder Barbalho (MDB).

Manaus pode ter disputa entre "estrela da Previdência" e veteranos

Em Manaus, um pré-candidato de crescimento recente é de Marcelo Ramos (PL), o deputado federal que presidiu a comissão especial da reforma da previdência. Ele pode ter como adversários os ex-governadores Eduardo Braga (MDB) e Amazonino Mendes (PDT) e o deputado federal José Ricardo (PT). Ex-deputado federal, David Almeida (Avante) tem obtido bom desempenho em pesquisas.

Em Salvador, choque é entre popularidade de PT e DEM

A última cidade deste grupo é Salvador. O cenário da capital baiana é complexo porque a população local dá altos índices de aprovação ao prefeito ACM Neto (DEM) e ao governador Rui Costa (PT), pertencentes a grupos políticos rivais. Com isso, os nomes que vierem referendados por Costa e Neto tendem a ter protagonismo na disputa. O vice-prefeito Bruno Reis (DEM) é o mais cotado para concorrer com a aprovação de Neto. Já o PT tem vários representantes que se apresentaram como pré-candidatos, como os deputados federais Jorge Solla e Nelson Pellegrino. O partido ainda pode fazer uma aliança com o PCdoB, que teve em 2016 Alice Portugal como candidata - e ela mostrou interesse em concorrer novamente. Correm por fora Bacelar (Podemos), Sargento Izidorio (Avante) e Lídice da Mata (PSB). O bolsonarismo ainda não tem um nome oficializado - atualmente no DEM, o vereador Alexandre Aleluia pode se filiar ao PSL para defender a linha ideológica do presidente da República.

Greca caminha para o terceiro mandato em Curitiba

Na capital paranaense, Rafael Greca (DEM) registrou recentemente sua maior aprovação. Ele pode ter como adversários no ano que vem dois nomes que derrotou em 2016: Gustavo Fruet (PDT) e Ney Leprevost (PSD). O ex-prefeito Luciano Ducci (PSB) também deve concorrer. O PT ainda não definiu um nome, mas o partido tem reafirmado interesse em candidatura própria. No bolsonarismo, a aposta é no deputado estadual Fernando Francischini (PSL), o mais votado para o cargo em 2018. Já João Arruda (MDB) deve ser o candidato do grupo capitaneado pelo ex-senador Roberto Requião.

BH deve ter nova consagração de Alexandre Kalil

Já em Belo Horizonte, Alexandre Kalil (PSD) tem aparecido com destaque em pesquisas de intenção de voto para a eleição de 2020. Outro nome que pontua bem é o ex-prefeito Márcio Lacerda, que não formalizou a intenção de concorrer. Lacerda foi eleito em 2008 foi uma inusitada aliança entre PT e PSDB, que à época eram as maiores forças da política mineira mas atualmente se encontram em má fase. Os tucanos podem lançar Eduardo Barbosa como candidato, enquanto o PT estuda os nomes de Rogério Correia e Reginaldo Lopes. O vereador Mateus Simões é outro possível concorrente - e ele tem como trunfo o fato de ser do Novo, o partido do governador Romeu Zema. João Vitor Xavier (Cidadania) também tem sido citado como pré-candidato, assim como a deputada Áurea Carolina (PSOL).

Em São Paulo, prefeito encontra resistência do próprio partido

O atual gestor da capital paulista é Bruno Covas (PSDB). Ele não foi eleito para o posto; era o vice de João Doria, e assumiu o cargo quando o titular renunciou para concorrer ao governo estadual. Covas não tem registrado bons índices de aprovação e enfrenta oposição dentro do próprio partido - embora Doria declare apoio público à sua candidatura, o governador também vê com bons olhos a participação de Joice Hasselmann (PSL). Dois derrotados em 2018 podem concorrer à prefeitura paulistana: o ex-governador Márcio França (PSB) é nome certo, e Henrique Meirelles (MDB), atual secretário da Fazenda e Planejamento da gestão Doria, busca viabilizar o apoio do seu partido. Já o PT tem uma série de nomes à mesa, como o ex-ministro Aloizio Mercadante, o deputado Carlos Zarattini e a ex-primeira-dama Ana Estela Haddad. Celso Russomanno (PRB) pode encarar uma nova candidatura, e o também jornalista José Luiz Datena é outro com o nome cogitado. A deputada Tabata Amaral havia sido colocada como pré-candidata pelo PDT, mas o recente choque entre ela e seu partido praticamente a tirou da disputa.

Benção de Bolsonaro deve marcar briga no Rio

Já no Rio de Janeiro, o prefeito Marcelo Crivella (PRB) chegou a ter sua morte política decretada após a Câmara de Vereadores abrir um processo de impeachment contra ele. Como Crivella superou a possibilidade de afastamento, se credenciou para a reeleição - ainda que atualmente não disponha de bons índices de popularidade. O prefeito pode contar com o apoio do governador Wilson Witzel (PSC), que seria um cabo eleitoral de peso. Mas é mais provável que Witzel destine seu tempo ao colega de partido Otoni de Paula ou ao deputado estadual Rodrigo Amorim - de quem esteve ao lado no ato da campanha de 2018 em que uma placa em homenagem à ex-vereadora Marielle Franco foi quebrada. Marcelo Freixo (PSOL) é nome certo no campo da esquerda, e a centro-esquerda deve ter Alessandro Molon (PSB) e possivelmente Marcelo Calero (Cidadania). Os ex-prefeitos Eduardo Paes e César Maia, ambos do DEM, também estudam apresentar seus nomes.

Goiânia pode reeleger prefeito de 86 anos

Em Goiânia, o atual prefeito, Iris Rezende (MDB), não vive exatamente um cenário dos mais adversos. Mas a candidatura à reeleição, embora possível, é questionada por conta da idade do prefeito - ele terá 86 anos à época do pleito de 2020. Por isso é provável que ele indique outro nome do MDB, como Maguito Vilela ou Daniel Vilela. O PSB deve apresentar o deputado Elias Vaz. Já o representante do bolsonarismo deve ser Major Araújo (PSL). Se candidato, ele concorrerá com o apoio do líder do PSL na Câmara, Delegado Waldir, que foi o deputado federal mais votado em Goiás em 2014 e 2018.

Prefeito de Porto Alegre precisará superar rejeição de 85% para sonhar com reeleição

Por fim, em Porto Alegre o atual prefeito, Nelson Marchezan (PSDB), estuda concorrer à reeleição, mesmo após uma pesquisa recente indicar que sua gestão é reprovada por 86,5% dos moradores da cidade. Ele pode ter como adversários Sebastião Melo (MDB), que derrotou em 2016, Juliana Brizola (PDT) e Fernanda Melchionna (PSOL). O grupo formado por PT e PCdoB estuda apresentar novamente ao posto a deputada Maria do Rosário ou a ex-deputada Manuela D'Ávila, candidata a vice-presidente em 2018.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]