Diante da evolução descontrolada dos casos de Covid-19, o governo do Paraná anunciou novas restrições de circulação de pessoas até o dia 8 de março.
Diante da evolução descontrolada dos casos de Covid-19, o governo do Paraná anunciou novas restrições de circulação de pessoas até o dia 8 de março.| Foto: Jose Fernando Ogura/AE

O Brasil registrou na quinta-feira (25) o recorde diário de mortes causadas pela Covid-19 desde o início da pandemia. Segundo dados divulgados pelo Ministério da Saúde, o país teve 1.541 óbitos em 24 horas, segundo os sistemas oficiais. No total, 251.498 pessoas já morreram vítimas do novo coronavírus. Um ano depois do início da pandemia, o Brasil soma 10,39 milhões de casos da doença.

Diante desse quadro, novas medidas de combate à Covid estão sendo tomadas por governadores e prefeitos nos últimos dias em um esforço para tentar frear a velocidade do contágio. As maiores foram tomadas nos três estados do Sul e no Distrito Federal. Veja quais as restrições que foram estabelecidas:

Rio Grande do Sul

O Rio Grande do Sul entrará em bandeira preta a partir deste sábado (27). O anúncio foi feito na quinta-feira (25) pelo governador Eduardo Leite (PSDB). Com a medida, apenas serviços essenciais poderão funcionar com 100% das equipes. Restaurantes só podem funcionar com telentrega e para retirada no local, com apenas 25% da equipe. O comércio não essencial deverá permanecer fechado. Aulas só podem acontecer de forma remota, exceto educação infantil e 1° e 2° anos do ensino fundamental. Locais públicos devem ser usados só para circulação. Nenhuma atividade pode ser realizada no estado das 20 horas às 5 horas, até o dia 7.

Santa Catarina

O governo de Santa Catarina, liderado por Carlos Moisés (PSL), também está adotando medidas mais restritivas válidas para os próximos dois finais de semana. Entram em vigor às 23 horas desta sexta-feira (26) e terminam às 6 horas da segunda-feira (1º de março). Entre as atividades suspensas estão comércio de rua, shoppings e parques temáticos. A permanência nas praias está proibida. Restaurantes podem funcionar com delivery ou retirada no local. As medidas complementam um decreto assinado na quarta que proíbe, por 15 dias, o funcionamento de casas noturnas e espetáculos. Também foram estabelecidas restrições de público e horário em praias, ônibus e academias.

Paraná

No Paraná, o governador Carlos Ratinho Massa Júnior (PSD) também anunciou, na manhã desta sexta-feira (26), medidas restritivas para barrar o avanço da Covid-19. Foi suspenso o retorno às aulas, estabelecido toque de recolher diário das 20 horas às 5 horas do dia seguinte, suspensão de cirurgias eletivas e autorização para funcionamento de serviços essenciais, como supermercados, padarias, farmácias e postos de combustíveis. Igrejas poderão receber fiéis, desde que o atendimento seja individual ou online. Restaurantes podem abrir nas modalidades delivery, drive-thru e balcão. As medidas valem deste sábado (27) até 8 de março.

São Paulo

Em São Paulo, seis regiões retrocederam no plano de combate à Covid-19. Grande São Paulo, Campinas, Sorocaba e Registro foram da fase amarela para a laranja. Marília e Ribeirão Preto, da laranja para a vermelha. Na fase laranja, o comércio pode funcionar até as 20 horas. Na amarela, até as 22 horas. O funcionamento dos bares está restringido. Eles podem atuar como restaurantes, mas não apenas para a venda de bebidas. Salões de beleza e barbearias podem funcionar até as 20 horas, mas precisam de agendamento. A volta dos hospitais de campanha está sendo avaliada pelo governo de João Doria (PSDB). Ao todo, 165 cidades vetaram a abertura de escolas estaduais.

Distrito Federal

O Distrito Federal também está adotando medidas restritivas. O lockdown parcial entra em vigor a partir da zero hora deste domingo (28) e vai até 15 de março.

Ficarão suspensos todos os serviços não essenciais, como cinema e teatro; escolas, universidades e faculdades públicas e privadas; academias de esporte; museus; boates e casas noturnas; atendimento ao público em shoppings centers, feiras populares e clubes recreativos; estabelecimentos comerciais, de qualquer natureza, inclusive bares e restaurantes; salões de beleza e barbearia; quiosques, foodtrucks e trailers de venda de refeições; comércio ambulante em geral. Nos shoppings centers ficam autorizados apenas o funcionamento de laboratórios, clínicas de saúde e farmácias e o serviço de delivery.

Cedendo a pressões, Ibaneis permitiu a abertura de estabelecimentos como lojas de veículos, agências bancárias, lotéricas, bancas de jornal e revistas, escritórios de advocacia e contabilidade, lavanderias, cartórios, hotéis, óticas, papelarias, zoológico e parques ecológicos e recreativos. Já estavam excluídos das restrições serviços essenciais como supermercados, hortifrutigranjeiros, mercearias, padarias, açougues, peixarias, postos de combustíveis, farmácias, hospitais, clínicas e consultórios médicos e odontológicos, de fisioterapia, clínicas veterinárias, funerárias, lojas de conveniência e minimercados.

Roraima

Em Roraima, embora não haja diretriz de toque de recolher por parte do governo estadual, a recomendação é para que os próprios municípios se antecipem e já "considerem estar em fase vermelha", na qual são permitidos apenas serviços essenciais, tais como o funcionamento de supermercados e farmácias. O governo de Antonio Denarium (PSL) também indica aos prefeitos que proíbam atividades destinadas à recreação e lazer, como, por exemplo, eventos sociais e festas. Pelo menos quatro cidades — Bonfim, Cantá, Caroebe e Rorainópolis — estabeleceram medidas mais restritivas à população. No âmbito estadual, servidores públicos adotaram sistema de rodízio em que 50% trabalham presencialmente e a outra parte, remotamente.

Acre

No Acre, as três regionais do estado — Alto Acre, Baixo Acre e Purus, Vale do Juruá e Tarauacá — seguem sob bandeira vermelha por determinação do governo Gladson Cameli (PP) até 1º de março. A taxa de ocupação de leitos nas unidades de saúde do estado se mantém acima de 80%.

Quanto às restrições, estão proibidas aglomerações e realização de quaisquer atividades consideradas não essenciais entre 22 horas e 5 horas do dia seguinte, tais como shoppings, feiras, academias e clínicas de estética. Servidores públicos trabalham em regime remoto. As aulas nas redes pública e privada de ensino, além disso, seguem suspensas. Estão autorizados a funcionar apenas supermercados, farmácias, clínicas médicas, oficinas mecânicas no geral, bancos, hotéis, funerárias, postos de combustíveis e indústria em geral. Bares e restaurantes podem atender apenas por delivery.

Tocantins

No estado do Tocantins, o governador Mauro Carlesse (DEM) decretou, no último dia 21 de fevereiro, estado de calamidade pública em razão do avanço da pandemia. Pelos próximos 30 dias, estão suspensos, por exemplo, prazos de processos da administração pública estadual e para o pagamento de parcelas de empréstimos e financiamentos. Ao mesmo tempo, agentes públicos têm permissão para trabalhar em regime remoto com jornada de trabalho reduzida para 6 horas. O governo também suspendeu, por tempo indeterminado, aulas em estabelecimentos públicos e privados.

Paraíba

O governador da Paraíba, João Azevêdo (Cidadania), estabeleceu, no último dia 24 de fevereiro, toque de recolher entre 22h e 5h para conter o avanço da pandemia no estado. A medida, em vigor até 10 de março, vale para municípios que estão nas bandeiras vermelha e laranja de alerta contra a Covid-19. Bares, restaurantes e lanchonetes podem funcionar das 6h às 16h. Vendas por delivery são permitidas até 22h. Atividades religiosas estão proibidas, enquanto shoppings, salões de beleza, academias, hotéis e indústria em geral podem funcionar até 21h. Aulas presenciais são liberadas apenas na pré-escola; nas outras etapas, atividades podem ser realizadas sob modelo remoto.

Ceará

O estado do Ceará, do governador Camilo Santana (PT), também está sob toque de recolher, entre 22h e 5h, até 28 de fevereiro. Atividades presenciais em escolas e universidades públicas e particulares estão suspensas. O comércio pode funcionar até 20h de segunda-feira à sexta-feira; no fim de semana, contudo, o horário limite é 15h. Apenas os serviços considerados como essenciais (supermercado, farmácia, hospitais) podem funcionar mesmo após as 20h. Eventos comemorativos e atividades de lazer estão proibidos e, para tanto, o governo instalou barreiras em locais públicos. O transporte continua funcionando.

Bahia

O governador da Bahia, Rui Costa (PT), impôs restrição total às atividades consideradas não essenciais em 417 municípios do estado, entre 26 de fevereiro e 1º de março, das 20h às 5h, para enfrentar a pandemia de Covid-19. Até lá, no horário estipulado, fica vedada a locomoção ou permanência de pessoas em locais públicos, exceto em casos nos quais se comprove “urgência”.

Bares, restaurantes e lojas de conveniência não podem atender presencialmente, apenas por delivery. Shoppings, galerias de lojas e demais centros comerciais funcionam até 19h desta sexta. Também estão proibidas, no período estipulado, atividades que envolvam aglomeração de pessoas, tais como eventos desportivos, religiosos, cerimônias e lazer.

A venda de bebidas alcoolicas por parte de qualquer estabelecimento foi expressamente proibida pelo governo. Funcionam sem grandes restrições apenas serviços considerados essenciais: supermercados, hospitais, transporte público e privado de passageiros.

Piauí

No estado do Piauí, o toque de recolher imposto pelo governador Wellington Dias (PT) vale até 4 de março. A medida proíbe a circulação de pessoas em espaços e vias públicas entre as 23h e 5h. Já as atividades consideradas não essenciais estão suspensas entre a meia noite desta sexta-feira (26) até as 5h da próxima segunda-feira, 1º de março. Serviços essenciais como supermercados, farmácias e hospitais podem funcionar sem grandes restrições de horário. Hospitais públicos e privados do estado estão com cerca de 100% de ocupação dos leitos de UTI voltados ao combate à Covid-19.

Pernambuco

Medidas mais duras passam a valer em pelo menos 63 municípios do estado de Pernambuco a partir de sábado (27). O governo de Paulo Câmara (PSB) estabeleceu que até 10 de março qualquer atividade não essencial está proibida entre 22h e 5h. No fim de semana, a circulação é ainda mais restrita: das 17h às 5h. Permanecem sem grandes restrições apenas os serviços considerados pelo governo como essenciais: supermercados e serviços de saúde (hospitais, clínicas, farmácias).

30 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]