i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Serviço

Imposto sobre riqueza na Argentina | Entenda em 1 Minuto

    • Por Gazeta do Povo
  • 30/11/2020 17:38

A Câmara dos Deputados da Argentina aprovou uma lei que irá cobrar impostos sobre a riqueza. Quer entender como essa lei funciona e quais são as críticas a ela? A gente te explica

Deputados argentinos aprovam imposto sobre riqueza

O projeto foi proposto por Máximo Kirchner, filho da vice-presidente do país, Cristina Kirchner. O imposto prevê uma cobrança sobre grandes fortunas. Argentinos que possuem patrimônio maior que 200 milhões de pesos, terão que pagar uma alíquota única que varia de 2% a 3,5%.

O governo da Argentina acredita que cerca de 10 mil pessoas teriam que pagar a nova contribuição, arrecadando cerca de 300 bilhões de pesos. Porém, especialistas acreditam que seriam mais pessoas afetadas e uma arrecadação maior. O dinheiro seria destinado principalmente ao combate à pandemia e as consequências econômicas no país, entre outras medidas.

A oposição critica o novo imposto sobre riqueza, dizendo que irá afetar a geração de empregos e investimentos no país. Alguns especialistas indicam inclusive que a medida é inconstitucional por dois motivos: a bitributação do mesmo patrimônio e as alíquotas que podem ser consideradas confiscatórias.

O projeto vai para o Senado, onde o apoio aos Kirchner é maioria.

Conteúdo editado por:Jenifer Ribeiro dos Santos
1 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 1 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • M

    MARCO ANTONIO MENDONÇA FARIAS

    ± 0 minutos

    E no Brasil nada e' feito para tributar grandes riquezas, apesar de previsto na Constituicao desde 1988

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso