i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Desagradou o setor produtivo

Pressão da indústria tira da pauta proposta para empresas financiarem combate à Covid-19

    • Estadão Conteúdo
    • 22/04/2020 20:13
    indústria covid-19 coronavírus
    Cerca de 700 mil máscaras e 268 mil luvas cirúrgicas descartáveis foram doadas pela Vale para linha de frente do combate à pandemia de Covid-19 no Pará| Foto:

    A pressão de setores da indústria e do comércio levou à retirada de pauta do requerimento de urgência do Projeto de Lei Complementar 34/2020 a pedido de seu autor, o deputado Wellington Roberto (PL-PB). O texto institui o empréstimo compulsório para atender às despesas urgentes provocadas pela situação de calamidade pública relacionada ao coronavírus.

    Caso o PLP-34 seja aprovado pela Câmara dos Deputados, estarão sujeitos ao empréstimo compulsório as pessoas jurídicas com patrimônio líquido igual ou superior a R$ 1 bilhão na data de publicação da lei, de acordo com o seu último demonstrativo contábil. Além disso, o governo federal poderá cobrar dessas empresas valor equivalente a até 10% do lucro líquido apurado nos 12 meses anteriores à publicação da lei.

    Indústria resiste ao projeto

    O PLP-34 vem sendo alvo de forte resistência desde sua apresentação. A Associação Brasileira das Companhias Abertas (Abrasca) afirma que o projeto apenas agrava o problema trazido pela pandemia: reduz a liquidez disponível para as empresas fazerem frente à vertiginosa queda em suas receitas e precarização da sua situação financeira.

    A entidade representa mais de 250 empresas, que respondem por cerca de 85% do total das ações negociadas na bolsa brasileira, por 14,2% do total arrecadado em impostos federais e por 9 milhões de empregos formais. Segundo a Abrasca, o PLP-34 tem "potencial desastroso" e é um verdadeiro "desestímulo à retomada do investimento privado pós-crise. A associação argumenta que o lucro passado não tem relação direta com lucro presente e já está comprometido por decisão da assembleia de acionistas.

    "O impacto de caixa pode gerar ainda mais pressão por empréstimos, em um cenário de falta de recursos disponíveis para financiamento do ente privado. A exigência de efetuar pagamentos sobre resultados dessa natureza é um desafio adicional muito difícil de administrar", diz em carta enviada ao deputado Leonardo Barbosa, ainda assinada por Alfried Plöger, que morreu no último dia 12, aos 80 anos, em decorrência do novo coronavírus.

    Na semana passada, as confederações nacionais do Comércio (CNC), das Instituições Financeiras (CNF), das Seguradoras (CNSeg), do Transporte (CNT), da Saúde (CNSaúde), da Comunicação (CNCom) e das Cooperativas (CNCoop) enviaram uma carta contra o projeto de lei complementar ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia. A Confederação Nacional da Indústria (CNI) também reagiu e classificou o PLP-34 de "equívoco".

    A Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq) apelou aos deputados para que não aprovem a proposição. Em recente entrevista ao Broadcast o presidente-executivo da Abimaq, José Velloso Dias Cardoso, afirmou que o Brasil e o mundo passam por uma severa crise onde um dos maiores problemas é a falta de liquidez do mercado e as empresas estão com dificuldades de capital de giro e de crédito.

    "Entendemos que uma medida como esta pode agravar ainda mais a situação. Por isso, pedimos aos deputados que não aprovem esta medida", disse o presidente da Abimaq.

    A Associação Brasileira da Indústria Química (Abiquim) também pediu a parlamentares que não aprovassem o regime de urgência para o projeto. Em carta assinada por seu presidente, Ciro Marino, a entidade diz que ao mesmo tempo em que a indústria trabalha para apoiar o poder público e seus colaboradores, também atua para garantir sua saúde financeira e permitir a retomada do crescimento, após o fim das restrições colocadas pela quarentena.

    A Abiquim lembra que a indústria química já vem de períodos de baixo crescimento e baixa rentabilidade. Segundo a Abiquim, o projeto trará às empresas grande impacto econômico e pode acabar tendo efeito contrário ao esperado, já que muitas companhias terão poucos recursos para o capital de giro e pouco dinheiro para os investimentos.

    2 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 2 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

    • T

      Thiago Piedade

      ± 0 minutos

      É incrível como há parlamentares dessa estirpe no Brasil. Quem arcará, ao final, com a nova tributação, senão o próprio consumidor (preço final), o povo? Quem eventualmente perderia o emprego pelo aumento do custo, senão o empregado e, portanto, novamente o povo? Por fim, que país seria demonizado e repelido por grandes indústrias e empresas que se enquadrassem na esdrúxula proposta?

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • F

        Fernando Nunes

        ± 11 horas

        Isto simplesmente se chama "COMUNISMO", o estado interferindo diretamente no capital privado, como se dono dele fosse. Que VERGONHA! O que está acontecendo neste país!!! Por favor! Alguém tem que parar esses parlamentares!!!! POR FAVOR!!!!

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

        Fim dos comentários.