Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Sergio Moro deve pedir demissão do Ministério da Justiça após ingerência na Polícia Federal.
Sergio Moro deve pedir demissão do Ministério da Justiça após ingerência na Polícia Federal.| Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O presidente Jair Bolsonaro exonerou o diretor-geral da Polícia Federal (PF), Maurício Valeixo. O decreto que oficializa a mudança foi publicado no Diário Oficial da União desta sexta-feira (24) e é assinado pelo presidente Jair Bolsonaro. A saída oficial de Valeixo aumenta a tensão sobre uma possível saída do ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, do cargo. Moro convocou a imprensa para um pronunciamento, às 11 horas, e a expectativa é que ele entregue o cargo. No Twitter, Bolsonaro disse que a escolha do diretor-geral da PF é uma prerrogativa do presidente da república.

O ex-juiz da Lava Jato não teria sido avisado de que a exoneração de Valeixo seria efetivada nesta sexta. Por isso, o próprio ministro não assina formalmente a decisão, mesmo que seu nome conste no decreto. No documento, consta que a exoneração de Valeixo ocorreu "a pedido", mas isso também não procede. O então diretor-geral da PF também teria sido surpreendido.

Ministros da ala militar, como o chefe do Gabinete de Segurança Institucional, general Augusto Heleno, entraram em cena para tentar apagar o incêndio, mas o anúncio da saída de Valeixo sem a indicação de outro nome para ocupar o posto complica bastante a situação. Moro já teria informado assessores mais próximos de que vai entregar o cargo.

Na quinta-feira (23), o ministro Moro teria ameaçado pedir demissão ao ser informado de que haveria uma troca de comando na PF e que o novo diretor seria escolhido por Bolsonaro. Valeixo, que comandou a Superintendência da PF no Paraná durante a Operação Lava Jato, era amigo pessoal e homem de confiança de Moro. Ele já havia demonstrado ao ministro o desejo de deixar o posto, mas acreditava que a sucessão ocorreria naturalmente, de forma planejada e sem percalços.

Cotados para chefiar a PF

Outra pessoa ainda não foi nomeada por Bolsonaro para substituir Valeixo. Tradicionalmente, a escolha é feita pelo ministro da Justiça. Alexandre Ramagem, diretor da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), e Anderson Torres, atual secretário de Segurança Pública do Distrito Federal, são os mais cotados. Ambos são delegados da Polícia Federal. Corre por fora o nome do diretor-geral do Departamento Penitenciário Nacional, Fabiano Bordignon, também delegado da PF, que seria o favorito de Moro.

O ministro e o presidente teriam divergindo quanto a quem deveria ocupar o comando da PF a partir de agora. A assessoria do ex-juiz negou que Moro tivesse pedido demissão. Nos bastidores, a informação é que o ministro teria condicionado sua permanência à possibilidade de escolher o novo chefe da Polícia Federal e quer carta branca para isso. Bolsonaro não aceitou.

Divergências quanto ao comando da Polícia Federal são mais antigas

Apesar de a PF estar subordinada a Moro, Bolsonaro há tempos vem querendo ditar, ele mesmo, os rumos da instituição. Em agosto do ano passado, o presidente anunciou a saída do então Superintendente na PF do Rio de Janeiro, Ricardo Saadi, e tentou emplacar o nome de Alexandre Silva Saraiva para o posto. A interferência gerou ruídos entre integrantes da corporação e desagradou o próprio ministro Moro.

A PF reagiu negativamente. Informou que a troca no Rio já estava sendo discutida há tempos, que a saída de Saadi nada tinha a ver com questões de produtividade e que seu substituto, na verdade, seria Carlos Henrique Oliveira Sousa, superintendente da PF em Pernambuco – que foi quem acabou assumindo.

Moro não se manifestou publicamente. Bolsonaro continuou a dar declarações e chegou a dizer que se não podia trocar o superintendente do Rio de Janeiro, trocaria o diretor-geral da PF. Em meio à tentativa do presidente de intervir na Polícia Federal, a corporação deflagrou a operação Turbulência, que mirou o líder do governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE). A ação colocou o presidente em uma situação delicada e fortaleceu Moro e Valeixo.

Contexto da exoneração de Valeixo na Polícia Federal

A decisão do presidente de mudar o comando da PF ocorre dias depois de o Supremo Tribunal Federal (STF) autorizar a abertura de inquérito para investigar quem organizou e financiou manifestações em defesa da ditadura, no domingo. Bolsonaro participou de um ato com esse teor diante do quartel-general do Exército, em Brasília. Ficou irritado depois que alguns de seus aliados entraram na mira da Polícia Federal.

Há no Planalto o sentimento de que a relação entre Moro e Bolsonaro vem se deteriorando com rapidez. Desde que entrou no governo, o ex-juiz tem sofrido derrotas, como o pacote anticrime travado Congresso. Em janeiro deste ano, Bolsonaro tentou dividir o Ministério da Justiça em dois, tirando de Moro a Segurança Pública. O ministro ficou indignado e ameaçou novamente abandonar o governo. O presidente, então, recuou da ideia.

No auge da crise do coronavírus, Bolsonaro chegou a dizer, em conversas reservadas, que o ministro da Justiça era “egoísta” e só pensava em si próprio. Em outra ocasião declarou que usaria sua caneta contra pessoas do governo que “viraram estrelas”. Para interlocutores do presidente, o recado mirava não apenas o ex-ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, demitido do cargo, mas também Moro.

119 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]