i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Presidente do PSC

Preso pela PF, Pastor Everaldo foi padrinho político de Witzel e batizou Bolsonaro

  • PorEstadão Conteúdo
  • 28/08/2020 17:58
Pastor Everaldo
Pastor Everaldo foi candidato a presidente da República em 2014 pelo PSC.| Foto: Andre Rodrigues/Arquivo Gazeta do Povo

De candidato nanico a 2014 até a prisão pela Polícia Federal na manhã desta sexta-feira (28), o pastor Everaldo Dias Pereira, de 64 anos, ficou marcado por episódios caricatos na política. Entre os momentos públicos de visibilidade, está o batismo do presidente Jair Bolsonaro no Rio Jordão, em Israel, em maio de 2016. Católico, o então deputado federal teve naquele ato um gesto simbólico de aceno aos evangélicos, hoje parte importante do seu eleitorado fortemente conservador.

Dois anos depois, Pastor Everaldo, como é conhecido, tornou-se um poderoso nos bastidores da política do Rio. Era presidente nacional do PSC, partido do governador afastado Wilson Witzel, e ficou conhecido como o homem que mandava em tudo — ou pelo menos muito — no Executivo fluminense.

Conquistou esse posto com gestos de habilidade. Um deles foi inflar as pretensões do governador de concorrer à Presidência da República, logo no início de um governo que se anunciava difícil. Era visto com frequência no Palácio Guanabara, sede do governo fluminense, embora não tivesse cargo público.

Além da Secretaria de Saúde, foco da investigação sobre desvios durante a pandemia, o pastor da Assembleia de Deus comandava a Cedae, empresa pública de água e esgoto. Nesse campo, protagonizava uma disputa com o então secretário de Desenvolvimento Econômico, Lucas Tristão, um aliado de Mário Peixoto, fornecedor de serviços terceirizados, preso na Operação Favorito, por corrupção. Peixoto nega ter cometido qualquer crime.

Quando concorreu à Presidência — ficou em quinto, com 0,75% dos votos —, Everaldo virou chacota ao atuar, em debates, como uma espécie de linha auxiliar do então candidato tucano, Aécio Neves. Fazia perguntas brandas como "Qual é a sua opinião sobre a Previdência no Brasil?". Isso lhe rendeu a acusação, feita pela esquerda, de ser "boca de aluguel" do tucano. Depois, em 2017, um delator da Odebrecht afirmou que a empresa teria pagado R$ 6 milhões para o pastor ajudar Aécio.

Nascido dentro de um templo da Assembleia de Deus no Rio, Everaldo foi o primeiro candidato a presidente a usar o nome de "Pastor" na urna. Em 2018, tentou também uma cadeira no Senado. Mas, assim como na disputa de 2014, não teve sucesso.

Pastor Everaldo já foi secretário de Garotinho

No Rio, a influência de Everaldo não vem da eleição de Witzel, no recente ano de 2018. Começou nos fim dos anos 1990, no governo de Anthony Garotinho (1999-2002), eleito pelo PDT. Como subsecretário da Casa Civil, Everaldo coordenou o programa Cheque Cidadão, que distribuía vales-compra a famílias carentes. A distribuição se dava por meio de templos religiosos, o que gerou críticas. O pastor rebatia, dizendo que todas as religiões participavam da distribuição.

Na época, Everaldo era aliado da esquerda que estava no poder no Rio. Era próximo de Garotinho e da vice-governadora, a petista Benedita da Silva. Conseguiu que seu irmão, Edmilson Dias Pereira, tivesse legenda e fosse eleito vereador pelo PT. Mais recentemente, assumiu um discurso oposto, com apoio a privatizações. Ressurgiu no PSC após alguns anos sem nenhum destaque.

Recentemente, Everaldo foi acusado de mandar na Secretaria de Saúde. Na delação premiada firmada com a Procuradoria-Geral de Justiça, o ex-secretário Edmar Santos disse que foi ameaçado no período em que esteve preso no Batalhão Especial Prisional de Niterói, antes de acertar o acordo com a PGR e deixar a cadeia. Segundo ele, um homem que se apresentou como "tenente Cabana", que seria ligado ao presidente do PSC, o abordou para recomendar uma troca de advogado, a fim de que ele não fosse abandonado pelo "grupo". Santos interpretou o aviso como ameaça para que ficasse calado.

Pastor Everaldo organizou "caixinha" de propinas, diz Procuradoria

Pastor Everaldo organizou uma "caixinha" abastecida por propinas que era dividida com o governador do Rio, Wilson Witzel. Além disso, ele também tentou "alinhar discurso" com o delator Edmar Pereira para obstruir as investigações.

As acusações constam na decisão do ministro Benedito Gonçalves, do Superior Tribunal de Justiça, que autorizou a prisão de Everaldo, e na representação enviada pela subprocuradora-geral Lindôra Araújo à Corte. Segundo as investigações, Everaldo lidera "um dos grupos criminosos influentes nos Poderes Executivo e Legislativo do Rio de Janeiro".

"À luz dos elementos colhidos até o momento, observa-se que Pastor Everaldo instituiu uma espécie de 'caixinha única' para pagamentos de vantagens indevidas a agentes públicos da complexa organização criminosa sob investigação, a partir do direcionamento de contratações de organizações sociais e na cobrança de um 'pedágio' sobre a destinação dos 'restos a pagar' aos fornecedores, criando uma típica estrutura sofisticada e perene e com detalhada divisão de tarefas", apontam os investigadores.

Para "administrar" a caixinha, Everaldo teria criado uma "típica estrutura ramificada de organização criminosa, com divisão de tarefas entre os demais integrantes do grupo". A divisão dos repasses foi instituída da seguinte forma: 30% dos valores seriam para Edmar Santos, 20% para Witzel, 20% para o próprio Pastor Everaldo, 15% para Edson da Silva Torres e 15% para Victor Hugo Barroso, apontados respectivamente como operadores administrativo e financeiro do pastor.

Com a prisão do Pastor Everaldo nesta sexta, o PSC informou que o ex-senador e ex-deputado Marcondes Gadelha, vice-presidente nacional da sigla, assume provisoriamente a presidência do partido.

Em nota, Pastor Everaldo afirmou que "sempre esteve à disposição de todas as autoridades e reitera sua confiança na Justiça".

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.