Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
  • Ícone FelizÍcone InspiradoÍcone SurpresoÍcone IndiferenteÍcone TristeÍcone Indignado
Marcos Pontes anunciou segunda fase de pesquisa com a nitazoxanida
Marcos Pontes anunciou segunda fase de pesquisa com a nitazoxanida| Foto: Reprodução

O Ministério da Ciência e Tecnologia informou, em coletiva nesta terça-feira (19), que vai iniciar a segunda fase de testes clínicos para verificar se um remédio usado como vermífugo é eficaz no combate ao coronavírus. O primeiro protocolo, feito em 17 hospitais com 500 pacientes, verificava a reação à substância nitazoxanida naquelas pessoas que já apresentavam alguns sintomas de agravamento da Covid-19, como tosse, febre e comprometimento pulmonar. A nova etapa da pesquisa vai focar na administração do medicamento para pacientes que tiveram a confirmação do diagnóstico do coronavírus.

De acordo com o ministro Marcos Pontes, os testes com a nitazoxanida, princípio ativo do Annita, começaram em fevereiro na fase laboratorial e avançam agora para a segunda fase. O ministro diz que, nessa etapa, os pacientes que tiverem os testes para Covid-19 positivos já passarão a ser tratados com a nitazoxanida, que será um medicamento complementar. “As pessoas que vão participar do teste terão o mesmo tratamento que receberiam. Podem usar antitérmico, antibiótico e anticoagulante. Além disso, recebem o medicamento [nitazoxanida]”, declarou. O protocolo exige que pelo menos 500 pacientes participem dessa etapa.

O secretário de políticas para formação e ações estratégicas, Marcelo Morales, explicou a diferença entre as duas fases de testes clínicos da nitazoxanida. “O protocolo que está em andamento é com o paciente que tem pneumonia. Tem tosse, febre e tomografia em vidro fosco. Esse paciente está apto para entrar no protocolo. O segundo [protocolo] será com pacientes que testaram positivo, para evitar que cheguem à tempestade inflamatória, que leva ao agravamento da doença”, disse.

O diretor do Hospital das Forças Armadas (HFA), Brigadeiro Doutor Geraldo José Rodrigues, reforçou que a substância é segura, e que já foi usada para tratamento de epidemia de rotavírus, além de já ter sido testada para o Sars-Cov1 e também para hepatite C.

Pesquisa começou em fevereiro

A nitazoxanida começou a ser testada em fevereiro, junto de mais de 2 mil substâncias, e ficou entre as cinco mais promissoras verificadas por pesquisadores do Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materias (CNPEM). Segundo Pontes, os testes laboratoriais in vitro apresentaram resultados muito positivos, inibindo até 94% da carga viral do coronavírus. Para o ministro, a vantagem da nitazoxanida é que não causa reações adversas, mas ele mesmo ressalta que é preciso seguir os protocolos clínicos da pesquisa para confirmar a eficácia da substância.

Atualmente, são 17 hospitais que participam dos testes com a nitazoxanida, distribuídos pelos estados de São Paulo (6), Rio de Janeiro (4), Distrito Federal (2), Minas Gerais (2), Amazonas (1), Pernambuco (1) e Paraná (1).

14 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros

Máximo de 700 caracteres [0]