i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Funcionalismo estadual

4 motivos que explicam por que os estados precisam estar na reforma da Previdência

  • PorFernanda Trisotto
  • 06/06/2019 10:36
Manifestantes protestam na Assembleia Legislativa (Alerj), centro da capital fluminense, contra o pacote de corte de gastos do governo do estado.
O Rio de Janeiro é um dos estados com situação fiscal mais grave e na questão da Previdência isso não é diferente. No registro, servidores protestavam contra pacote de corte de gastos do governo em 2016.| Foto: Tomaz Silva/Arquivo/Agência Brasil

Enquanto governadores e deputados não chegam a um consenso sobre a participação dos estados na reforma da Previdência, que estabeleceria novas regras para todos os servidores (incluindo estaduais e municipais), uma análise mais aprofundada sobre a situação das contas previdenciárias nos entes federativos mostra que não há muita escapatória para eles. A situação é problemática na maior parte dos estados, e alguns já enfrentam agora problemas graves. A verdade é que todos eles possuem déficit atuarial, o que indica que não vai ter dinheiro para cobrir todos os gastos projetados com aposentadoria e pensão.

O novo alerta vem de um estudo especial publicado em junho pela Instituição Fiscal Independente (IFI), órgão ligado ao Senado Federal. Em A situação das previdências estaduais, o analista da IFI e consultor legislativo Josué Pellegrini mostra como as despesas com Previdência estão no centro das frágeis contas públicas dos estados. A situação, que já veio se agravando com o passar dos anos, tende a piorar se não houver nenhuma mudança.

Segundo Pellegrini, embora todos os estados tenham déficit no sistema de aposentadoria de seus servidores, a situação das contas públicas no que diz respeito à Previdência é melhor nas unidades da federação mais novas – como Tocantins, Amapá, Rondônia e Roraima. O quadro é mais grave e exige mais atenção em Minas Gerais, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Rio Grande do Norte e Santa Catarina.

É possível apontar algumas razões para esse desequilíbrio, que vão desde o número de servidores ativos em relação aos inativos até o valor dos benefícios pagos para aposentados e pensionistas.

“Sem uma solução rápida e efetiva, os déficits previdenciários continuarão a absorver parcela crescente das receitas estaduais, prejudicando a oferta de serviços adequados à população, principalmente no que tange às principais atribuições constitucionais dos estados: saúde, educação e segurança”, observa Pellegrini. E isso já vem acontecendo, tendo em vista que grande parte dos estados está próximo ou já extrapolou o limite de despesa com pessoa estabelecido pela Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF).

Se estados não pagam as aposentadorias, União tem de socorrê-los

Hoje, as regras de aposentadoria do funcionalismo público são basicamente as mesmas para a União, estados e municípios. A diferença é que estados podem fixar as alíquotas de contribuição no valor que desejarem, desde que não seja inferior ao porcentuais cobrados de servidores federais, que atualmente é de 11%.

Quando os estados não conseguem cumprir com suas obrigações em pagar o funcionalismo, parte dessas despesas acaba sendo coberta com aportes do Tesouro Nacional – e a União também sofre com suas penúrias.

“Dada a frágil situação atual das contas previdenciárias dos estados e a provável deterioração futura dessas contas, a aprovação da PEC 6/2019 [a reforma da Previdência], com a pronta aplicação de seu conteúdo aos estados, é o que de mais eficaz se poderia fazer para evitar o agravamento do desequilíbrio fiscal dos estados e o comprometimento do alcance de suas atribuições constitucionais”, defende.

Entenda em quatro pontos por que a situação das contas previdenciárias dos estados é tão preocupante:

1. No vermelho: os déficits e o excesso de despesas com pessoal

Todos os estados apresentam déficits atuariais, que tem a ver com a projeção futura dos gastos com previdência. E quase todos têm déficits financeiros. E, se hoje já não há dinheiro para cobrir os gastos com aposentadorias e pensões, as contribuições atuais também não serão suficientes no futuro, caso as regras não sejam alteradas.

Pellegrini pondera que, a depender da medida usada, há variação no tamanho do déficit previdenciário. O analista usou as informações do Anuário Estatístico da Previdência Social – Suplemento Previdência do Servidor Público, que avalia os dados de 2017.

Nessa análise, quatro estados estão com superávit ou perto do equilíbrio: Roraima, Amapá, Tocantins e Rondônia. Há explicações para esse desempenho. Amapá, Roraima e Tocantins só se tornaram estados em 1988. “A situação de regimes previdenciários mais recentes tende a ser mais favorável, pois compostos por segurados mais jovens e maior participação de ativos em relação a inativos”, explica. Além disso, no Amapá, Roraima e Rondônia, alguns servidores puderam optar em ser pagos pela União.

Formam um grupo com déficits intermediários, entre 5% e 15% da receita corrente líquida (RCL), a maior parte dos estados: Amazonas, Acre, Mato Grosso, Maranhão, Ceará, Bahia, Goiás, Pernambuco, Paraná, São Paulo, Paraíba, Espírito Santo, Mato Grosso do Sul, Alagoas e Sergipe. O Distrito Federal e o Piauí não foram enquadrados em nenhuma faixa porque seus resultados variam muito de acordo com a medida usada.

A situação é mais complexa nos estados que têm déficit mais elevado: Santa Catarina, Rio Grande do Norte e, em situação fiscal mais delicada, Rio Grande do Sul, Minas Gerais e Rio de Janeiro. Pellegrini alerta que no Rio Grande do Sul, o déficit está próximo de 30% da receita corrente líquida em qualquer uma das medidas e em Minhas Gerais, em uma delas. No Rio de Janeiro, o rombo é de mais de 20% em qualquer medida.

“Isso significa que cerca de 1/4 a 1/3 de toda a receita disponível está sendo utilizada para cobrir as despesas da previdência dos servidores, não podendo, portanto, ser destinada a investimentos públicos e a áreas como saúde, educação e segurança ou mesmo para conter a expansão do endividamento”, avalia.

Entre esses três piores estados ainda há uma diferença: mineiros e gaúchos tem uma arrecadação muito baixa. Já os fluminenses, embora sejam os recordistas de despesas, também apresentam arrecadação recorde entre os estados.

2. Razões para o déficit: o balanço dos servidores

Há vários motivos para o desequilíbrio nas contas previdenciárias dos estados, mas uma parte da explicação é simples: a relação entre o número de servidores na ativa e os inativos (aposentados e pensionistas), que é chamado de razão de dependência. Assim como ocorre no INSS, os servidores da ativa contribuem e os inativos recebem os benefícios. Os servidores que estão na inativa até contribuem, mas só se receberem acima do teto do INSS, que atualmente é de R$ 5,8 mil.

Pellegrini dá um exemplo de como funcionaria essa razão de dependência. Se os servidores inativos recebem benefícios equivalentes a 88% da remuneração da atividade e não contribuem, e os servidores da ativa contribuem com uma alíquota de 11%, são necessários oito servidores na ativa para financiar um inativo. A relação cai se considerarmos contribuições de igual percentual entre os entes – poderia ser de oito para quatro. Mas, considerado todos os estados, a relação entre servidores ativos e inativos em 2017 era de 1,13, quando havia 2,45 milhões de servidores na ativa, 1,67 milhão de aposentados e 504 mil pensionistas.

Para entender como essa razão de dependência se formou , Pellegrini esmiuçou dados de anos anteriores, mais especificamente de 2006 a 2015, que foram publicados na Carta de Conjuntura 34 do Ipea.

O déficit previdenciário cresceu significativamente entre 2009 e 2015, depois de ter encolhido entre 2007 e 2008. Isso aconteceu porque, entre 2006 e 2015, o número de servidores estaduais inativos aumentou 37,9%, enquanto o número de ativos caiu 3,4%. Além disso, o benefício dos aposentados e pensionistas subiu 32,7% no período, um reflexo do reajuste de 50,8% na remuneração médias dos servidores na ativa.

Nesse período analisado, das 27 unidades da federação, 13 aumentaram o número de servidores e os outros 14 tiveram redução. Em relação aos inativos, todos os estados tiveram aumentos significativos, sendo que em 16 deles o crescimento foi superior a 40%.

Essa relação deve continuar aumentado, já que em 2015, a média de idade dos servidores estaduais era de 45 anos e quase um terço já tinha passado dos 50 anos. Em 2017, Santa Catarina, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Rio Grande do Sul já tinham mais servidores aposentados do que na ativa.

Outro fator que causa essa disparidade é a relação entre alíquota de contribuição e benefício recebido na inatividade. Funcionários que ingressaram no serviço público até 2003 têm direito a paridade e integralidade, ou seja, recebem na aposentadoria remuneração equivalente ao último salário que receberam na ativa e têm direito aos mesmos reajustes dos servidores da ativa.

Essas regras só foram alteradas com a reforma da Previdência de 2003, que endureceu a concessão de aposentadoria para o funcionalismo. “As alíquotas das contribuições, por sua vez, não foram calibradas de modo a cobrir os compromissos previdenciários. Na verdade, dado o tamanho e dinâmica desses compromissos, os percentuais requeridos teriam que corresponder à parcela elevada da remuneração ou benefício, o que torna difícil o ajuste apenas pelo lado da receita”, explica.

3. Regras especiais de aposentadoria pressionam as contas

Algumas categorias possuem regras específicas para a aposentadoria, como é o caso de professores da educação básica, policiais militares e bombeiros. E grande parte dos servidores públicos estaduais pertencem a essas categorias, o que significa que se aposentam mais cedo.

No caso dos professores, o pedido de aposentadoria pode ser feito com 25 anos de contribuição e 50 anos de idade para mulheres. Já os homens precisam contribuir por 30 anos e podem parar de trabalhar aos 55 anos. Para os policiais, a aposentadoria pode ser concedida após 25 anos (mulheres) e 30 anos (homens) de contribuição, com ao menos 15 e 20 anos de exercício do cargo, respectivamente. Não existe idade mínima.

O analista lembra que, no mesmo estudo publicado na Carta de Conjuntura 34 do Ipea, em 2013, na média dos estados, 49,5% dos servidores que estavam trabalhando se enquadravam em categorias cujas regras para aposentadoria são mais favoráveis, sendo a maior parte professores.

Outro estudo mais recente do Ipea, sobre os militares estaduais (policiais e bombeiros), mostrou que eles se aposentam com idade média de 49,9 anos, enquanto a média dos servidores homens é de 58,7 anos. Nesse caso, o problema é que a remuneração média dos militares aposentados é até 50% superior ao dos ativos. Em contrapartida, os servidores civis na inatividade recebiam cerca de 90% da remuneração de um funcionário da ativa.

4. Repartição e previdência complementar

Os estados também enfrentam problemas com a transição entre regimes de previdência, da repartição para a complementar. Desde 2012, 16 estados optaram por criar previdências complementares, embora a metade ainda não as tenha implementado. A reforma da Previdência pretende tornar essa implementação obrigatória.

A adoção do regime de capitalização para novos servidores, no longo prazo, resolveria o problema das elevadas despesas com previdência porque limitaria os benefícios ao teto do INSS e o valor extra viria de uma previdência complementar. Pellegrini alerta que, nesse caso, os problemas são semelhantes a segregação de massas, utilizada por vários estados (quando há uma divisão em grupo de servidores ativos e inativos, geralmente levando em conta o tempo de serviço público).

O problema se concentra durante o período de transição, quando se perdem as contribuições dos novos servidores e há aumento de despesas porque os estados precisam colaborar com a parcela que vai para a previdência complementar. É nessa fase que o regime de repartição “perde importância” e os desafios são maiores para a gestão das contas.

“A impossibilidade de usar as contribuições de parte dos servidores ativos para pagar benefícios e o maior desembolso com as contribuições do próprio ente se somam ao já comentado baixo número de ativos em relação ao número de inativos para pressionar o déficit da previdência estadual”, diz Josué Pellegrini.

20 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 20 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • B

    Brazilian

    ± 25 dias

    TIRA CARGOS, MORDOMIAS, BENESSES, FAVORES, NÃO PRECISA MEXER EM NADA MAIS. O POVO ESTÁ ACORDANDO, MUITA GENTE PERCEBEU QUE BOLSONARO ESTÁ SENDO SÓ UMA MARIONETE DO MERCADO. INSISTIR DEFENDER ESTE GOVERNO DO BOLSONARO, É BURRICE. NÃO VAMOS ENTREGAR O BRASIL PARA OS BILIONÁRIOS, TALKE?Y

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • B

      Bamberg

      ± 26 dias

      Para quem não sabe, o Rio Grande do Sul, que já foi expoente na economia nacional, hoje tem um déficit previdenciário superior ao orçamentário.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • R

        Robson Santos

        ± 26 dias

        Nosso atual governador é a favor da Reforma da Previdência que levará a extrema miséria os mais pobres, mas não foi pelo fim da aposentadoria dos ex-governadores, dá para ver de que lado ele está.

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

        • R

          Robson Santos

          ± 26 dias

          Sabe o que interessante, no Paraná o estado está quebrado porque foi amplamente saqueado pelo ex-governador Beto Richa, e continuará recebendo sua aposentadoria assim como os outros ex-governadores. O Rio está quebrado por quase 20 anos sendo saqueado pelos ex-governadores, e a realidade não é diferente em praticamente todos os estados. Daí para os atuais governadores não se queimarem, querem transferir a responsabilidade da Reforma da Previdência para o Gov. Federal, culpando os servidores públicos pelos déficits do governo, corrupção não tem nada a ver né? A máquina pública está inchada? Fácil, manda embora essa corja de nomeados sanguessugas e deixa quem realmente trabalha que resolve.

          Denunciar abuso

          A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

          Qual é o problema nesse comentário?

          Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

          Confira os Termos de Uso

          • P

            PAULOFUR

            ± 26 dias

            É inadmissível que um orgão ligado ao Senado ignore que os servidores públicos contribuem com previdencia mesmo depois de aposentados. E, ainda, que desde 2013, para novos servidores, o teto para aposentadoria é o mesmo do INSS. Além do que os Estados nao estão proibidos de fazer as suas reformas. Palhaçada hein!!!??

            Denunciar abuso

            A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

            Qual é o problema nesse comentário?

            Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

            Confira os Termos de Uso

            • L

              Luca

              ± 26 dias

              De****do federal falar que não quer aprovar estados e municípios junto porque assime o ônus da reforma sozinho é um tiro no pé, pois até 2022 praticamente todos os estados estarão gastando uns 20% ou 30% da arrecadação pra cobrir o déficit...isso vai gerar cortes de investimentos enormes no estado...e isso vai cair nas costas desses deputados que vão cair

              Denunciar abuso

              A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

              Qual é o problema nesse comentário?

              Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

              Confira os Termos de Uso

              • D

                Denny William Silva

                ± 26 dias

                Os servidores públicos do Paraná já passaram por quatro reformas da sua previdência entre 2012 e 2018.

                Denunciar abuso

                A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                Qual é o problema nesse comentário?

                Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                Confira os Termos de Uso

                • W

                  wvl

                  ± 26 dias

                  jornalzinho tendencioso!

                  Denunciar abuso

                  A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                  Qual é o problema nesse comentário?

                  Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                  Confira os Termos de Uso

                  • J

                    Junior

                    ± 26 dias

                    O governadores na sua grande maioria e os prefeitos não sabem nem o que é um orçamento. A unica coisa que eles sabem é roubar em beneficio próprio. Alguém aqui acredita que eles irão fazer a reforma? eles não saberiam nem quem contratar para fazer, vão fazer uma licitação, vai ganhar a empresa do primo, vão pegar o dinheiro e sumir do Brasil

                    Denunciar abuso

                    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                    Qual é o problema nesse comentário?

                    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                    Confira os Termos de Uso

                    • A

                      Adhemar Ricardo Harada Ferreira

                      ± 26 dias

                      A grande questão é que os Estados e Municípios querem apenas o bônus da Reforma da Previdência, a situação fiscal com certeza vai melhorar para todos, mas não querem o ônus, que é a defesa da reforma perante o funcionalismo público, grande eleitor. Deixem de hipocrisia e vamos fazer o que é necessário, para fazer o Brasil crescer novamente.

                      Denunciar abuso

                      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                      Qual é o problema nesse comentário?

                      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                      Confira os Termos de Uso

                      1 Respostas
                      • R

                        Robson Santos

                        ± 26 dias

                        Os governadores saqueiam os cofres públicos e os culpados são os servidores públicos? A Paraná Previdência gerava superavit até nosso saudoso ex-governador meter a mão e ainda soltar bomba nos professores, justamente para cobrir seus roubos/rombos, dá na mesma. Esses mesmos de****dos que aprovaram neste ano aumento de 6 bi só de verbas parlamentares, não abrem mão de suas aposentadorias especiais e suntuosas verbas de gabinete, auxilio-moradia/paletó. Até quando o povo vai aceitar ser feito de trouxa, essa reforma só aumenta injustiças e serve somente para cubrir roubos/rombos dos políticos, que não tem fim.

                        Denunciar abuso

                        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                        Qual é o problema nesse comentário?

                        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                        Confira os Termos de Uso

                    • J

                      J A Schmidt

                      ± 26 dias

                      O funcionalismo é o cancer do Brasil, com seus privilégios, direitos adquiridos, mordomias e o resultado é o péssimo serviço prestado ao contribuinte que paga a conta. Exonera todos e faz novo concurso cim salários na média da iniciativa privada e aposentadoria exclusiva pelo INSS.

                      Denunciar abuso

                      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                      Qual é o problema nesse comentário?

                      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                      Confira os Termos de Uso

                      2 Respostas
                      • R

                        Robson Santos

                        ± 26 dias

                        Não confunda as coisas, a maioria dos funcionários concursados recebem salários próximos a iniciativa privada e realmente trabalham, o problema é essa corja de funcionários nomeados por políticos, que recebem fortunas e não sabem o que é trabalho, e que vão continuar assim porque nada impede essas nomeações vergonhosas, e nem essa reforma nefasta vai mudar isso.

                        Denunciar abuso

                        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                        Qual é o problema nesse comentário?

                        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                        Confira os Termos de Uso

                      • J

                        Junior

                        ± 26 dias

                        Com todo respeito, essa não é a solução. Só existe uma solução, PRIVATIZAR. Deixar apenas, Segurança e educação de base para o governo.

                        Denunciar abuso

                        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                        Qual é o problema nesse comentário?

                        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                        Confira os Termos de Uso

                    • B

                      Brazilian

                      ± 26 dias

                      Menos polícia, médicos, professores para servir o povo, e mais inchaço nas contas de cargos e comissionados. Disso ninguém fala.

                      Denunciar abuso

                      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                      Qual é o problema nesse comentário?

                      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                      Confira os Termos de Uso

                      1 Respostas
                      • R

                        Robson Santos

                        ± 26 dias

                        Verdade, essa corja de políticos "infectam" as repartições públicas de comissionados com salários absurdos e não sabem o que é trabalhar, quantidades absurdas e desnecessárias, ocupando cargos só para ajudar a roubalheira política. Daí servidores concursados que realmente trabalham, como os que você citou acabam difamados e prejudicados.

                        Denunciar abuso

                        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                        Qual é o problema nesse comentário?

                        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                        Confira os Termos de Uso

                    • B

                      Brazilian

                      ± 26 dias

                      A culpa não é dos servidores executivos. Precisamos de mais gente e capacitada para melhorar o serviço à população. Tem muita gente a culpar, tem muito de onde tirar, que não seja sacrificar os servidores que estão na linha de frente para atender o povo.

                      Denunciar abuso

                      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                      Qual é o problema nesse comentário?

                      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                      Confira os Termos de Uso

                      3 Respostas
                      • R

                        Robson Santos

                        ± 26 dias

                        Deixa tudo para a iniciativa privada, e quem tiver dinheiro que pague, quem não tiver que se lasque, já que não teve mérito e não trabalhou o suficiente para poder usufruir de saúde e educação privada e por aí vai. Relato de classe média baixa que se acha rico e odeia que o chame de pobre. O Problema não é os funcionários públicos ou as estatais, é a corrupção, e essa não tem fim, fecha uma buraco surgem 10. Agora é mais fácil fingir que ela não existe nos governos federal, estadual e municipal e dizer que o problema é a previdência.

                        Denunciar abuso

                        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                        Qual é o problema nesse comentário?

                        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                        Confira os Termos de Uso

                      • B

                        Brazilian

                        ± 26 dias

                        Leonardo: Leonardo, sei que nossos serviços não são bons. Mas há falta de investimento e até mesmo regular as contas. Há inchaço na máquina pública, e a gordura não vem do Executivo. O que você falou é muito bom, mas no Brasil não se efetiva, porque não temos uma população com condições de pagar apenas por serviços privados.

                        Denunciar abuso

                        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                        Qual é o problema nesse comentário?

                        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                        Confira os Termos de Uso

                      • L

                        Leonardo

                        ± 26 dias

                        Deixe na mão do privado, deixe na mão do estado somente Seguranca... o resto automaticamente se autorregula... menos servidores, menos impostos, mais dinheiro na mão do cidadão, mais empreendimento, maior qualidade de vida.

                        Denunciar abuso

                        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                        Qual é o problema nesse comentário?

                        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                        Confira os Termos de Uso

                    Fim dos comentários.