Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
vacinação
Vacinação simultânea em todo o país.| Foto: Arquivo/Gazeta do Povo / Arquivo

O Ministério da Saúde divulgou neste sábado (9) detalhes do plano nacional de vacinação contra a Covid-19. A pasta informou que acertou com o Instituto Butantan a compra da totalidade das vacinas contra o coronavírus produzidas pelo laboratório, a coronavac. Também esclareceu que a campanha de imunização será simultânea em todo o país. Em nota, a pasta afirmou que as doses serão distribuídas em quantidade proporcional à população de cada estado.

O documento divulgado neste sábado não define uma data para o início da vacinação. Mas, nesta semana, o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, disse que a aplicação da vacina nos brasileiros poderia começar dia 20, na melhor das hipóteses.

Na sexta-feira (9), o secretário de Saúde de São Paulo, Jean Gorinchteyn, afirmou que a aplicação das doses no estado começará no dia 25, mesmo se o governo federal optar por outra data. O Instituto Butantan é vinculado ao governo paulista.

Ministério terá 100 milhões de doses da coronavac

Na nota deste sábado, o Ministério da Saúde diz que o acordo para a compra de todas as doses da coronavac foi feito na sexta, em reunião com representantes do Instituto Butantan. Com isso, as 100 milhões de doses adquiridas pela pasta serão incorporadas ao plano nacional de imunização contra a Covid-19

Na quinta-feira (7), Pazuello já havia informado que o governo federal havia fechado acordo com o Butantan para comprar 46 milhões de doses do imunizante. O Instituto desenvolve a vacina coronavac, em parceria com a farmacêutica chinesa Sinovac.

Vacinação ao mesmo tempo em todos os estados

O ministério informou ainda que todas as vacinas adquiridas ou em negociação, que tenham aval da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), seguirão o mesmo caminho, sendo incorporadas e distribuídas a toda a população, ao mesmo tempo. "Assim, brasileiros de todo o país receberão a vacina simultaneamente, dentro da logística integrada e tripartite, feita pelo Ministério da Saúde e as Secretarias Estaduais e Municipais de Saúde", diz o comunicado.

"Os estados receberão as doses em quantidade proporcional à sua população e farão a distribuição aos 5.570 municípios brasileiros, de forma que todas as salas de vacinação do país recebam as vacinas o mais rápido possível."

Na nota, o governo afirmou que a campanha deve começar tão logo os imunizantes recebam autorização da Anvisa, para uso emergencial ou o registro definitivo.

Na sexta-feira (8), o Instituto Butantan e a Fiocruz, que produz a vacina de Oxford no Brasil, entraram com pedido de uso emergencial das vacinas na agência reguladora. O resultado deve ser divulgado no prazo máximo de dez dias.

3 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]