i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Rodrigo Constantino

Foto de perfil de Rodrigo Constantino
Ver perfil

Um blog de um liberal sem medo de polêmica ou da patrulha da esquerda “politicamente correta”.

A cultura da ignorância e o uso da razão

  • PorGilvan Badke
  • 24/11/2020 13:16
A cultura da ignorância e o uso da razão
| Foto:

Por Gilvan Badke, publicado pelo Instituto Liberal

Um dos fundamentos para o desenvolvimento de uma sociedade é a evolução do seu capital humano. Segundo a teoria do crescimento econômico, até a década de 1950, entendia-se que os fatores que causavam desequilíbrio no crescimento das nações eram recursos naturais, capital e trabalho.

Posteriormente constatou-se a incongruência dessa análise e a teoria, mais amplamente divulgada pelo livro O valor econômico da educação, de Theodore Schultz, passou a considerar uma outra variável relevante: o capital humano.

Há décadas, sabe-se que o capital humano é um dos maiores ativos de uma nação para se chegar à prosperidade econômica. Ainda assim, o Brasil figura entre os piores países do mundo nos principais índices educacionais. No PISA, prova internacional coordenada pela Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), aplicada em 70 países, o país ficou na 63ª posição em ciências, na 59ª em leitura e na 66ª colocação em matemática.

A baixa qualificação dos indivíduos cria um ambiente abundante para a aceitação de ideias sem fundamentos e inférteis para o desenvolvimento econômico. Essa equação, alimentada década após década, resulta em uma cultura de valores obsoletos, criando uma sociedade que questiona a meritocracia em detrimento da produtividade, que amaldiçoa o trabalho duro e enaltece as vantagens sem esforços, que despreza a racionalidade e admira o apelo emocional, que não respeita o livre mercado e perpetua o populismo, o pauperismo e a ignorância.

Nesse contexto, o Brasil desenvolveu sua brasilidade, galgada num cacoete cultural que adota o primitivismo, se glorificando dos seus piores defeitos, como a malandragem, o jeitinho e a vantagem imprópria. O país não se sobressai no mundo por estar na vanguarda tecnológica ou econômica, por grandes descobertas da ciência ou por produzir feitos que quebram paradigmas e solucionam problemas globais. Talvez um dos grandes feitos do Brasil seja nunca ter ganhado um prêmio Nobel, que reflete essa cultura repleta de elementos que nutrem o baixo capital humano da sociedade.

Para a sociedade amadurecer, faz-se necessário enxergar os seus erros. Existem inúmeros casos de virada de mesa. Um dos mais significativos foi o caso da Coreia do Sul, que, na década de 1960, apresentava índices de desenvolvimento comparáveis com Senegal e Moçambique e, após utilizar a educação básica como motor para o crescimento, atualmente figura entre as principais economias do mundo.

Um dos aspectos que demonstram esse olhar anacrônico do Brasil na tomada de decisões é a forma como aplica seus recursos. Dados da OCDE mostram que, na Coreia do Sul, para cada dólar investido no ensino básico, $ 1,50 é aplicado no ensino superior, naturalmente mais caro. Já no Brasil, o desequilíbrio é expressivo: quatro dólares gastos no ensino superior para cada dólar gasto no ensino básico. Esse desequilíbrio resulta em pessoas com má formação intelectual, cognitiva e educacional.

A humanidade, através de dezenas de milhares de anos, fez um esforço atroz para sair do primitivismo das cavernas, progredindo através de inovações e estabelecendo instituições como a família e a educação. Porém, a cultura brasileira parece seguir na contramão dos fundamentos e pressupostos básicos para prosperar, com níveis baixíssimos de capital humano e confiança social. Querem que voltemos alguns séculos de pensamento e aprendizado racional. Contudo, o progresso tem um caminho simples: o abandono das ideias populistas e dos ideais coletivistas e a retomada na crença do indivíduo, no livre mercado e na supremacia do uso da razão.

*Gilvan Badke é associado honorário do Instituto Líderes do Amanhã. 

2 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 2 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • R

    Robson La Luna di Cola

    ± 0 minutos

    Supremacia do uso da razão? Não! Valores E razão. Os nazistas, e os comunistas usaram estratégias militares e culturais fantásticas, altamente racionais. para implantarem suas utopias malucas. VALORES em primeiro lugar.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • R

      Robson La Luna di Cola

      ± 6 minutos

      População pobre e ignorante = Estado-dependente = voto de cabresto. Simples assim.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      Fim dos comentários.