i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Rodrigo Constantino

Foto de perfil de Rodrigo Constantino
Ver perfil

Um blog de um liberal sem medo de polêmica ou da patrulha da esquerda “politicamente correta”.

2017 foi um ano de mais vitórias que derrotas para a liberdade

  • PorRodrigo Constantino
  • 02/01/2018 12:55
2017 foi um ano de mais vitórias que derrotas para a liberdade
| Foto:

Por Luan Sperandio, publicado pelo Instituto Liberal

No início de 2017, havia uma enorme incerteza sobre o que aconteceria ao longo do ano no cenário político e econômico. Embora a regra do Brasil seja a imprevisibilidade, nunca havia sido tão difícil prever o que aconteceria no ano seguinte como para 2017. Tudo poderia acontecer, inclusive nada, como dizia Adolfo Sashsida.

Isso porque, no início de 2016, o Brasil estava em estado de letargia, basicamente esperando que o impeachment de Dilma Rousseff se consolidasse. Após a ascensão de Michel Temer e uma euforia inicial pela apresentação de um verdadeiro dreamteam em sua equipe econômica, liderada por Henrique Meirelles, veio à realidade: as estruturas da sociedade que sustentavam o Lulo-petismo se opunham a qualquer medida necessária para tirar o país da lama em que fora colocado.

As semanas que antecederam a votação da PEC do Teto, um ajuste fiscal de longo prazo, mostraram como seria difícil retomar a agenda de reformas após uma década. Ao final ela foi aprovada, e o governo anunciava: “vamos agora conduzir a reforma trabalhista, previdenciária e tributária”.

A ambição de Temer contrastava com um país que, ao final de 2016, ainda buscava sair da maior recessão de sua história, com índices altos de desemprego e inflação em queda, mas ainda alta. Havia incerteza se alguma das reformas propostas conseguiria prosperar por contrariar diversos grupos de interesse, mimados por tantos anos de negligência petista.

A reforma da previdência e trabalhista caminhavam a passos largos nos primeiros meses de 2017, quando veio o dia mais longo do ano, 18 de maio. O vazamento das gravações de conversas entre Joesley Batista e o presidente Temer gerou enorme instabilidade política. Renúncia? Outro impeachment? Perda da base aliada no Congresso?

Michel Temer conseguiu, a muito custo político (e ético), se manter no cargo. Sua popularidade, que nunca havia sido o forte deste governo, despencou. No entanto, bem ou mal, é com ele que teremos de conviver no Planalto até o final de 2018.

A despeito do escândalo gerado pela delação da JBS, houve inúmeros sucessos pela liberdade neste ano. Foi aprovada pelo Congresso a maior reforma trabalhista em 7 décadas, algo inimaginável no início de 2015, quando começou esta legislatura. Após três anos, enfim, o país saiu da recessão. Foi aprovado o fim da TJLP, medida que fecha as torneiras do BNDES, ao menos por enquanto. E, ao que tudo indica, a inflação registrada em 2017 é a mais baixa desde 1998, abaixo de 3%, ao passo que a taxa básica de juros foi reduzida ao menor patamar da história – algo que Dilma tentou fazer em todo seu primeiro mandato e fracassou.

2017 foi ainda o ano em que alguns políticos liberais eleitos em 2016 mostraram a que vieram. Para citar alguns exemplos: Bruno Souza abriu mão dos valores a que teria direito a título de emendas parlamentares e propôs a devolução dos valores em desconto de IPTU em Florianópolis; Felipe Camozzato e Ricardo Gomes lideraram uma improvável derrota do Prefeito Nelson Marchezan que propunha aumentar impostos em Porto Alegre; Leandro Lyra foi a única voz na Câmara do Rio de Janeiro a destoar de legislação que mantém empregos improdutivos; Matheus Simões criou medidas de transparência em sua atuação como parlamentar em Belo Horizonte; e Mazinho dos Anjos lidera um movimento de desburocratização e de medidas a favor da livre iniciativa e do empreendedorismo em Vitória. São apenas ilustrações do trabalho deles, mas suas atuações tem mostrado como mesmo em minoria um único parlamentar liberal consegue influenciar a atuação de seus pares.

Há, todavia, problemas que persistem e afrontam a liberdade. O desemprego começou a cair lentamente, mas ainda atinge mais de 12 milhões de brasileiros e o humor do eleitorado depende muito desse indicador. Outro grave problema é nosso déficit primário, que contava com previsão inicial de R$ 139,5 bilhões e teve a meta modificada para R$ 159 bilhões. Com todos os problemas institucionais e políticos, a reforma da previdência foi adiada sucessivas vezes, e a chance de ser aprovada em ano eleitoral é ainda menor. A maior parte dos parlamentares entende que ano para reforma é o primeiro ano de governo e, apesar da urgência da pauta, dos esforços do governo Temer e dos graves impactos fiscais que adiá-la provocarão, é bastante provável que a reforma dependerá de quem for eleito em 2018. Sem Reforma da Previdência, há grande chance de a PEC do Teto ser desrespeitada. Além disso, 406 deputados federais se posicionaram contrários à privatização da Eletrobrás proposta pelo Governo Temer, ao passo que quase 70% dos brasileiros afirmaram serem contrários a privatizações, o que mostra o tamanho do desafio que ainda está por vir nos próximos anos.

Apesar dos problemas, 2017 foi um grande ano para a liberdade no Brasil. Há a real possibilidade de quebra de um paradigma em 2018: a eleição de parlamentares que formem uma bancada verdadeiramente liberal no Congresso Nacional, além de novos nomes ocuparem posições nas legislaturas estaduais. Eleger representantes será o teste de fogo de um movimento que vem ganhando musculatura ano após ano, sobretudo desde 2014. Certamente, mesmo em minoria, essa bancada poderá influenciar positivamente o debate público pelos próximos 4 anos. Fazemos nossos votos de que em 2018 a liberdade alce voos ainda maiores.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.