Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
7 dados que mostram como as estatais são ralos de recursos públicos e cabides de emprego
| Foto:

Compartilhando em sua lista de leitores o meu texto sobre privatizações publicado hoje, o professor Ricardo Bergamini acrescentou algumas informações interessantes que compilou sobre nosso quadro atual de empresas estatais. Eis, agora, a minha vez de compartilhar com os meus leitores tais dados, pois eles dizem muita coisa:

– São 154 empresas estatais federais (elefantes brancos) e suas centenas de subsidiárias onde existem algumas curiosidades, tais como: empresas com patrimônio líquido (PL) negativo e outras empresas dependentes exclusivas do tesouro nacional. Por que não iniciar a privatizaçao ou extinção das empresas com PL negativo e dependentes exclusivas do tesouro nacional?

– Esses “elefantes brancos” somente servem para gerar déficit público e empregos para apadrinhados de políticos, além de ser o principal ninho petista. E o mais grave é que o “prostíbulo BNDES” financia muitas delas. Uma imoralidade sem precedentes. No Brasil é proibido ser normal.

– Em 2016 o tesouro nacional colocou R$ 15,0 bilhões na lixeira das estatais dependentes exclusivas do tesouro nacional e está orçado colocar mais R$ 18,4 bilhões em 2017.

– Em 2016 a dívida das estatais era de R$ 437,0 bilhões .

– Em 2015 as empresas com patrimônio líquido negativo totalizaram passivo a descoberto da ordem de  R$ 24,6 bilhões).

– Em 2016 o quadro de servidores ativos das estatais era 534.216, cujo crescimento foi de 25% em relação ao ano de 2006.

– Em 2016 somente nas empresas dependentes exclusivas do tesouro nacional tinha um efetivo de 73.169 servidores ativos, cujo crescimento foi de 126% em relação ao ano de 2006.

Em suma, a permanência dessas estatais todas serve apenas como ralo de recursos públicos, cabide de emprego e politicagem. Por isso Bergamini deu o seguinte título à sua mensagem: “Estatal é ninho do PT”. E um baita ninho de cobras! Quem paga o pato são sempre os mesmos: o “contribuinte” e os consumidores. Até quando? Privatize já!

Rodrigo Constantino

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]