i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Rodrigo Constantino

Foto de perfil de Rodrigo Constantino
Ver perfil

Um blog de um liberal sem medo de polêmica ou da patrulha da esquerda “politicamente correta”.

Até o papa “progressista” condena o ensino da identidade de gênero

  • PorRodrigo Constantino
  • 02/08/2016 17:43
Até o papa “progressista” condena o ensino da identidade de gênero
| Foto:

O Papa Francisco criticou escolas que ensinam liberdade de gênero em uma reunião a portas fechadas com bispos na Polônia durante sua recente viagem ao país. Uma transcrição da reunião foi divulgada hoje pelo Vaticano.

“Hoje, as escolas ensinam para as crianças – para as crianças! – que qualquer um pode escolher seu gênero”, disse o líder da igreja.

Sem especificar, o Papa culpou livros didáticos fornecidos por “pessoas e instituições que doam dinheiro”. Francisco culpa o ensino da liberdade de gênero, que chamou de “colonização ideológica” apoiada por “países muito influentes”, sem entretanto dizer quais.

“Um dos casos dessa colonização é – digo claramente com todas as letras – o gênero”, disse o papa aos bispos poloneses.

O líder da Igreja afirmou também que discutiu o assunto com o Papa Bento XVI, que renunciou ao cargo em 2013.

“Conversando com o Papa Bento, que está bem e com a mente clara, ele me disse: ‘Santidade, isso é a época do pecado contra Deus, O Criador, ele é inteligente! Deus fez o homem e a mulher, Deus fez o mundo deste jeito, deste jeito, deste jeito e nós estamos fazendo o contrário”.

Se até mesmo o papa “progressista”, que vem endossando bandeiras de esquerda, que vem demonstrando uma “tolerância” ímpar com o Islã, a “religião da paz”, que vem se aproximando de líderes comunistas, se até mesmo esse papa reconhece o absurdo do ensino da “identidade de gênero”, então é porque a coisa é bizarra mesmo!

E, de fato, é uma aberração. Negar o determinismo biológico nesse aspecto do sexo é simplesmente ridículo e anticientífico. Ninguém “está” homem ou mulher, por meras questões culturais; ou se é homem, ou se é mulher. Pode-se até argumentar que um homem gostar de outro homem é algo “natural”, e que deve ser respeitado. Mas o homossexual não deixa de ser homem, do ponto de vista biológico, por isso. Ele é um homem que gosta de outros homens.

E quem se sente de um sexo contrário ao que seu corpo diz tem claramente um problema psicológico. Não é “apenas diferente”, ou equivalente àquele que está de acordo com sua biologia. Querem acabar com o conceito de normalidade, mas a quem isso interessa? Não aos que sofrem com sua visível anormalidade e precisam de tratamento, sem dúvida.

Por trás da “identidade de gênero” está uma revolução moral perversa, hedonista, relativista, que pretende fomentar os apetites sem freios, a ideia de que não há influência alguma da biologia em nossas vidas, de que “tudo é normal”, ou seja, nada mais o é. Tudo seria uma simples “construção social”, uma narrativa que atende a esquerda quando lhe interessa.

Paradoxalmente, são os mesmos que rejeitam a noção de “cura gay”. Mas ora, se tudo for socialmente construído, se ser homem ou mulher ou qualquer coisa é simples questão cultural, então haveria espaço para uma “cura gay” sim. Os homossexuais poderiam ser transformados culturalmente em heterossexuais.

No fundo, a agenda revolucionária vem desde Foucault e Marcuse, antes mesmo, com Kinsey, pervertendo os valores morais tidos como “burgueses” da sociedade. É uma forma de abolir os freios morais, de minar a importância dos pais na educação dos filhos, de pregar um hedonismo e uma libertinagem incompatíveis com a civilização.

É isso que até o papa “progressista” percebeu. O mundo ainda não está totalmente perdido…

Rodrigo Constantino

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.