Blog / 

Rodrigo Constantino

Um blog de um liberal sem medo de polêmica ou da patrulha da esquerda “politicamente correta”.

Artigos

Bolsonaro admite que pode recuar na indicação do filho para embaixada

Eduardo Bolsonaro com o radical populista Steve Bannon, que nem Trump quis manter em seu governo.

O presidente Jair Bolsonaro criticou nesta terça-feira o parecer da Consultoria do Senadoque considerou nepotismo a indicação do deputado federalEduardo Bolsonaro (PSL-SP), seu filho, para a Embaixada do Brasil em Washington. Segundo Bolsonaro, os pareceres da Casa tem “viés político” e são elaborados “de acordo com o interesse do parlamentar”. O presidente admitiu, contudo, que pode recuar da indicação se perceber que não há votos suficientes.

— As consultorias, elas agem de acordo com o interesse do parlamentar. É igual na redação, que vocês aprenderam. “Faça uma matéria sobre Jesus Cristo”. Você pergunta: “Contra ou a favor?”. Assim que vocês aprenderam na universidade. Aqui é a mesma coisa. Então, tem um viés político nessa questão. O que vale para mim é uma súmula do Supremo dizendo que nesse caso não é nepotismo — disse Bolsonaro, ao sair do Palácio da Alvorada.

Questionado sobra a possibilidade de desistir da indicação, em caso da possibilidade de derrota, o presidente afirmou que “tudo é possível” na política e que não quer submeter seu filho a um “fracasso”.

— Você, por exemplo, está noivo. A noiva é virgem. Vai que você descobre que ela está grávida. Você desiste do casamento? Na política, tudo é possível. Eu não quero submeter o meu filho a um fracasso. Acho que ele tem competência.

Essa insistência do presidente na indicação do filho para a embaixada americana é um dos seus maiores erros políticos. Contratou enorme desgaste com sua própria base, já que vários bolsonaristas também criticaram a escolha e seu cheiro de nepotismo.

O fato de Eduardo nem falar inglês direito, ter a idade mínima para o cargo, completada recentemente, e não ter qualquer experiência diplomática pegou muito mal. Não obstante, Bolsonaro foi adiante, contra conselhos e críticas, e dando as piores justificativas possíveis, ironizando que seu filho já tinha feito hambúrguer nos Estados Unidos, que era amigo dos filhos de Trump.

Como a indicação precisa ser submetida à sabatina do Senado, o custo das reformas aumentou: o presidente, disposto a articular nesse caso, teria de abrir as pernas para certas demandas dos senadores “indecisos”, só para satisfazer seu filho. E mesmo assim parece que não há apoio suficiente, o que explica a demora em enviar oficialmente o nome.

Atitude que também pega mal: em qualquer outro caso o presidente já teria mandado para o Senado o candidato ao cargo. Só não o fez ainda porque se trata do seu filho, e filho merece o filé mignon, afinal. Brasil acima de tudo e família em primeiro lugar: a sua, naturalmente. Sem querer uma derrota humilhante, o presidente espera enquanto a articulação surte ou não efeito. E isso é constrangedor para quem preza valores republicanos.

Agora Bolsonaro já admite que pode recuar, pois não quer submeter seu filho a um fracasso. Seria a coisa certa a fazer. Mas seria melhor que fosse por humildade, por reconhecer um erro, por escutar a voz do povo, da razão ou dos especialistas. Mas não: é por motivo pessoal, para proteger sua família, uma vez mais. Seria a atitude certa desistir dessa bobagem, ainda que pelo motivo errado.

Rodrigo Constantino

8 recomendações para você

Sobre / 

Rodrigo Constantino

Economista pela PUC com MBA de Finanças pelo IBMEC, trabalhou por vários anos no mercado financeiro. É autor de vários livros, entre eles o best-seller “Esquerda Caviar” e a coletânea “Contra a maré vermelha”. Contribuiu para veículos como Veja.com, jornal O Globo e Gazeta do Povo. Preside o Conselho Deliberativo do Instituto Liberal.

Saiba Mais

Arquivos