Blog / 

Rodrigo Constantino

Um blog de um liberal sem medo de polêmica ou da patrulha da esquerda “politicamente correta”.

Artigos

Bolsonaro quer economista Paulo Guedes como ministro da Fazenda

Segundo essa notícia da Exame, o pré-candidato Jair Bolsonaro abriu o nome do economista liberal com quem teve duas conversas e que gostaria de ver como seu ministro da Fazenda, em caso de vitória. Trata-se de Paulo Guedes. A conversa estaria em fase de “namoro” ainda, não “noivado”:

“Eu busquei quem foi crítico de planos econômicos, plano Cruzado, plano Real com a ressalva da questão fiscal, foi convidado a participar do governo do PT e recusou. Não existe ainda um noivado ainda, é só um namoro. É o Paulo Guedes”, disse ele no fórum Amarelas ao Vivo, de Veja.

Paulo Guedes é economista com PhD pela Universidade de Chicago, nos Estados Unidos, e foi um dos fundadores do banco Pactual. Atualmente, preside o grupo de investimentos Bozano.

Bolsonaro afirmou que ambos se encontraram duas vezes para conversar sobre economia, mas ressaltou que a aproximação é “um namoro, ainda não é um noivado”.

O deputado também se disse “um pouco diferente”, mais cobrado do que o normal, por ter tido a “humildade de dizer que não entendia de economia”.

Ele costuma responder às questões sobre macroeconomia afirmando que é seu ministro quem vai precisar entender do assunto, e não ele, como possível presidente.

O que interpretar disso? Bem, antes de mais nada, e como muitos leitores sabem, trabalhei para Paulo Guedes por seis anos numa gestora de recursos. É certamente um dos economistas mais preparados do país, e uma das mentes mais brilhantes que já conheci. Foi ele, inclusive, quem me apresentou à escola austríaca, anos atrás, quando quase nenhum brasileiro sabia quem eram Mises e Hayek. Comento isso no meu livro sobre o assunto.

Quando terminávamos o expediente, já tarde, costumávamos – eu e alguns outros funcionários – nos reunir em torno de Guedes para absorver seus conhecimentos, sua sabedoria, e mantínhamos debates intermináveis. Foi ele que me apresentou ao pessoal que acabou fundando o Instituto Millenium também, com minha participação. Isso mudou minha vida, pois abriu portas como as do Globo e da Veja, colocando-me em destaque entre os formadores de opinião. Se estou onde estou hoje, portanto, devo muito ao Paulo.

Tenho por Paulo Guedes, portanto, respeito, admiração e gratidão. E claro: suas credenciais de liberal estão acima de quaisquer suspeitas. Ele seria sem dúvida o melhor ministro da Fazenda que o Brasil já teve, crítico que sempre foi da social-democracia, dos tucanos, do esquerdismo. Sua escola é simplesmente a mais destacada do mundo, casa de Milton Friedman, e basta ver a quantidade de prêmios Nobel que Chicago produz.

Se o “namoro” vai adiante ninguém sabe. Mas Bolsonaro fez um golaço ao escolher Guedes como um ministro dos sonhos, o que demonstra que sua guinada liberal não é apenas retórica ou cosmética, mas para valer. Até porque Guedes não aceitaria ser uma marionete de alguém, e teria que contar com ampla autonomia para tocar a gestão econômica.

Há quem considere o anúncio prematuro um erro, como aconteceu quando Aécio Neves revelou que Arminio Fraga seria seu ministro. Mas é preciso levar em conta que Bolsonaro não goza da credibilidade dos mercados ainda, e que os investidores o enxergam com legítima desconfiança. Apontar Guedes como o economista que gostaria de ver na Fazenda é um ato simbólico que serve como compromisso do pré-canditado com as boas práticas econômicas.

Mesmo se o “namoro” não evoluir, fica claro que a intenção de Bolsonaro é mesmo apontar para o liberalismo econômico, e outro nome com esse perfil será fatalmente encontrado – ainda que não da categoria de Paulo Guedes, difícil de superar.

Rodrigo Constantino

8 recomendações para você

Sobre / 

Rodrigo Constantino

Economista pela PUC com MBA de Finanças pelo IBMEC, trabalhou por vários anos no mercado financeiro. É autor de vários livros, entre eles o best-seller “Esquerda Caviar” e a coletânea “Contra a maré vermelha”. Contribuiu para veículos como Veja.com, jornal O Globo e Gazeta do Povo. Preside o Conselho Deliberativo do Instituto Liberal.

Saiba Mais

Arquivos

informe seu email e receba nosso conteúdo gratuito