i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Rodrigo Constantino

Foto de perfil de Rodrigo Constantino
Ver perfil

Um blog de um liberal sem medo de polêmica ou da patrulha da esquerda “politicamente correta”.

FHC quer candidato que acene com discurso ao centro, mas sem abrir mão do esquerdismo

  • PorRodrigo Constantino
  • 02/01/2018 12:02
FOTO DANIEL TEIXEIRA/ESTADAO
FOTO DANIEL TEIXEIRA/ESTADAO| Foto:

Em entrevista publicada hoje no Estadão, o ex-presidente FHC disse que o Brasil precisa de um candidato que consiga transmitir uma mensagem ao centro, aglutinando pessoas que pensam diferente. Mas, conhecendo a cabeça de FHC, seu claro viés esquerdista, isso pode ser traduzido como uma tática apenas para vencer eleições, mas não efetivamente governar para o centro mais moderado e conservador.

É a análise feita por Nivaldo Cordeiro, que usa a palavra “engambelar”. Para Nivaldo, FHC e a esquerda tucana em geral se acostumaram a ter esse centro sempre como refém, pois a ameaça vinha da extrema-esquerda. Mas os tempos mudaram, há as redes sociais e menos desinformação, e o centro exige alguém que não faça apenas discursos e depois traia o povo, mas que realmente abandone o esquerdismo uma vez no poder:

FHC jamais será levado a sério pelo centro ou pelos conservadores enquanto continuar considerando Bolsonaro uma ameaça maior do que Lula. O sociólogo marxista sempre encontra palavras elogiosas para descrever o metalúrgico socialista, seu companheiro de caminhada ideológica. Mas quem acha Bolsonaro um risco maior do que Lula, mesmo depois de tudo que já se sabe, não pode ter a pretensão de falar ao centro. Eis o que FHC diz:

O Lula mesmo se declarou uma metamorfose ambulante. Ele é extremamente sensível aos estímulos do momento. Sabe se posicionar definindo o inimigo. Esse inimigo varia, de acordo com o momento. O que ele tem não é demagogia no sentido banal, mas a capacidade de explicar. É muito importante em uma sociedade de massa que o líder fale. A sociedade nem sempre quer ouvir, mas agora está aberta porque está perplexa. É preciso que alguém toque nas cordas sensíveis à população. O Lula toca de ouvido. O candidato sem capacidade de expressão tem dificuldade de se firmar, ainda que esteja certo. Eu não conheço o Bolsonaro. Ele era deputado no meu tempo e não tinha uma expressão maior. Queria me fuzilar, mas nunca dei atenção. Não sei o que ele pensa sobre qualquer tema. Não sei se ele é capaz de expressar o que pensa sobre qualquer tema. Às vezes a pessoa, mesmo sem ter a capacidade de expressar, simboliza. 

Sim, Bolsonaro “simboliza” a revolta da população com a classe política dominante, com a esquerda hegemônica, com a degradação de valores promovida pelos “progressistas”. Os mesmos que FHC defende! Bolsonaro “simboliza” o cansaço do eleitor com quem sequer tem a coragem de admitir que Lula é um bandido, um demagogo da pior espécie, um marginal que tentou transformar o Brasil numa Venezuela – e quase conseguiu, não fosse o “golpe”.

FHC quer os votos do centro mais conservador, mas sem abrir mão de seu “progressismo” de esquerda. E isso, como alerta Nivaldo Cordeiro, não vai colar mais. Bolsonaro pode não ser o nome ideal dessa parcela da população, mas tampouco algum tucano o é. Os tucanos contaram com o vácuo à direita por décadas, tanto que eram “acusados” de direita pela extrema-esquerda.

Mas agora há finalmente uma “onda conservadora” no país, a mesma que apavora o próprio FHC, mais preocupado com ela do que com o retorno do PT ao poder, para finalizar seu projeto venezuelano. E é isso, essa falta de bom senso, esse viés esquerdista, que o eleitor não aguenta mais. Para levar os votos do centro, será preciso virar centro de fato, ou seja, abandonar o vício “progressista”. Os tucanos estão preparados para tal “sacrifício”?

Rodrigo Constantino

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.