Blog / 

Rodrigo Constantino

Um blog de um liberal sem medo de polêmica ou da patrulha da esquerda “politicamente correta”.

Artigos

Foto de Obama com líder da Nação do Islã foi escondida por 13 anos para não prejudicar o democrata

Um alegre senador sorri ao lado de um líder muçulmano. Até aí, nada demais. Só que o senador, no caso, era Barack Hussein Obama, que tinha pretensões bem ambiciosas em sua carreira política, mirando na Casa Branca. E o líder muçulmano era Louis Farrakhan, da Nação do Islã, um grupo ultra-radical acusado de defender a “supremacia negra” e destilar antissemitismo, a ponto de estar presente na lista do Southern Poverty Law Center como um “grupo de ódio”.

A imagem, então, ficou escondida por 13 anos, pois poderia prejudicar o projeto político de Obama. Ela só foi revelada nesta terça. O jornalista que bateu a foto no encontro do Congressional Black Caucus de 2005, Askia Muhammad, disse que desistiu de publicar a imagem na época e basicamente prometeu segredo, pois tinha preocupação com seu impacto na vida política de Obama. A foto “poderia fazer a diferença”, alegou. Assim que tirou a foto, percebeu do que se tratava e entrou em pânico.

Isso é jornalismo? O caso, que se tomado de forma isolada pode nem parecer tão grave, é apenas mais um na enorme sequência no caso de amor entre a mídia e o democrata, o “primeiro presidente negro americano”. O leitor, muito provavelmente, nada sabe da vida pregressa de Obama, pois a única versão que passou foi aquela filtrada por ele próprio. Seu passado de agitador radical em Chicago, de marxista no Havaí, de pupilo dos gurus mais extremistas que pregavam a revolução, tudo isso foi colocado debaixo do tapete.

A imprensa, que tem o papel de investigar, de escrutinar a vida dos políticos, e que faz isso com tanto afinco quando se trata de Donald Trump, simplesmente resolveu hibernar quando o alvo era Obama. A torcida falou mais alto do que o jornalismo. O melindre diante da “marcha das minorias oprimidas” impediu qualquer postura imparcial. O medo de ser acusada de racismo calou boa parte da mídia. O viés ideológico, sintonizado com o “progressista” radical, contribuiu.

E o resultado foi um público que teve seu direito de informação usurpado. À exceção da Fox News, os demais canais optaram por um silêncio cúmplice e participaram do revisionismo histórico que pintava um Obama bem diferente do real. Saul Alinsky, Frank Marshall Davis e tantos outros extremistas que influenciaram bastante o ex-presidente permaneceram como ilustres desconhecidos do grande público.

Enquanto uma conversa de vestiário de uma década atrás do Trump foi exposta repetidas vezes durante a campanha, para retratá-lo como um machista desrespeitoso com mulheres, informações absolutamente cruciais sobre a formação intelectual de Obama eram ocultadas, para que o “moderado” criado pelos marqueteiros pudesse vingar.

Se o Brasil viu o “Lulinha Paz e Amor” como obra de ficção criada por Duda Mendonça, os americanos tiveram o Obama simpático e moderado, que não batia com o agitador radical que admirava os mais extremistas dos revolucionários. Obama não é mais o presidente, mas continua ativo como militante, inclusive quebrando um protocolo tradicional dos ex-presidentes. Daí a importância dessa notícia. Expõe como a mídia mainstream virou a maior fábrica de “fake news”, apesar de apontar para as redes sociais como bode expiatório.

Por fim, conhecer o “passado” de Obama também é fundamental para entender várias de suas decisões, principalmente geopolíticas, como o acordo estranho e camarada com o regime iraniano. Obama era e sempre foi simpático aos líderes radicais muçulmanos. Acho que os americanos estão em situação melhor com alguém que coloca a América de fato em primeiro plano…

Rodrigo Constantino

8 recomendações para você

Sobre / 

Rodrigo Constantino

Economista pela PUC com MBA de Finanças pelo IBMEC, trabalhou por vários anos no mercado financeiro. É autor de vários livros, entre eles o best-seller “Esquerda Caviar” e a coletânea “Contra a maré vermelha”. Contribuiu para veículos como Veja.com, jornal O Globo e Gazeta do Povo. Preside o Conselho Deliberativo do Instituto Liberal.

Saiba Mais

Arquivos