Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
A greve dos malandros
| Foto:

O editorial do Estadão hoje foi direto ao ponto, ao atacar a “malandragem” daqueles que organizaram uma greve geral bem na sexta-feira véspera de feriadão. É realmente a prova inconteste de que essa gente luta contra o trabalho, e o faz num país com 13 milhões de desempregados! Diz o jornal:

Uma “greve geral” marcada para coincidir com a véspera de um feriado prolongado, encompridando-o um pouco mais, traduz bem o espírito dos organizadores desse movimento. Os chefes das centrais sindicais que convocaram a paralisação certamente esperam que a adesão seja alta, entre outras razões, porque muita gente vai considerar a “greve” uma oportunidade de antecipar a folga. Como ergofóbicos que são, esses sindicalistas conhecem o valor de uma boa desculpa para não ir trabalhar.

E a desculpa da vez são as reformas promovidas pelo governo de Michel Temer, especialmente a trabalhista e a previdenciária. A desonestidade dessa campanha sindical, orquestrada pelo PT, é evidente por si mesma. O partido que governou o Brasil por mais de uma década e é diretamente responsável pelo colapso da economia – sem falar do colapso moral – lidera um movimento destinado justamente a sabotar as únicas soluções possíveis para a crise que os próprios petistas criaram.

Para que o deboche seja completo, o PT, ao mesmo tempo que está organizando a tal greve, tratou de lançar um “plano econômico”, batizado de Seis Medidas Emergenciais para Recuperação da Economia, do Emprego e da Renda. Lá estão, uma a uma, as mesmíssimas medidas que condenaram o Brasil a três anos de profunda recessão, que quase levaram o Estado à bancarrota e que criaram mais de 13 milhões de desempregados.

A desfaçatez dessa turma é realmente um escândalo! Jogam contra o Brasil o tempo todo, pisam nos trabalhadores, apesar de pertencerem ao Partido dos Trabalhadores. Só no nome mesmo! Na prática, condenam o trabalhador à miséria, ao desemprego, ao tormento. E reparem: mesmo aqueles que, apesar de tudo, estão dispostos a trabalhar, são impedidos por essa gente! Eis a mensagem de Guilherme Boulos, do MTST:

Kim Kataguiri, do MBL, retrucou: “Se não quer trabalhar, tudo bem, pode ser tolice, mas é seu direito. Ocorre que impedir os outros é crime! O trabalhador comum não vive de imposto sindical, se ele não trabalhar, não recebe. Vão prejudicar milhões de famílias em nome de um projeto de poder”. Mas até parece que esse pessoal liga! São insensíveis mesmo, usam os trabalhadores e os pobres como peões em seu tabuleiro de xadrez em busca do poder, mais nada.

Já ficou bem claro que essa “greve geral” marcada para amanhã é coisa de “malandro”. E o problema do Brasil é justamente esse: tem “malandro” demais para “otário” de menos. Há os oportunistas de plantão, organizando a baderna de olho em seus interesses políticos. E há a massa de manobra, que se vende por mortadela ou se acha malandra porque vai ganhar um dia extra de feriado. Enquanto isso, o país afunda no desemprego…

Rodrigo Constantino

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]