i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Rodrigo Constantino

Foto de perfil de Rodrigo Constantino
Ver perfil

Um blog de um liberal sem medo de polêmica ou da patrulha da esquerda “politicamente correta”.

Guerra contra a inteligência

  • PorRodrigo Constantino
  • 27/02/2018 13:03
Guerra contra a inteligência
| Foto:

Por Leandro Ruschel

Acompanhei on-line um debate sobre diversidade que ocorreu na Universidade de Portland. Estava presente o engenheiro de software James Damore, que foi demitido do Google pelo simples fato de ter escrito um memorando interno onde questionava as políticas esquerdistas da empresa e afirmava que o fato de haver menos mulheres trabalhando na gigante de buscas era pelo menos parcialmente produzido pelas diferenças entre homens e mulheres.

O simples debate dessa questão teve que ocorrer numa universidade com um forte esquema de segurança, pois havia ameaça de violência.

Essa situação virou a norma em universidades americanas. Palestrantes ou professores conservadores são ameaçados com violência, que muitas vezes se materializa. Em mais de um caso, tais palestrantes foram parar no hospital depois do evento ou então nem conseguiram falar diante de guerras campais promovidas pela esquerda.

No evento de Portland, não houve violência, apesar das ameaças, mas uma estudante de cabelo verde, estilo feminazi, começou a gritar da audiência xingamentos quando um dos professores afirmou que homens e mulheres são biologicamente diferentes. Ela foi até o equipamento de som e desconectou cabos, jogando tudo no chão. A política a retirou do recinto, também sob gritos de “abaixo ao fascismo, poder para o povo”.

Se tal postura se limitasse a estudantes debiloides passando por uma crise existencial, ninguém deveria se preocupar. Mas a mesma mentalidade da idiota está presente hoje em pessoas ocupando postos de poder, sejam professores universitários, jornalistas, deputados, senadores e executivos de grandes empresas, entre outros.

Ou seja, está se formando um movimento coeso contrário à liberdade de expressão e ao mero debate de ideais que pode facilmente se transformar num regime opressivo. Isso num momento que a tecnologia oferece a oportunidade para qualquer governo mal intencionado exercer controle sob os cidadãos de uma forma avassaladora.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.