i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Rodrigo Constantino

Foto de perfil de Rodrigo Constantino
Ver perfil

Um blog de um liberal sem medo de polêmica ou da patrulha da esquerda “politicamente correta”.

Liberais de saco cheio da esquerda estão tomando a “pílula vermelha”

  • PorRodrigo Constantino
  • 13/09/2017 13:38
Liberais de saco cheio da esquerda estão tomando a “pílula vermelha”
| Foto:

Em artigo publicado na Fox News, Elizabeth Ames comenta sobre a crescente quantidade de liberais que estão cansando da narrativa esquerdista e despertando, tomando a “pílula vermelha” da realidade, como no filme “Matrix”.

A mídia mainstream falhou ao ver o avanço de Donald Trump, que culminou com sua vitória nas eleições de 2016. E agora está ignorando também esse novo fenômeno, as raízes de um movimento que pode ser de igual significado: esses liberais acordando do sonambulismo “progressista”.

Pessoas de todas as idades e etnias, diz Ames, estão postando no YouTube vídeos descrevendo esses momentos de “pílula vermelha”, experiências pessoais que as levaram a rejeitar a narrativa esquerdista imbuída desde sua infância por amigos, professores e a mídia de entretenimento e notícias.

Podem dizer que aqueles que tomaram a “pílula vermelha” foram influenciados. Mas em vez de buscar “espaços seguros”, eles estão fazendo o contrário, publicando monólogos arrancando os grilhões do politicamente correto.

Esses vídeos apresentam o tipo de postura subversiva que foi no passado a marca da esquerda, antes de o movimento esquerdista perder seu senso de humor. O conservadorismo é hoje a nova contracultura, como já foi dito.

Candace Owens é um exemplo citado pela autora. Uma negra carismática que posta comentários no YouTube que deixam a patrulha do politicamente correto de cabelo em pé. Num dos vídeos, Owens já provoca no título: “Eu não ligo para Charlottesville, KKK ou Supremacia Branca”.

Ela narra um dia comum de sua vida, em que cruza com gente de várias etnias, e ninguém parece se importar com esses rótulos raciais. O vídeo teve quase meio milhão de visualizações, com uma ampla maioria de comentários favoráveis.

Em outro vídeo, com mais de 700 mil visualizações, Candace ataca o Black Lives Matter, assim como o Facebook e o próprio YouTube, mostrando o que eles realmente pensam sobre pessoas negras: só cabe o estereótipo de vítima com raiva. Ao se dizer cansada disso, ela oferece aos seguidores a prescrição de “pílulas vermelhas” para cair na real.

A campanha intensa da esquerda contra a liberdade de expressão tem desencadeado essa reação em muitos, que partem em busca da “pílula vermelha”. Um dos canais mencionados foi criado por um ex-seguidor do socialista Bernie Sanders, que cansou dessa postura esquerdista e deu uma guinada radical à direita.

Segundo o criador, ele tomou a “pílula vermelha” quando percebeu que seus companheiros caminhavam em direção a um autoritarismo “progressista”, um nicho político que divide as pessoas e não tolera qualquer tipo de dissidência.

Para não variar, a grande imprensa tem ignorado o fenômeno. O feminismo pode ser o próximo alvo da “pílula vermelha”, projeta a autora. O grau de intolerância do movimento feminista chegou a um patamar tão absurdo que esse tipo de reação é apenas natural.

No fundo, o fenômeno “pílula vermelha” é uma resposta aos excessos do politicamente correto, a essa cultura asfixiante, engessada, sem senso de humor e que age como uma polícia do pensamento o tempo todo, como uma inquisição. Eis o caminho escorregadio até a “pílula vermelha”, quando as pessoas começam a lutar por ares mais livres e respiráveis.

Dave Rubin é um exemplo bom. Ele era de esquerda, é um gay casado, e seu programa “The Rubin Report” tem feito enorme sucesso, justamente batendo na esquerda politicamente correta. O financiamento de seu programa é totalmente independente, por meio de “patronos” do Patreon, que colaboram com quase $30 mil mensais. Quem precisa da mídia mainstream?

Para Rubin, a esquerda não é mais liberal, e sim autoritária. Ele não esconde sua decepção com a esquerda “regressista”, em vez de “progressista”, que adota uma ideologia ultrapassada e coletivista, ignorando a menor minoria de todas: o indivíduo. Ela ama que todos os grupos de “minorias” se comportem como monólitos.

Quem é um indivíduo de verdade, avesso ao “pensamento de grupo”, independente, precisa pular fora dessa mentalidade coletivista da esquerda, diz Rubin. Para ele, essa mentalidade é a maior ameaça que a civilização ocidental enfrenta hoje.

Elizabeth Ames fornece outros exemplos, mas o fenômeno já fica claro: cada vez mais gente tem feito enorme sucesso nas redes sociais ao desafiar o establishment, a cultura predominante, que hoje é certamente de esquerda e politicamente correta. Ninguém aguenta mais tanta chatice, patrulhamento, afetação e ausência de senso de humor.

A esquerda antiliberal, que se diz “liberal”, conseguiu criar um ambiente cultural tão opressor e intolerante, em nome da diversidade e tolerância, que mais e mais gente tem tomado a “pílula vermelha” para sair dessa prisão intelectual, para poder gritar, rebelar-se, protestar e se identificar como indivíduo único, não como apenas membro de alguma “minoria” vítima qualquer.

PS: No Brasil o vermelho é a cor da esquerda, então a expressão “pílula vermelha” como despertar perde parte do sentido. Mas é bom lembrar que, nos Estados Unidos, o vermelho é a cor do Partido Republicano, mais conservador e liberal.

Rodrigo Constantino

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.