Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Fonte: Gazeta do Povo
Fonte: Gazeta do Povo| Foto:

Então as manifestações a favor do governo Bolsonaro foram um sucesso de público? Legal. Quantos estavam nas ruas? Um quarto de milhão? É um número expressivo. Não pode ser ignorado. É um apoio importante ao presidente. Tudo isso é verdade. Mas calma! Não é “o povo”, como os mais assanhados já repetem nas redes sociais. Ou por outra: é parte do povo, como eram aqueles que estavam protestando contra o governo com o pretexto do corte da educação.

É preciso tomar muito cuidado com quem tenta monopolizar os interesses do povo. Essa é a própria definição do populismo, não só oferecer migalhas ou benesses, mas falar como se representasse todo o “povo”, ignorando a complexidade da política real. Na prática, o povo é heterogêneo, assim como seus anseios são voláteis e contraditórios. O “povo” pode querer mais estado de bem-estar social com menos impostos, por exemplo.

Quando o assessor do governo no Itamaraty, Filipe G. Martins, escreve esse comentário em seu Twitter, portanto, todo liberal tem direito de ter calafrios com o tom populista e coletivista: “O povo não ameaça a democracia nem o império da lei, apenas luta para ocupar o papel que lhe pertence em um regime efetivamente democrático e reivindicar o papel central que a Constituição lhe atribui quando declara que ‘todo o poder emana do povo’. Não dá mais para ignorá-lo”.

Agora a parte fala pelo todo? Dezenas de milhares nas ruas resumiram o “povo” e possuem procuração dos demais 200 milhões? Estou lendo um romance interessante de Suzana Mag, chamado Retorno a 64, que se passa no ambiente caótico que antecedeu o contragolpe militar. Um dos personagens, que participa as reuniões da UNE, mas que desdenha do fervor revolucionário dos jovens burgueses, comenta:

“Fala-se muito do povo, uma palavra forte, quase sacramental. Para mim, o povo não inclui somente os mais pobres, os mendigos, os operários, que a esquerda considera a classe verdadeiramente revolucionária… Inclui também os humildes trabalhadores que voltam para o subúrbio depois de uma jornada cansativa de trabalho no comércio, os padres, as prostitutas, os pequenos funcionários públicos. O que será deles com a Revolução? Eles a querem verdadeiramente? Estou falando das pessoas comuns, e não dos ativistas”.

O mesmo alerta que vale para comunistas vale para reacionários coletivistas, para todo aquele que jura falar em nome do povo. Normalmente são ativistas que pouco contato têm com o “povo” real. Conheço alguns com esse perfil: são nerds, introspectivos, de classe média alta, e adotaram um discurso radical em prol da “guerra cultural” do conforto de suas casas ou escritórios, vendo-se no espelho como guerreiros templários numa cruzada para salvar a civilização. Eis aí o “povo”!

O primeiro sinal de amadurecimento em política é reconhecer que não há algo como “o povo”, dessa forma monolítica e coesa, e mais importante ainda: que ninguém, absolutamente ninguém deve falar em nome do povo, muito menos achar que personifica seus desejos e interesses. Aceitar a complexidade do mundo real deveria ser o primeiro passo de um adulto conservador. A alternativa é bancar o revolucionário utópico que jura monopolizar os sonhos do povo…

PS: Mais honesto e correto do que falar em “vontade do povo” seria falar em “vontade da maioria”, mas aí seria preciso lembrar de alguns detalhes importantes. Primeiro, que é sempre a maioria dos eleitores, e numa eleição majoritária vira um plebiscito binário onde muitas vezes impedir o adversário é mais relevante do que apoiar o seu candidato. Em segundo lugar, nenhum liberal que se preza apoiaria a simples “tirania da maioria”, como alertava Tocqueville. O desejo das minorias também vale, e as garantias individuais importante mais ainda. Uma eleição ou uma manifestação de rua jamais serão sinônimos de carta branca para um governo.

Rodrigo Constantino

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]