i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Rodrigo Constantino

Foto de perfil de Rodrigo Constantino
Ver perfil

Um blog de um liberal sem medo de polêmica ou da patrulha da esquerda “politicamente correta”.

O ciúme é fruto do capitalismo e da propriedade privada?

  • PorRodrigo Constantino
  • 16/12/2016 13:55
O ciúme é fruto do capitalismo e da propriedade privada?
| Foto:

Por Thiago Kistenmacher, publicado pelo Instituto Liberal

É possível politizar o ciúme? Há quem tente. Começo dizendo isso porque recordei de uma conversa que certa vez tive com um casal de militantes do PSTU. Ambos diziam que o ciúme nada mais era do que o reflexo do sentimento de posse, algo que, na concepção deles, só poderia derivar do sentimento de propriedade nutrido pelo capitalismo. Em síntese: para eles o ciúme é fruto do capitalismo – sim, me lembro do casal afirmando isso categoricamente. Será o ciúme fruto da Revolução Industrial? (Risadas).

Fiz esta introdução porque tem algo menos cômico e mais monstruoso nisso tudo. Nada mais bárbaro, simplista e desumanizador do que enxergar a complexidade humana exclusivamente pela ótica da luta de classes, pela política e nada mais.

O pessoal que faz isso precisa de Nietzsche, mas não do Nietzsche desfigurado nos projetos de “pesquisa” que se valem da “Transvaloração da moral” defendida pelo filósofo alemão para endossar a ideologia de gênero. Ele vai muito mais longe. Precisam do Nietzsche que fala do ressentimento, do nosso eu mais profundo e que boa parte das pessoas insiste em negar.

Essa gente idealiza a humanidade porque não a suporta. Inquietam-se com a sua essência. E por isso idealizam-na. Porque temem que ela seja isso mesmo, ciumenta, ressentida, invejosa, muitas vezes indiferente e geralmente mais preocupada com o extrato do cartão de crédito do que com a fome na África. São covardes. Não querem aceitar a inveja como intrinsecamente humana. Procuram encontrar um culpado por este “defeito”. Muitos não conseguem aceitar o lado sombrio do ser humano como natural, por isso culpam a desigualdade social, o gênero, a economia, o patriarcado, etc. Se a inveja for um produto do capitalismo, por exemplo, não precisam responsabilizar-se por ela. Assim fica fácil. Isso nada mais é do que uma forma de facilitar o convívio com aqueles demônios interiores que aterrorizam os idealistas puritanos.

Considerando o que foi dito acima, fica a reflexão: não é possível que alguém que acredite que o ciúme seja fruto do capitalismo possa ler Nelson Rodrigues e compreendê-lo satisfatoriamente; é impossível que alguém que pense ser o capitalismo a causa da inveja consiga ler Shakespeare sem superficialidade; é difícil compreender como alguém que lê Dostoievsky pode continuar crendo que as traições ocorrem somente em razão de interesses econômicos. E como perdem com isso!

Se São Paulo, em 2 Coríntios 12:10, disse: “Porque quando estou fraco então sou forte”, os sectários políticos, se fossem sinceros, poderiam dizer: “Porque quando estou fraco, forte sou ideologicamente”. Não é possível que adeptos das mais variadas religiões políticas não saibam que a inveja já existia antes do saldo bancário. Em Crime e Castigo, Raskolnikov não cometeu o crime por pura necessidade; Macbeth não matou o rei Duncan simplesmente por questões políticas. Aprígio, em O Beijo no Asfalto, não matou o genro Arandir por ter vergonha pela filha.

Tentar compreender o mundo unicamente pelo ponto de vista sociológico é superficial e leviano. Para os adeptos dessa tradição bruta, bastaria acabar com o capitalismo e consequentemente com a propriedade privada para que o ciúme também desaparecesse. Haveria raciocínio mais bizarro? O poliamor não funciona, os apaixonados querem posse, sim, e isso nenhuma ação política irá revolucionar.

É inegável que a política se tornou a religião secular, mas com uma mística pobre e uma teologia tão rasa que só enxerga o pecado nos outros, no sistema. O que seria o marxismo, por exemplo, senão uma escolástica materialista? Se os cristãos escolásticos buscavam compreender o mundo sob a luz das Sagradas Escrituras, os marxistas, ainda que contemporâneos, buscam entender o mundo sob a ótica da luta de classes.

Seja como for, não tenho nenhuma dúvida de que toda a humanidade que os sectários políticos insistem em negar, incluindo os ciúmes, sobreviverá às suas ideologias. Por isso, se um dia sepultássemos todas as ideologias que idealizam a raça humana, continuaríamos aqui nos odiando, nos amando, nos ajudando e nos matando como se nenhuma delas tivesse existido. No entanto, isso não será possível porque sempre haverá covardes se escondendo atrás de princípios que busquem anular sua própria humanidade.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.