i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Rodrigo Constantino

Foto de perfil de Rodrigo Constantino
Ver perfil

Um blog de um liberal sem medo de polêmica ou da patrulha da esquerda “politicamente correta”.

O jornal francês Le Monde comprou o discurso do PT?

  • PorRodrigo Constantino
  • 27/08/2016 10:01
O jornal francês Le Monde comprou o discurso do PT?
| Foto:

Por Thiago Kistenmacher, para o Instituto Liberal

Aparentemente o jornal francês Le Monde comprou o discurso de “golpe de Estado” tão repetido pelo PT, ou, pelo menos, a ideia de que Dilma não errou ao cometer as tão repetidas “pedaladas fiscais”.

Na rápida matéria publicada ontem e intitulada La triste ironie de la chute de Dilma Rousseff  [A triste ironia da queda de Dilma Rousseff], o site do jornal aponta que ”Dilma cometeu erros políticos, econômicos e táticos. Mas sua expulsão, motivada pelas acrobacias contábeis que entregou, assim como outros presidentes, não entrará para a história como um episódio glorioso da jovem democracia brasileira.”

Além disto, o jornal, que aponta Dilma Rousseff como sucessora do “bien-aimé” [amado] presidente Lula, diz que enquanto “uma parte dos brasileiros faz do juiz Sérgio Moro, encarregado da operação ‘Lava Jato’, seu herói”, faz “da presidente seu pesadelo.” Quero ser o último a defender o messianismo, mas convenhamos, Sérgio Moro tem tido peito para enfrentar a quadrilha petista. É mais do que justo reconhecer o trabalho desse juiz que, evidentemente, corre até risco de vida, como acontece com toda autoridade que atrapalha o negócio das máfias.

Mas o que o jornal Le Monde considera uma “triste ironia”? Segundo a matéria, a “triste ironia” é que aqueles que estariam articulando a queda de Dilma Rousseff também não seriam “santinhos”, como no caso de Eduardo Cunha e o presidente em exercício Michel Temer. Claro que não são. E a maioria dos brasileiros que quer o fim do governo PT sabe disso. O problema é que, mesmo que os opositores de Dilma Rousseff e do PT não sejam “santos”, isso não significa que o processo de impeachment seja ilegítimo. O que o jornal, em sutis comentários, dá a entender é que estaria havendo uma conspiração entre os opositores para destituir a presidente do cargo. Quer dizer, mero jogo de oposição.

O jornal também pontua que Dilma se diz “vítima de um ‘golpe de Estado’ fomentado por seus adversários, pelas mídias, e em particular pela Globo, sob as ordens de uma elite econômica preocupada em preservar seus interesses supostamente ameaçados pela sede de igualitarismo de seu partido, o Partido dos Trabalhadores”. O discurso do PT nós já conhecemos. Comum aos partidos de Esquerda, sempre existe uma “elite malvada” por trás de tudo. A vitimização é sempre o carro chefe das argumentações sem fundamento.

Do modo como o Le Monde apresenta o caso – pelo menos no que toca a matéria de hoje – o leitor acaba tendo uma impressão pervertida dos fatos. Assim, a despeito de o processo de impeachment ser previsto pela Constituição, alguns leitores podem julgar, como observei nos comentários, que o Brasil “não está apto para a democracia”, e acabarem comprando o discurso vitimista de um partido que, enfim e aos poucos, enfrenta a justiça.

blog

Para concluir, vale ressaltar que a verdadeira “triste ironia” aqui é que o próprio jornal Le Monde, poucas linhas após assinalar que o processo de impeachment “não entrará para a história como um episódio glorioso da jovem democracia brasileira”, salienta ele próprio que “O processo de impeachment [está] previsto na Constituição Brasileira.”

Sem mais.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.