i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Rodrigo Constantino

Foto de perfil de Rodrigo Constantino
Ver perfil

Um blog de um liberal sem medo de polêmica ou da patrulha da esquerda “politicamente correta”.

O oásis da elite do funcionalismo público blindada contra a crise gerada pelo próprio governo

  • PorRodrigo Constantino
  • 22/07/2019 09:18
O oásis da elite do funcionalismo público blindada contra a crise gerada pelo próprio governo
| Foto:

O funcionalismo brasileiro, graças a suas garantias de estabilidade no emprego e ao poder político de obter reajustes salariais, tem conseguido elevar sua participação na renda nacional. É o que mostra reportagem da Folha de S. Paulo deste domingo (21/07), ao apontar que os gastos com funcionários ativos da União, Estados e Municípios aumentaram de 12,3%, em 2014, para 13,6%, ou R$ 927,8 bilhões, no ano passado.

Parte da expansão dos percentuais estaria associada à queda do PIB em 2015 e 2016. Mesmo assim, a tendência de alta persistiu nos anos seguintes. Nas estatísticas do FMI, dificilmente se encontram países que destinem mais de 13% do PIB ao pessoal ativo. O nível atípico de despesas não estaria tão relacionado ao número de servidores, 11,5 milhões, mas às suas elevadas médias salariais. Segundo o Banco Mundial, a diferença de remuneração entre os setores público e privado, no Brasil, chega a 67%, a maior num grupo de 53 países.

A desigualdade nas aposentadorias também segue esse padrão, e a reforma previdenciária preparada pela equipe de Paulo Guedes tenta reverter parcialmente o quadro. Não é absurdo falar em marajás do setor público diante dessa realidade, ou até mesmo usar a expressão marxista “luta de classes”, desde que reconhecendo que não se trata de um embate entre capital e trabalho, mas sim entre pagadores e consumidores de impostos. O capital e o trabalho estão juntos nessa batalha por sobrevivência e crescimento, enquanto o grande dreno costuma ser justamente o setor público.

Um levantamento feito pelo GLOBO com base em dados enviados pelo Ministério da Economia mostra que, proporcionalmente, o gasto da União com a elite do funcionalismo é quase o triplo da despesa com os outros servidores públicos. Só no Poder Executivo, a folha dosfuncionários na ativa custará aos cofres públicos cerca de R$ 108 bilhões neste ano, segundo a pasta. Desse montante, R$ 5,9 bilhões (5,46%) são destinados a pagar vencimentos e benefícios das cinco carreiras mais bem remuneradas, que reúnem 13,8 mil trabalhadores. Assim, o gasto por pessoa neste grupo chega a R$ 421 mil por ano. Para os 608 mil restantes, a média da despesa per capita anual é de R$ 167 mil.

Os dados fazem parte de um diagnóstico da equipe econômica, que se prepara para enviar ao Congresso uma reforma administrativa — revisão das carreiras no serviço público. A agenda é considerada uma das pautas prioritárias, após a reforma da Previdência . O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), já sinalizou que espera que o governo envie a proposta ainda neste semestre, mas, segundo fontes, é possível que o assunto fique para 2020.

Como fica claro, a esquerda pode falar o que quiser, fazer demagogia com a questão nordestina, bancar a defensora dos pobres e oprimidos, mas na prática é ela que defende o grosso desses privilegiados do setor público. Brasília virou um oásis blindado contra as crises econômicas que o próprio governo produz.

13 milhões de desempregos, outros tantos milhões de subempregos, salários estagnados, enquanto os funcionários públicos desfrutam de estabilidade, bons salários relativos e aposentadorias extremamente benéficas, sem elo com aquilo que efetivamente pouparam ao longo da vida de trabalho.

A obsessão do discurso esquerdista com a desigualdade entre ricos e pobres mascara essa triste realidade: o que socialistas defendem, no fundo, é o grupo dos privilegiados, incitando a inveja contra aqueles que ficaram ricos de forma legítima no livre mercado para justificar a pilhagem dos trabalhadores de classe média pelo governo, perpetuando esse sistema injusto. Não caia nessa ladainha esquerdista, caro leitor!

Rodrigo Constantino

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.