i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Rodrigo Constantino

Foto de perfil de Rodrigo Constantino
Ver perfil

Um blog de um liberal sem medo de polêmica ou da patrulha da esquerda “politicamente correta”.

O sádico e ideológico governo brasileiro tortura o empreendedor

  • PorRodrigo Constantino
  • 29/01/2016 14:02
O sádico e ideológico governo brasileiro tortura o empreendedor
| Foto:

Paula Guedes, filha do economista Paulo Guedes, escreveu um excelente texto publicado no Instituto Millenium. Abaixo, os principais pontos:

Já o Brasil optou pela direção contrária… infelizmente parecemos guiados por princípios que nortearam nossos vizinhos bolivarianos e peronistas. Parecemos realmente acreditar que Deus é brasileiro.  Em 2016, nosso país, cujo os impostos e juros estão entre os mais altos do mundo, dá indicações de que pretende aumentá-los ainda mais.  Não é preciso ser um gênio para concluir que diante dessas condições o apetite para empreender fique apenas para o gosto fino dos amigos do rei ou loucos (prefiro me enquadrar neste grupo).

Waterboarding é a prática de tortura que simula o afogamento para conseguir que um capturado (geralmente de guerra) entregue segredos.  Nos EUA, essa prática foi bastante debatida no contexto de terroristas após os ataques de 11 de setembro.  A prática é sofisticada e exige cautela: exagere na simulação e o capturado morre, assim levando os segredos.  Não aperte o suficiente e não conseguirá as informações que precisa.  No caso do empreendedor no Brasil, parece que o governo tenta fazer o mesmo:  movimentam as alavancas pausadamente, piorando as condições de se empreender de forma controlada a fim extrair o máximo de seus bolsos sem matar a presa.

Em uma entrevista recente, Jorge Paulo Lemann (eterno empreendedor e advocate da causa) eleva empreendedores ao status de super-heróis e proclama: “ Os empreendedores é que vão salvar o Brasil”.  Eu humildemente tendo a discordar, Jorge Paulo.  O Brasil não dá sinais de quem deseja ser salvo.  E embora alguns empreendedores se prontifiquem à convocação (eu felizmente contribuo da forma que consigo), suplico ao governo que demonstre uma postura minimamente respeitosa perante estes heróis para merecer tamanha responsabilidade e comprometimento que virá com a operação de resgate.

Afinal de contas há muitos países que hoje avidamente tentam recrutar empreendedores para trabalharem no seu quintal.  Os verdadeiros empreendedores, aqueles que acreditam que podem mudar o mundo, acreditam no potencial humano e querem trabalhar onde este é respeitado.  O Brasil, por não ser um destes países, corre o grave risco de sofrer um êxodo de empreendedores em rumo à Galt’s Gulch.   Ignorar essa possibilidade é um tremendo desrespeito ao empreendedor brasileiro.

Ao continuar removendo os incentivos da classe que produz empregos, o Brasil não terá a menor chance de prosperar… 

Como discordar? Sou testemunha de que a própria Paula vem tentando empreender no Brasil, e mais, fomentar um núcleo de empreendedores na área de tecnologia. Chegou a acreditar que o governo do Rio seria um parceiro nessa iniciativa, mas pelo visto não tem sido. Muito menos o governo federal. Tudo que o verdadeiro empreendedor quer é que o governo retire as barreiras ao empreendedorismo. Não pede subsídios, não precisa de ajuda. Só não quer que atrapalhe.

Infelizmente, nosso governo parece existir para prejudicar a vida de quem quer produzir. Tudo isso é alimentado por uma cultura anticapitalista, por uma mentalidade que encara o empreendedor como um explorador, não como um criador de riquezas. Fica complicado. Como conclui Paula: “[…] embora seja bacana acreditar que a crise é a mãe da oportunidade ‘à la virgem Maria’, sabemos bem que não se faz um filho com a mãe, apenas.  E, se a crise é a mãe das oportunidades, pode-se dizer que um bom ambiente para se empreender seria o pai…  e este, anda ausente”.

Dilma pode se reunir com 92 “conselheiros”, pode reunir mil empresários numa sala! Não serve para absolutamente nada de prático. O caminho desejado nós conhecemos: reduzir a burocracia, os gastos públicos, os impostos, e tornar o ambiente de negócios mais amigável, mais livre. Ou seja, o caminho certo é o liberal. Mas como esperar que esse governo, torturador de empreendedores, faça a coisa certa? Não dá para alimentar esperanças enquanto essa turma da esquerda radical estiver no poder…

Rodrigo Constantino

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.