i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Rodrigo Constantino

Foto de perfil de Rodrigo Constantino
Ver perfil

Um blog de um liberal sem medo de polêmica ou da patrulha da esquerda “politicamente correta”.

Os talibikers

  • PorRodrigo Constantino
  • 08/08/2013 11:58
Os talibikers
| Foto:

Meu vizinho virtual, o jornalista Reinaldo Azevedo, cunhou o termo “talibikers” para descrever os “fascistas em duas rodas”. Entendo perfeitamente o que ele quis dizer. A “bike” é um meio de transporte interessante, um bom exercício, e tudo mais. Só que alguns resolveram criar uma seita religiosa com base nisso!

Que fique claro um ponto aqui: a segurança dos ciclistas nas ruas, a falta de educação dos motoristas no trânsito, a ausência de mais ciclovias, tudo isso são temas importantes e que devem ser debatidos. Mas não é esse o ponto.

E qual é o ponto? Em artigo no GLOBO de hoje, o jornalista e ciclista Leonardo Drummond nos deu um belo exemplo. Ele chama de “guerra suja nas ruas” o confronto entre carros e bicicletas, e seu objetivo é claro: ele deseja abolir esse meio de transporte obsoleto de quatro rodas! Ele diz:

Comparo o ciclista aos pequenos animais que sobreviviam no tempo dos dinossauros. Semelhantes a ratos e gambás, se esgueiravam nas sombras e moravam debaixo da terra para fugir dos predadores dominantes de então. Talvez, no futuro, os ciclistas saiam das suas tocas. Talvez, quando a crise energética e o aquecimento global levarem os dinossauros automotivos à extinção.

Amém! Notem que não fui eu quem chamou os ciclistas de “pequenos animais” e os comparou a “ratos e gambás”. Mas prossigo: vai ser fanático assim lá na Rede Sustentável da Marina Silva! Essa coisa de ambientalismo passou de qualquer limite do razoável. Virou ecoterrorismo, seita religiosa e antiprogresso.

Nem vou entrar na questão do aquecimento global (o ciclista deveria se atualizar, agora só falam em “mudanças climáticas” que é mais seguro por ser mais abrangente). Sobre essa histeria dos melancias eu já comentei aqui.

Mas vejam que o sujeito realmente declara guerra aos proprietários de carros, e ainda conclama seus pares sobre duas rodas a “sair da toca”. Querem exterminar de vez com os carros! Eles devem morrer de saudade dos tempos maravilhosos das carroças. Só não sabem como o esterco dos cavalos era desagradável e poluente.

Reinaldo Azevedo está certo: tem uma turma que transformou sua “bike” em um estilo de vida, e quer impor esse estilo aos demais. Eles odeiam o progresso. Eles apresentam cores autoritárias. Eles querem as ruas só para eles. Por que não vão andar de “bike” na selva, livre de todo inconveniente capitalista?

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.