Blog / 

Rodrigo Constantino

Um blog de um liberal sem medo de polêmica ou da patrulha da esquerda “politicamente correta”.

Artigos

Promoção de filho de Mourão no Banco do Brasil comprova que só há uma solução: Privatize Já!

Antonio Hamilton Rossell Mourão, filho do vice-presidente Hamilton Mourão, será assessor especial do presidente do Banco do Brasil, Rubem Novaes. A promoção foi confirmada pela assessoria do banco.

Com o novo cargo, ele mais que triplicará seu salário, passando a ganhar R$ 36,3 mil por mês. A nova função equivale a um cargo de executivo.

Funcionário de carreira do banco há 18 anos, Rossell Mourão vinha atuando há 11 anos como assessor na área de agronegócio da instituição, ganhando cerca de R$ 12 mil mensais.

Na presidência, Rossell Mourão continuará exercendo a mesma função, mas aconselhando o presidente do banco, Rubem Novaes, diretamente.

A forma como o filho de Mourão subiu na carreira foi considerada inusual por funcionários. A ascensão, segundo eles, costuma ser progressiva. 

Após a veiculação de notícias sobre a nomeação de Rossell Mourão, o vice-presidente declarou ao jornal O Estado de S. Paulo que o filho foi promovido por ter “mérito”. “(Meu filho) possui mérito e foi duramente perseguido anteriormente por ser meu filho”, afirmou Mourão.

O que dizer disso? A promoção é ilícita? Não, não é. Mas é moral? É adequada? Não sei dos méritos do funcionário, mas sei que, na melhor das hipóteses, o timing é péssimo e acende uma luz amarela de alerta.

Digo isso como alguém que comentou hoje mesmo, na Jovem Pan, que a escolha de liberais para o comando dos bancos públicos era uma “second best solution” bem ao estilo de Chicago, escola de Paulo Guedes e de Rubem Novaes, que é não só um colunista do Instituto Liberal, do qual sou presidente do Conselho, como um amigo de velha data.

O que isso tudo demonstra, de forma clara, é que mesmo com gente liberal e boa à frente dessas instituições, a influência política – ou suspeita dela – será um fantasma que jamais vai desaparecer. Não basta à mulher de César ser honesta…

Ou seja, a única solução verdadeira, do ponto de vista liberal, é privatizar as estatais. Privatize Já! Eis a única forma definitiva de acabar com a politicagem ou a suspeita de favorecimento por conta de interesses políticos nessas empresas. No mais, estado não tem mesmo que ser empresário, muito menos banqueiro.

Que alguém como Rubem Novaes seja o presidente do BB é algo positivo, especialmente quando lembramos dos nomes que eram apontados pelo PT. Rubem tem preparo técnico, currículo de peso, foi diretor do BNDES, professor da FGV, e é um liberal de mão cheia. Mas uma andorinha só não faz verão. E um liberal no controle não impede o risco de politicagem.

Não tenho dúvidas de que essas estatais vão melhorar o desempenho sob a gestão desses liberais técnicos no governo Bolsonaro. Mas Bolsonaro não foi eleito apenas para melhorar, e muito menos para ser comparado, do ponto de vista ético, com a quadrilha petista que o antecedeu. Ele veio para mudar essa postura para valer. Não há mais espaço para essa forma velha de política. E fica evidente que a única saída a longo prazo é mesmo privatizar TUDO!

Rodrigo Constantino

8 recomendações para você

Sobre / 

Rodrigo Constantino

Economista pela PUC com MBA de Finanças pelo IBMEC, trabalhou por vários anos no mercado financeiro. É autor de vários livros, entre eles o best-seller “Esquerda Caviar” e a coletânea “Contra a maré vermelha”. Contribuiu para veículos como Veja.com, jornal O Globo e Gazeta do Povo. Preside o Conselho Deliberativo do Instituto Liberal.

Saiba Mais

Arquivos