i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Rodrigo Constantino

Foto de perfil de Rodrigo Constantino
Ver perfil

Um blog de um liberal sem medo de polêmica ou da patrulha da esquerda “politicamente correta”.

Trump se vinga da mídia “Fake News”: presidente recomenda ação legal contra ABC por falsa informação

  • PorRodrigo Constantino
  • 03/12/2017 12:48
Trump se vinga da mídia “Fake News”: presidente recomenda ação legal contra ABC por falsa informação
| Foto:

A tara dos jornalistas em atacar Trump é tanta que não se perde uma única oportunidade, e quando ela não aparece, cria-se uma, ainda que falsa. Vimos esta semana uma notícia sobre o presidente que afetou até a votação no Senado do projeto de corte de impostos do presidente, o mais agressivo desde Reagan. Era a ABC afirmando que Trump tinha dado a ordem para o general Flynn conduzir as conversas com os russos, dando a entender que o presidente tinha cometido um crime. Leandro Ruschel comentou o caso:

O Facebook, Google e Twitter dizem estar cada vez mais atentos às “fake news”, na prática impondo censura a milhares de produtores independentes de conteúdo e favorecendo as grandes empresas de mídia, segundo eles mais responsáveis na hora de produzir notícias.

Pois ontem a ABC, tradicional empresa de mídia dos EUA, apresentou uma informação falsa que produziu uma forte queda nas bolsas e influenciou até mesmo o debate sobre a reforma tributária no Senado.

Simplesmente noticiaram que Trump tinha dado uma ordem para que o General Flynn conduzisse conversas com os russos, sugerindo que Trump tivesse cometido um crime, o que poderia gerar um processo de Impeachment. Quase toda a grande imprensa repercutiu a chamada.

Horas mais tarde, a ABC apresentou uma correção, dizendo que a fonte esclareceu que Trump havia definido uma diretriz durante a campanha sobre contato com os russos para chegar a uma acordo sobre como combater o ISIS na Síria, entre outros assuntos que não configurariam nenhum crime.

É óbvio que a ABC tentou influenciar o Senado que estava pronto para votar talvez a matéria mais importante dos últimos anos.

Se isso não é fake news suja para manipular o processo democrático, não sei mais nada. Estariam os gigantes da internet prontos para barrar a propaganda política travestida de notícia, produzida por CNN, NBC, ABC, NYT, Washington Post e afins?

Ou não seria mais fácil simplesmente honrar a primeira emenda americana e deixar esses canais livres de qualquer censura para que o público decida o que é verdade e o que é mentira?

Já Paulo Figueiredo lembrou alguns fatos importantes sobre o caso de Flynn e Trump, que a grande imprensa certamente vai fazer questão de esquecer ou ignorar:

Hoje vocês devem ver na “cobertura internacional” dos jornais brasileiros que o ex-assessor para Segurança Nacional de Donald Trump, o General Michael Flynn, foi indiciado por mentir ao FBI (e se declarou culpado em um acordo com a promotoria).

Importante atentar:

1. O general Flynn serviu 23 dias como assessor de Donald Trump antes de ser defenestrado.

2. Flynn trabalhou 2 anos e 1 mês, nomeado pelo presidente Barack Obama, como diretor da Agência de Inteligência da Defesa.

Vamos ver qual vai ser a ênfase do “jornalismo imparcial”.

Fora isso, agora que mentir voltou a ser crime nos EUA, aguardo ansiosamente o indiciamento do casal Clinton.

Mas como vingança é um prato que se come frio, e o tempo é amigo da razão, Trump pode ir às forras, usando sua “arma de destruição em massa”, o Twitter. Pode não ser muito “presidenciável”, como quando ele expôs atrocidades cometidas por muçulmanos, o que levou a mesma imprensa a atacar o “ódio” do presidente, não o daqueles monstros que agrediam ou matavam inocentes nos vídeos compartilhados. Mas, ainda que não muito de acordo com o decoro do cargo, não deixa de ser engraçado e até útil no combate às “fake news”, que simulam uma imparcialidade e uma honestidade que não possuem:

Aqui temos o próprio presidente lembrando aos que foram afetados pelas “Fake News” que eles têm direitos legais, e que podem processar a empresa de “jornalismo” pelo “furo” que se mostrou uma “barrigada”, e das grandes. Se a ideia era prejudicar a votação do maior plano de corte de impostos dos últimos tempos, felizmente o tiro saiu pela culatra. Trump teve sua mais importante vitória política, e a população agradece. Afinal, quem gosta de mais impostos normalmente é quem não produz riqueza, apenas a consome em forma de privilégios estatais…

Rodrigo Constantino

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.