Blog / 

Rodrigo Constantino

Um blog de um liberal sem medo de polêmica ou da patrulha da esquerda “politicamente correta”.

Artigos

Veja só: briga de casal Bolsonaro ganha dimensão maior do que ameaça de golpe comunista

Quem já passou por um divórcio sabe que, muitas vezes, o que se vê ali é puro ressentimento, mágoa e disputa de interesses. Fala-se muita coisa indevida, com o intuito de agredir, de machucar, ou no limite de “se dar bem” e conseguir um acordo melhor. Qualquer juiz de vara familiar pode atestar a quantidade de “barraco” em disputas conjugais. Quando se trata de figura pública, o segredo de Justiça serve justamente para proteger a pessoa desse constrangimento.

Mas a revista VEJA teve acesso ao processo de divórcio de Jair Bolsonaro, e remexeu em suas centenas de páginas em busca de qualquer coisa que pudesse desabonar o candidato líder das pesquisas. Entende-se o papel de jornalismo investigativo, claro. O que não se entende bem é o tom persecutório da mídia em geral quando se trata do capitão, algo que jamais se viu em relação aos demais candidatos.

Pode-se apenas imaginar o grau de escrutínio a que Bolsonaro seria alvo se fosse réu em inúmeros processos, como acontece com alguns de seus adversários. A mídia deve fazer seu trabalho investigativo, sem dúvida, e nenhum político está acima disso. O problema é justamente o viés ideológico nessa busca, o que diminui a credibilidade e a imagem de imparcialidade, alimentando até teorias conspiratórias absurdas de uma fatura multimilionária para comprar a reportagem (com a quantia que se fala dava para comprar a revista toda e receber troco).

Eis a reação de alguns nas redes sociais após a capa bomba da VEJA:

Li o artigo da Veja, não acho que tenha potencial de fato político que vire jogo. Observo ali uma ex-mulher querendo engordar pensão. O “roubo” do cofre é uma piada, aparentemente uma caixa bancária que os dois tinham acesso. Resumindo, briga de casal… – Leandro Ruschel

Sobre a reportagem da Veja em torno de Bolsonaro (again): quem não gostava dele, terá suas impressões confirmadas; quem gostava, também. Resta saber qual lado tem a maioria proporcional de votos. – Martim Vasques da Cunha

Repitam comigo: jornalista não é vaca sagrada. Expor jornalismo ideológico, coisa que sempre fiz, não é ataque à liberdade de imprensa. É defesa à uma imprensa livre. O resto é mimimi. – Bene Barbosa

Questionar e desmascarar a imprensa militante agora virou “atacar a imprensa livre”. Deve ser difícil perder o controle das narrativas, mas deviam estar preocupados com o verdadeiro jornalismo e com quem de fato, se eleito mesmo da cadeia, já disse que vai calar a imprensa. – Ana Paula do Vôlei

O que me incomoda não é a imprensa investigar candidato. Ela está aí para isso. É a imprensa adotar claramente uma postura de perseguicão a um candidato ficha limpa enquanto acoberta crimes seríssimos dos candidatos mais bandidos e totalitários, tudo por alinhamento ideológico. – Leandro Ruschel

Que há uma ala de bolsonaristas que adoraria calar a imprensa não resta dúvida. O discurso que condena toda a mídia como instrumento comunista serve para uma narrativa de vítima, que retira a necessidade de responder certas questões legítimas. Trump também lançou mão dessa estratégia aqui nos Estados Unidos. O problema é que essa tática funciona exatamente porque há um claro viés na imprensa.

Se os jornalistas fizessem sempre seu trabalho investigativo independentemente de quem é o alvo, certamente não haveria espaço para essa acusação agora. Mas, no Brasil, a briga de casal de anos atrás na família Bolsonaro ganha uma dimensão maior do que um presidiário corrupto comandando uma candidatura fake de dentro da prisão, com seu companheiro e ex-braço direito falando em “tomar o poder” e com dinheiro de ditadores africanos camaradas surgindo em malas nos aeroportos.

Temos uma real ameaça totalitária comunista golpista batendo à porta, com um pé no segundo turno, e os jornalistas estão mais preocupados em investigar os termos do acordo de separação de Bolsonaro. Há algo de muito podre no reino de nossa mídia nacional…

Rodrigo Constantino

8 recomendações para você

Sobre / 

Rodrigo Constantino

Economista pela PUC com MBA de Finanças pelo IBMEC, trabalhou por vários anos no mercado financeiro. É autor de vários livros, entre eles o best-seller “Esquerda Caviar” e a coletânea “Contra a maré vermelha”. Contribuiu para veículos como Veja.com, jornal O Globo e Gazeta do Povo. Preside o Conselho Deliberativo do Instituto Liberal.

Saiba Mais

Arquivos