Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
  • Ícone FelizÍcone InspiradoÍcone SurpresoÍcone IndiferenteÍcone TristeÍcone Indignado

Entrevistamos o presidente do PSDB de São Paulo nesta segunda no Jornal Jovem Pan, que saiu em defesa de João Doria como o grande nome da "terceira via", ou do "centro democrático", como essa turma tem se autointitulado. Em determinado momento, ele soltou "genocida" para se referir ao presidente Bolsonaro.

Perguntei, então, como pode ser genocida um presidente esvaziado de poderes durante a pandemia, enquanto o próprio governador Doria teve amplos poderes para executar seus planos de "gestão", com aval supremo e tudo, e mesmo assim São Paulo foi o estado com mais mortes no país. Fernando Alfredo disse que muita gente foi de outros estados para SP em busca dos melhores hospitais. Eis a explicação! O "fique em casa" não funcionou...

Em seguida, Fernando disse que Bolsonaro "brinca" com o povo brasileiro, e deu como exemplo mais uma terrível conduta do presidente: andar de moto sem capacete! É sério! Além de “genocida”, Bolsonaro andou de moto sem capacete. Aí não dá! É mesmo o fim da picada! Onde vamos parar com um irresponsável desses no comando do país?!

Não é por acaso que a tal "terceira via" agoniza, que o tal "centro democrático" não sai do traço. Esses tucanopetistas se acham moderados, responsáveis e democratas, mas defendem a pura demagogia, o autoritarismo ineficaz em nome da "ciência", e tentam monopolizar a fala em nome da democracia, enquanto preferem um ladrão bajulador de tiranos como Lula a Bolsonaro, cujo governo tem agido estritamente dentro das quatro linhas da Constituição.

A cara de pau deles é tanta que ora não houve lockdown, ora foi tudo culpa de Bolsonaro. Miriam Leitão, a eterna comunista, escreveu hoje em sua coluna que Bolsonaro está colhendo o que plantou na economia. Isso mesmo! Para ela, os efeitos das medidas da turma isolacionista, dos lockdowns autoritários de tucanos e petistas, são responsabilidade do único que foi contra isso tudo! Se ao menos Bolsonaro tivesse "unido" o país se curvando diante das medidas absurdas e ineficazes dessa gente...

Diz Leitão: "Bolsonaro colhe o que plantou na economia. O mundo inteiro está em crise, é verdade. Mas aqui tudo foi muito mais penoso. Na pandemia, ele poderia até crescer como governante, se fizesse esforço para unificar o país contra o inimigo comum. Mas ele abriu guerra contra os governos estaduais, as prefeituras, o Judiciário, a imprensa, a Saúde, as vacinas. A ideia que ele perseguiu de forma obsessiva, de que era preciso abrir a economia a qualquer preço em vidas humanas, não teve apoio no país. Não usou máscaras, e os brasileiros usaram. Bombardeou as vacinas, e as pessoas se vacinaram. Ataca a democracia, e a maioria dos brasileiros a defende. Esse tumulto que é o governo Bolsonaro espalhou incertezas na economia. Essa incerteza atingiu a inflação, o emprego, os investimentos, o crescimento, as expectativas."

A inflação europeia é a mais alta em décadas, o mesmo nos Estados Unidos, e da Argentina é melhor nem se falar! A inflação deve bater 70% este ano! Por isso que o país vizinho sumiu do mapa para nossa ex-imprensa: é um lembrete incômodo demais para os militantes que demonizam Bolsonaro - e elogiavam o presidente esquerdista lulista da Argentina durante a pandemia!

Tudo nesse clubinho tucano exala desespero. Criaram narrativas falsas, trataram como gente séria notórios picaretas, fingiram que uma CPI circense falava em nome da ciência, pregaram caminhos insanos para reagir à pandemia e agora se fazem de sonsos, como se não tivessem absolutamente nada a ver com seus resultados terríveis.

E como a "terceira via" não tem qualquer chance, esse esforço todo dos tucanos é para trazer de volta o ladrão socialista do Foro de SP ao poder, ou seja, para transformar o Brasil numa próxima Argentina. Tudo isso em nome da defesa da democracia, claro. Vão "salvar" o Brasil com Lula! Afinal, Bolsonaro andou de moto sem capacete, e isso não pode ser tolerado...

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros

Máximo de 700 caracteres [0]