Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
“Os alimentos industrializados costumam ter dois tipos diferentes de corantes, principalmente sucos em pó, gelatinas e confeitos: um refresco de uva de pacotinho tem corantes artificiais amarelo crepúsculo e vermelho bordeaux”, Cinthia Spricigo, engenheira de alimentos e professora da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) | Priscila Foroni / Gazeta do Povo
“Os alimentos industrializados costumam ter dois tipos diferentes de corantes, principalmente sucos em pó, gelatinas e confeitos: um refresco de uva de pacotinho tem corantes artificiais amarelo crepúsculo e vermelho bordeaux”, Cinthia Spricigo, engenheira de alimentos e professora da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR)| Foto: Priscila Foroni / Gazeta do Povo

Corantes

Confira as substâncias mais utilizadas pela in­­dústria para colorir ali­­mentos, suas aplicações e possí­veis reações alérgicas:

Amarelo tartrazina

Laticínios, licores, fermentados, cereais e iogurtes

> Reações alérgicas em pessoas sensíveis à aspirina e asmáticos. Pode causar insônia em crianças e afecção da flora intestinal.

Azul brilhante

Laticínios, licores, fermentados, cereais e iogurtes

> Pode causar hiperatividade em crianças, eczema e asma.

Vermelho ponceau 4R

Frutas em calda, xaropes de bebidas, balas, cereais, refrescos erefrigerantes

> Pode causar anemia e aumento da incidência de doença renal. Deve ser evitado por pessoas sensíveis à aspirina e asmáticos.

Vermelho carmim

Balas, bebidas, frios, sorvetes e sucos

> Reações alérgicas em pessoas sensíveis à aspirina e asmáticos.

Balas, sorvetes, iogurtes, cereais, sucos em pó, refrigerantes – parecem alimentos inofensivos, mas podem causar reações alérgicas como irritações na pele, vermelhidão, enjoo, inchaço nos olhos e urticária em pessoas sensíveis aos componentes que dão cor a eles. Os corantes não têm valor nutricional, servem apenas para alterar a aparência de grande parte dos alimentos industrializados, como explica a engenheira de alimentos Cinthia Spricigo, professora da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR).

Responsável por colorir doces, bebidas, cereais, iogurtes e laticínios, o corante artificial amarelo tartrazina é responsável pelo maior número de reações alérgicas entre os pigmentos. "Pessoas sensíveis a ele podem ter urticária, erupções na pele, vermelhidão e até choque anafilático", diz Cinthia. Segundo ela, os sintéticos derivados do carvão – como o tartrazina, azul brilhante e vermelho eritrosina –, são os que normalmente causam as reações alérgicas.

Não apenas os corantes artificiais podem causar alergias. Os naturais, como o vermelho carmim (derivado de um inseto, a cochonilha), também representam perigo para as pessoas sensíveis. "Ele é utilizado em balas, bebidas, sorvetes e pode causar reações como manchas vermelhas na pele e inchaço", diz Gisele Kuntze, alergologista do Hospital IPO.

Sinal de problemas

Os sintomas da alergia a essas substâncias podem aparecer ou logo após o consumo dos alimentos ou algumas horas depois. Caso surja algum sinal de problemas, a recomendação é conferir o rótulo do alimento consumido, que deve conter o nome do corante utilizado, e buscar um médico para confirmar a reação alérgica.

A alergia a alguns corantes, como o vermelho carmim, pode ser comprovada por meio de exame de sangue. Outras, como ao amarelo, só com exame de provocação oral supervisionada. A quantidade de corante ingerida tem pouco a ver com a dimensão da reação – a alergologista explica que há pessoas com maior sensibilidade, nas quais uma pequena quantidade da substância causa reações intensas, e outras que são mais resistentes.

Ela alerta para o fato de não existir tratamento específico contra a reação alérgica, apenas contra os seus sintomas leves como irritações cutâneas, inchaço, coceira e urticárias. Neste caso, o alérgico deve suspender a ingestão do alimento que causa reações.

A negligência com esses sintomas menores pode ter consequências sérias. "Uma alergia pode levar ao choque anafilático, que é o fechamento das vias respiratórias", diz Gisele.

A alergologista explica que pode ocorrer de uma pessoa ser alérgica a mais de um corante e pode haver cruzamentos entre alergias. "Uma sensibilidade a medicamentos pode ser acompanhada da sensibilidade a um corante, como os alérgicos à aspirina, que também podem ter sensibilidade em contato com alguns corantes vermelhos e amarelos", finaliza.

Confira alguns tipos de corantes naturais e sintéticos utilizados na indústria alimentícia:Amarelo crepúsculo

Cereais, balas, caramelos, coberturas e xaropes, laticínios e goma de mascar. Pode causar alergia, urticária angiodema e problemas gástricos. Azul brilhante

Cereais, balas, laticínios, queijos, recheios, gelatinas, licores e refrescos. Pode causar hiperatividade em crianças, eczema e asma. Deve ser evitado por sensíveis a purinas. Vermelho Bordeaux (amaranto)

Cereais, balas, laticínios, geléias, gelados, recheios, xaropes, preparados líquidos. Deve ser evitado por sensíveis à aspirina, é proibido em diversos países. Vermelho eritrosina

Pós para gelatinas, laticínios, refrescos, geléias. Pode ser fototóxico. Contém 557 mg de iodo por grama de produto. Pode aumentar hormônio tireoideano no sangue. Azul escuro (indigotina)

Gomas de mascar, iogurtes, balas, caramelos, bebidas. Pode causar náuseas, vômitos, hipertensão e alergia como prurido e problemas respiratórios. Vermelho ponceau 4R

Frutas em caldas, balas, cereais, bebidas, laticínios, sobremesas. Deve ser evitado por sensíveis à aspirina e asmáticos. Pode causar anemia e aumento de doença renal (glomerulonefrite). Amarelo tartrazina

Laticínios, licores, fermentados, produtos de cereais, iogurtes. Reações alérgicas a sensíveis à aspirinas e asmáticos. Pode causar insônia em crianças e afecção da flora intestinal. Vermelho 4º

Cereais, balas, laticínios, recheios, sobremesas, refrescos, refrigerantes e geléias. Pode causar hiperatividade em crianças, eczema e dificuldades respiratórias. Fonte: Revista Química e Derivados.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]