i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
meio ambiente

Adoção de animais silvestres: saiba como se cadastrar e quais espécies o IAP libera

Instituto Ambiental do Paraná reforça que apenas animais de pequeno porte e que não podem retornar à natureza podem ser cedidos na forma de guarda provisória

  • PorMarcos Xavier Vicente
  • [01/02/2017] [16:29]
Macaco-prego, papagaio e tartaruga são algumas das espécies liberadas pelo IAP para adoção domiciliar | Divulgação/IAP
Macaco-prego, papagaio e tartaruga são algumas das espécies liberadas pelo IAP para adoção domiciliar| Foto: Divulgação/IAP

Desde julho de 2016, o Instituto Ambiental do Paraná (IAP) permite que animais silvestres apreendidos e que não têm condições de retornar à natureza possam ser adotados em ambientes domiciliares. Desde que a portaria 137 foi editada, 1,3 mil pessoas se cadastraram para adoção, sendo que 76 foram aprovadas e 11 já estão com um animal silvestre em casa. Somente pessoas residentes no Paraná podem solicitar a adoção.

No site do IAP, o interessado deve solicitar a adoção por meio do Termo de Guarda de Animais Silvestres (TGAS). Entretanto, no caso da adoção a pessoa terá a guarda do animal, não a posse. “A pessoa tem que ter em mente que se for encontrado um local melhor para esse animal, O IAP tem a prerrogativa de transferi-lo. A é guarda provisória”, enfatiza a diretora de Licenciamentos Especiais do IAP, Edilaine Vieira.

Sem vagas em zoológicos, IAP permite adoção de animais silvestres

Leia a matéria completa

Antes de solicitar a adoção, Edilaine também recomenda aos interessados que avaliem se o espaço que têm em casa é adequado para receber o animal silvestre solicitado. Lembrando que, obviamente, só são liberados animais de pequeno porte. “Não tem como a pessoa ter uma onça em casa”, brinca Edilaine.

Abaixo, a lista dos animais que o IAP libera para adoção e as especificações de como devem ser os locais onde viverão:

MAMÍFEROS

ANIMAIS PERMITIDOS

Macacos de pequeno porte que já estejam habituados ao convívio humano, como, por exemplo, o macaco-prego.

ORIENTAÇÕES

- Manter os animais em locais arejados, limpos, com luz solar e que garantam uma movimentação confortável.

- O recinto deve conter bebedouros com água limpa e corrente.

- Conter galhos ou troncos.

- Evitar a presença de alimentos deteriorados no interior do recinto.

- Propiciar áreas de abrigo para chuva e sol.

- Evitar o alojamento de animais de diferentes espécies no mesmo recinto, para prevenir competições interespecíficas e estresse;

- Para espécies que costumam viver em árvores, o abrigo deverá ser localizado no estrato superior do recinto.

AVES

ANIMAIS PERMITIDOS

Aves de pequeno porte . Entre elas: papagaio, trinca-ferro, azulão, curió, pássaro preto, coleirinha e periquito.

ORIENTAÇÕES

- O recinto deve dispor de água renovável, comedouros removíveis e laváveis, poleiros, e dispor de boas condições de higiene.

- O recinto deve permitir a movimentação ampla do animal. Papagaios, por exemplo, não são liberados para adoção para pessoas que moram em apartamento.

- O recinto deve permitir a incidência de luz solar em pelo menos um período do dia.

- O abrigo deve oferecer proteção contra intempéries, como chuva, ventos fortes e luz solar contínua.

- Evitar o alojamento de animais de diferentes espécies no mesmo recinto, para prevenir competições interespecíficas e estresse.

RÉPTEIS

ANIMAIS PERMITIDOS

Tartarugas de pequeno porte e algumas espécies de cobras não peçonhentas, como, por exemplo, a jiboia.

ORIENTAÇÕES

- Manter os animais em locais arejados, limpos, com luz solar e que garantam uma movimentação confortável.

- O recinto deve conter bebedouros com água limpa e corrente.

- Conter galhos ou troncos, quando a espécie for acostumada a viver em árvores.

- Evitar a presença de alimentos deteriorados no interior do recinto.

- Ter solário e local sombreado. Se o for recinto fechado, deve ter iluminação artificial composta de lâmpadas especiais que, comprovadamente, substituam as radiações solares.

- Ter piso de areia, terra, grama, folhiço, troncos, pedras ou suas combinações, de modo a favorecer os mais variados habitats (aquático, semiaquático, arborícola, fossorial e terrestre).

- As paredes e o fundo do tanque ou lago não deverão ser ásperos.

- Evitar o alojamento de animais de diferentes espécies no mesmo recinto, para prevenir competições interespecíficas e estresse.

- Evitar superlotação, pois o excesso de indivíduos no mesmo recinto pode causar desvios de comportamento, canibalismo, privação de alimento e outros conflitos.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.