i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Status consultivo

Apoio a médicos cubanos pode ter adiado ingresso de associação de evangélicos na ONU

  • PorRoger Pereira, especial para a Gazeta do Povo
  • 29/01/2020 13:04
O presidente da Anajure, Uziel Santana.
O presidente da Anajure, Uziel Santana.| Foto: Arquivo Pessoal

A Associação Nacional dos Juristas Evangélicos (Anajure) está deixando a Sessão Anual do Comitê da Organização das Nações Unidas (ONU) sobre Organizações Não Governamentais (ONGs), que se encerra nesta quarta-feira (29), em Nova York, sem o status consultivo especial junto à ONU. Depois de vencer uma resistência inicial da China, a entidade brasileira enfrentou questionamentos de Cuba, Rússia e Nicarágua e a reunião chegou ao fim sem que estes países fossem convencidos do trabalho humanitário e atuação internacional da associação, pré-requisitos para a obtenção do status. O pleito da Anajure voltará a ser avaliado em uma nova reunião do Comitê, prevista para maio.

A associação buscava o status para poder ter participação ativa e representativa nas Nações Unidas, mas, para isso, precisava da aprovação unânime das 19 nações com cadeira no Comitê. Para o presidente da Associação, Uziel Santana, o trabalho da associação junto aos médicos cubanos que optaram por ficar no Brasil após o rompimento do convênio entre os governos de Brasil e Cuba no programa Mais Médicos foi o motivo da resistência da delegação cubana.

“Eles têm um dossiê sobre nosso trabalho de ajuda comunitária aos médicos, e isso incomoda. Nós consideramos os médicos cubanos que decidiram ficar no Brasil como refugiados, damos todo o apoio jurídico a eles, os auxiliamos em processos judiciais, atuamos pela revalidação de seus diplomas, para eles terem o direito de trabalhar no Brasil”, conta.

“Eles articularam com países com quem têm boas relações (Rússia e Nicarágua) para fazerem vários questionamentos protelatórios”, acrescentou, informando que todos os questionamentos serão respondidos e enviados para o sistema da ONU para que o processo tenha continuidade em maio.

No início do encontro, a China havia feito questionamentos sobre a atuação internacional da ONG. A Anajure apresentou as respostas em audiência e a delegação chinesa considerou-se contemplada. Para isso, a associação contou com o trabalho diplomático da comitiva brasileira, que intercedeu junto aos chineses antes da apresentação da Anajure. “Desta vez [no caso de Cuba], não pudemos contar com a ajuda da delegação brasileira, porque o Brasil votou pelo bloqueio a Cuba, em outubro o que causou o rompimento das relações”, lamentou Santana.

Além da atuação junto aos médicos cubanos, o advogado lembra que a Anajure já se posicionou contra casos de violação da liberdade religiosa, envolvendo líderes católicos, na Nicarágua. A Anajure teve o direito de falar mais uma vez no plenário do encontro, para responder aos questionamentos, novas perguntas foram feitas e a análise ficou para a maio.

Mesmo assim, de acordo com o presidente da Anajure, o adiamento não prejudica a atuação internacional da entidade. “Nosso trabalho de relacionamento internacional segue firme. Seguimos com um representante em Nova York, um em Washington e um em Genebra. Em setembro temos um evento na ONU junto com a comitiva brasileira sobre combate a corrupção”.

1 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 1 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • C

    Celito Medeiros

    ± 0 minutos

    Existem muitas áreas com registros na ONU, e não representam a ONU, mas sim, apresentam seus posicionamentos nas devidas áreas de suas Funções. Possuem vez e voz em algumas sessões e aberturas para expor tais opiniões. Portanto, existem nestas Funções todas as raças, gêneros, filosofias e religiões, a exemplo da importante função da Embaixada Universal da Paz com sede em Genebra e a Unesco.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]