Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
 | Rodrigo Felix Leal/Gazeta do Povo
| Foto: Rodrigo Felix Leal/Gazeta do Povo

O secretário da Segurança Pública e Administração Penitenciária (Sesp) do Paraná Wagner Mesquita afirmou que a população não deve acusar “nem passar informações sobre atuação do crime organizado” publicamente para evitar serem alvos de criminosos. A afirmação foi feita após ser questionado sobre como a pasta tem se posicionado a respeito das ameaças de morte de traficantes ao dono do restaurante vegetariano da Rua São Francisco, que teve o estabelecimento depredado na semana passada.

“O cidadão não deve fazer acusação ou passar informações sobre atuação do crime organizado de maneira ostensiva. Não deve usar whatsApp ou rede social para passar informações sobre atuação criminosa. Faça pelos canais de inteligência, disque-denúncia, ou setor de inteligência da polícia, para garantir o sigilo e para que não aconteça o que aconteceu neste caso”, disse.

O proprietário do restaurante Capivara Vegetarian, Raphael Viana, estimou que seu prejuízo chegue a R$ 10 mil. Seis pessoas entraram no restaurante e destruíram mesas, cadeiras, expositores e equipamentos eletrônico na tarde de quinta.

A depredação do restaurante teria sido uma retaliação a Viana, que foi considerado “culpado” por ter delatado à polícia que havia maconha escondida em uma floreira durante uma batida policial na rua. Na sequência, três pessoas entraram no seu estabelecimento, na segunda-feira (5). Uma delas, armada, o ameaçou de morte, acusando-o de ser X-9 – o que no jargão do tráfico significa ser delator. Ele registrou a ameaça na polícia e contou o episódio à imprensa. Dois dos seis responsáveis pela destruição do restaurante foram presos em flagrante.

Mesquita afirmou também que a Divisão de Narcóticos da Polícia Civil e a Polícia Militar têm realizado operações na região e deve repeti-las, mas, por segurança das ações, o secretário não deu mais detalhes.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]