Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Caro usuário, por favor clique aqui e refaça seu login para aproveitar uma navegação ainda melhor em nosso portal. FECHAR
PUBLICIDADE

saúde

Banheira d’água é alternativa de parto natural

Hospital de Curitiba inaugura instalações para parto na água e se torna o segundo no Paraná a oferecer o serviço

  • Jennifer Koppe
A água é aquecida a 360C para o parto, e a gestante fica de 3 a 5 horas na banheira. Depois de cada nascimento, o local é esterilizado |
A água é aquecida a 360C para o parto, e a gestante fica de 3 a 5 horas na banheira. Depois de cada nascimento, o local é esterilizado
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Banheira d’água é alternativa de parto natural

O parto na água é uma alternativa para as gestantes que querem que o nascimento do filho seja o mais natural possível. Sem o uso de anestesias e com intervenção mínima da equipe médica, a água quente relaxa a musculatura, contribui para a dilatação do colo do útero e ajuda a diminuir a dor durante o trabalho de parto. A primeira banheira para parto de Curitiba foi inaugurada ontem, dentro das novas instalações do Centro Obstétrico da Maternidade Victor Ferreira do Amaral. Até então, as gestantes que quisessem ter o seu filho na água realizavam o parto em banheiras infláveis, que poderiam ser usadas no hospital ou em casa.

Espera-se, com a instalação da ba­­­nheira, oferecer mais conforto e se­­gurança às mães que optam pelo par­­to normal ou natural. “Mesmo quem não quer fazer o parto na á­­gua pode se beneficiar dos banhos quen­­tes, que ajudam a relaxar e a li­­dar melhor com as contrações an­­tes do nascimento do bebê”, ex­­pli­­ca o diretor-geral da maternidade, Fernando Cesar de Oliveira Júnior.

O obstetra Carlos Navarro, professor da Universidade Federal do Paraná (UFPR) e que atende na Vic­tor Ferreira do Amaral e no Hospital Santa Cruz, é um dos poucos médicos da cidade a realizar os partos aquáticos. “O problema é que a banheira demora para ser in­­flada e enchida. Quando a estrutura do hospital já oferece esse tipo de alternativa, o processo se torna muito mais fácil. Muitas mães não querem fazer o parto na banheira, mas uma vez que entram, se sentem tão bem que não querem mais sair e acabam tendo o bebê ali mesmo”, conta o médico, que realiza em média três partos na água por mês.

É um direito da gestante escolher em que posição e de que forma quer realizar o parto, desde que não existam impedimentos clínicos. Ela também pode e deve ter acesso a métodos não farmacológicos e não invasivos de alívio à dor e de estímulo à evolução fisiológica do parto. Estes direitos estão previstos na Resolução RDC 36, da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), que entrou em vigor em dezembro de 2008. As normas, que incluem ainda mu­­danças na estrutura física dos hospitais – como a obrigação de fornecer um alojamento conjunto para a mãe e o bebê desde o nascimento, além de uma área para movimentação ativa da gestante –, têm o objetivo de estimular o parto normal e, assim, reduzir os índices de mortalidade materna e neonatal no país.

Cesarianas

De acordo com o Ministério da Saúde, as cesarianas representam 43% dos partos realizados no Brasil. Pelo Sistema Único de Saúde (SUS), menos de 30% dos partos são cirúrgicos. O índice é o mesmo em Curitiba. Já nas maternidades particulares, o número de cesáreas chega a 80% só entre as mulheres conveniadas a planos de saúde. O índice de cesarianas recomendada pela Organização Mun­dial de Saúde (OMS) é de no máximo 15% do total de nascimentos.

Como explica o médico Fer­nando César de Oliveira Junior, o parto natural, inclusive o realizado na água, só não é recomendado para partos prematuros, quando o bebê é muito grande ou quando ocorre sangramento excessivo. “É importante que a decisão seja tomada em conjunto com o médico”, lembra.

A Maternidade Victor Ferreira do Amaral só atende pacientes pelo SUS. Estima-se que possam ser realizados cerca de três partos na água por dia, já que o processo é mais longo. A mulher fica em torno de 3 a 5 horas na banheira, e é preciso esterilizar o local para o seu reuso. Além da instituição em Curitiba, o Hospital Costa Caval­canti, em Foz do Iguaçu, também oferece centro obstétrico com banheira para as gestantes.

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Vida e Cidadania

PUBLICIDADE