i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Curitiba

Cai em 23% o número de homicídios de trânsito

Dado se refere à comparação do primeiro semestre deste ano com 2013. Queda nesse tipo de ocorrência foi 14% no Paraná

  • PorDiego Ribeiro
  • 10/10/2014 21:09
Violência das colisões diminuiu, mas ainda ocorre um acidente com morte a cada três dias na capital do Paraná | Aliocha Mauricio /Tribuna
Violência das colisões diminuiu, mas ainda ocorre um acidente com morte a cada três dias na capital do Paraná| Foto: Aliocha Mauricio /Tribuna

Conscientização

Campanha nas escolas chega a 140 mil crianças a cada quatro meses

O diretor da Escola Pública de Trânsito, da Secretaria Municipal de Trânsito, Cassiano Novo, ressaltou a importância do trabalho feito pelo município. Segundo ele, há dez projetos sendo executados e foram realizadas quatro pesquisas que balizaram ações oficiais para melhorar o trânsito na cidade.

"Essa queda dos homicídios tem muito a ver com isso. Tivemos a campanha "Lei Seca vai pegar", o trabalho com a Vó Gertrudes", explicou. A campanha da Vó Gertrudes visava conselhos sobre boas maneiras no trânsito. A campanha focou principalmente na vulnerabilidade do pedestre e do ciclista, e nos perigos de dirigir sob influência de álcool.

O diretor argumenta ainda que o município tem se preocupado em educar as próximas gerações. "O nosso principal projeto é com as crianças. A cada quatro meses, visitamos 140 mil alunos da rede municipal", disse. O projeto leva orientação na sala de aula por meio da própria Vó Gertrudes, discute temas e incentiva os alunos a debaterem e aconselharem seus pais em casa.

Registros de assassinato tiveram aumento em Curitiba neste ano

A reportagem da Gazeta do Povo mostrou, na terça-feira, que o número de assassinatos em Curitiba aumentou 15% em 2014. O dado foi revelado com três meses de atraso pelo governo estadual e somente depois do período eleitoral. Entre janeiro e setembro deste ano foram registrados 440 homicídios dolosos (com intenção de matar) na cidade, 58 casos a mais do que no mesmo período de 2013.

Nos dados referentes ao Paraná, divulgados apenas no período referente ao primeiro semestre deste ano, a comparação com igual período do ano passado mostra leve queda (1,59%). No entanto, a análise dos números revela que houve uma desaceleração na redução dos assassinatos registrados no estado.

Na contramão dos casos dolosos, os homicídios culposos (sem intenção de matar) tiveram redução de 23% no trânsito curitibano. Os dados são referentes ao primeiro semestre de 2014 em comparação com o mesmo período do ano passado. São 76 vidas perdidas em acidentes, enquanto no mesmo período do ano passado 99 pessoas morreram no trânsito. O Paraná também registrou queda, mas um pouco menor que a capital. A redução foi de 14%. Os dados foram divulgados ontem pela Secretaria de Estado da Segurança Pública do Paraná (Sesp). Quando a morte ocorre por negligência, imprudência ou imperícia é caracterizado o homicídio culposo de trânsito.

As campanhas pela consciência ao volante têm conseguido atingir alguns resultados, na opinião do advogado especialista em trânsito, Reginaldo Koga. Mas a queda nos casos de homicídios culposos seria consequência direta da repressão policial, como as blitze da Lei Seca, acredita o especialista. "É mais por isso que pela consciência", afirma Koga. Segundo o advogado, esses crimes diminuem quando há casos de grande repercussão na imprensa – o que gera reação momentânea.

Punição

Na avaliação de Koga, é preciso mudar as penas. "Já estive em audiências, em que o réu é condenado à pena pecuniária e a prestar serviços à comunidade, mas alegava que não tinha tempo. Acabava aumentando a multa", explicou. Assim, contou o especialista, o condenado prefere pagar a gastar tempo conscientizando o restante da sociedade.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.