i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
“Big Brother” escolar

Colégios podem ganhar câmeras

Projeto de lei sugere a instalação de equipamentos de vigilância em todas as 2.148 escolas estaduais do Paraná

  • PorFabiula Wurmeister, da sucursal
  • 24/04/2009 21:04
Câmera no pátio do Colégio Ipê Roxo, em Foz do Iguaçu: sistema foi instalado após tiroteio na porta da escola | Fotos: Christian Rissi/Gazeta do Povo
Câmera no pátio do Colégio Ipê Roxo, em Foz do Iguaçu: sistema foi instalado após tiroteio na porta da escola| Foto: Fotos: Christian Rissi/Gazeta do Povo

Na rede privada, monitoramento já é realidade há cinco anos

O monitoramento por câmeras de vídeo já é uma realidade nas escolas privadas há pelo menos cinco anos, segundo o vice-presidente do Sindicato dos Estabelecimentos Particulares de Ensino do Paraná (Sinepe-PR), Jacir Venturi. Os equipamentos estão instalados nos pátios e corredores, próximo às catracas de entrada e saída, na área da administração e nas quadras de esporte. Venturi conta que a vigilância se tornou um componente importante na hora dos pais escolherem o colégio dos filhos. Algumas escolas chegam a disponibilizar o acesso das imagens pela internet. Graças a esta tecnologia, pais e responsáveis podem acompanhar os filhos em tempo real pelo computador, de casa ou do trabalho, enquanto eles estiverem nas áreas de uso comum.

Leia a matéria completa

  • A vice-diretora da escola, Maria Inês Sandoval: imagens já ajudaram a identificar e punir alunos que cometeram atos de vandalismo

Foz do Iguaçu - A preocupação com o avanço da violência dentro e fora das salas de aula pode levar o Paraná a criar uma espécie de "Big Brother" escolar. Um projeto de lei em análise na Assembleia Legislativa propõe a instalação de câmeras de vídeo em todas as 2.148 escolas da rede estadual de ensino. O objetivo é garantir a segurança de alunos e professores, coibir o consumo de drogas, cigarros e bebidas, e combater a ação de vândalos.

A vigilância com o auxílio de câmeras já é realidade há quase um ano no Colégio Estadual Ipê Roxo, em Foz do Iguaçu, no Oeste do estado. O sistema que mostra a movimentação no pátio, no laboratório de informática e no portão foi instalado depois que dois estudantes, um deles de 12 anos, dispararam vários tiros em frente ao colégio. O tiroteio foi motivado por uma desavença entre grupos rivais. Preocupados com a segurança dos filhos, os pais dos alunos decidiram investir no projeto, financiado com recursos próprios da Associação de Pais e Mestres.

Segundo a vice-diretora da escola, Maria Inês Sandoval, a experiência carrega vantagens e desvantagens. Ela diz que, após a instalação da vigilância eletrônica, não houve mais nenhum registro de violência ou ameaça a alunos e professores. Autores de casos de vandalismo também puderam ser identificados graças às imagens do circuito. "Alguns alunos pensaram que os equipamentos não funcionavam e foram flagrados. Mas com a ajuda da gravação, eles foram identificados e punidos", conta. Mas, segundo ela, para inibir totalmente as ações de depredação do patrimônio público é preciso trabalhar a conscientização dos estudantes. "Falta educação. Alguns acham bonito serem filmados destruindo a escola e acabam usando as câmeras para se exibir."

Aluna da 8ª série da Escola Ipê Roxo, Fernanda Silveira Martins diz que a vigilância constante não é um incômodo. Ela acredita que este tipo de controle é importante porque garante mais segurança. Para Fernanda, se mais escolas adotassem o método, a criminalidade que invade o pátio dos colégios certamente diminuiria, assim como a circulação de pessoas estranhas. "A gente nem percebe que está sendo observado. Só se incomoda quem vem para a aula mal intencionado. E, sabendo que pode ser flagrado, de repente pense duas vezes antes de fazer alguma coisa", afirmou.

"Tranquilidade necessária"

Na justificativa do projeto 140/09, o deputado estadual Antonio Belinati (PP), autor da proposta, chama a atenção para o aumento da violência "provocado pelo comércio de drogas e bebidas alcoólicas" e cita casos como o assassinato da professora Sílvia Regin da Silva, em dezembro do ano passado, no pátio de uma escola pública de Almirante Tamandaré, na região de Curitiba. Belinati alega que a instalação das câmeras "devolverá a tranquilidade necessária para a direção, professores, funcionários e para a maioria dos bons alunos que vão à escola para estudar e não praticar vandalismo ou violência". Segundo a assessoria do parlamentar, ainda não há um estudo sobre quanto custaria a instalação das câmeras.

Em todo o país há vários exemplos de ações semelhantes. No Rio Grande do Sul, o monitoramento eletrônico vem ajudando a combater o vandalismo e coibir os casos de agressão nas escolas da cidade de Erechim. Já na Bahia, a prevenção faz parte do programa de governo que implantou a Patrulha Escolar na área de abrangência de Salvador e região metropolitana. A fim de reforçar a segurança, o governo baiano também pretende instalar câmaras de vigilância em todas as 1,7 mil unidades de ensino do estado. O mesmo projeto está sendo analisado em Alagoas.

* * * * *

Interatividade

A instalação de câmeras de vigilância pode reduzir os casos de violência em escolas públicas?

Escreva para leitor@gazetadopovo.com.br ou deixe seu comentário abaixo

As cartas selecionadas serão publicadas na Coluna do Leitor.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.