Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Logo no dia da inauguração, em sete de janeiro de 1913, o bonde do Portão sofre um acidente em que se partiu o cabo condutor elétrico, na esquina da atual Rua Monsenhor Celso com a Praça Tiradentes |
Logo no dia da inauguração, em sete de janeiro de 1913, o bonde do Portão sofre um acidente em que se partiu o cabo condutor elétrico, na esquina da atual Rua Monsenhor Celso com a Praça Tiradentes| Foto:
  • Acidente entre um bonde e um automóvel na Rua Barão do Rio Branco, em novembro de 1936
  • Acidente na Rua Monsenhor Celso em 1948. Como os bondes não saiam dos trilhos a rua ficou intransitável
  • A Estação de Bondes da Praça Tiradentes, construída em 1934, aqui em foto feita em 1939
  • Descarrilamento de bonde na Rua Aquidaban, atual Emiliano Perneta. Foto de 1939
  • Acidente na Praça Tiradentes, um bonde bateu na traseira de outro. Foto de 1939
  • Em 1945 a passagem subiu um tostão, estudantes revoltados tombaram o bonde na Avenida João Gualberto
  • No final da década de 1950 os bondes são desmanchados e remetidos para o depósito de ferro velho de Francisco Barranco

Logo após os festejos de Ano Novo um grupo de mais antigos trocava opiniões sobre a instalação do metrô curitibano, o conceito generalizado entre a meia dúzia presente no bate papo é que tal obra Curitiba não comporta. O mais novo participante da tertúlia já tinha adentrado a casa dos sexagenários.

Os mais radicais participantes da roda concordavam que tal obra não passa de conversa para boi dormir. Alguém lembrou que em 1999 apareceu um projeto para se instalar um metrô de superfície que iria trafegar em monotrilhos. Outro recordou que em 2003 foi aventado que se deveriam usar as canaletas existentes dos ônibus expressos para ali se instalarem veículos leves para transitarem sobre trilhos.

Um poeta, pertencente a Sorbonne do Juvevê, propôs que a prefeitura instalasse uma linha entre o Passeio Público e a antiga Estação da Estrada de Ferro, para fazer circular o último bonde curitibano existente e que esteve exposto na Praça Tiradentes, bonde este que passou por uma recuperação onde foram usadas as mais diversas peças em sua remontagem, peças que jamais pertenceram àquele modelo de veiculo. Uma caricatura do bonde que um dia existiu sob a velha carroceria, um verdadeiro Frankstein de lata. Tal veiculo virou sucata outra vez e esta num canto de um deposito da URBES.

A história dos bondes em Curitiba começou em 1887, quando foram inaugurados os bondinhos de mulas em novembro daquele ano. Em 1895 passaram a pertencer ao italiano Santiago Colle. Em 1910 foram adquiridos por uma companhia anglo-francesa que tratou de colocar bondes elétricos, instalados em 1912 e inaugurados em janeiro de 1913. Essa empresa explorou os bondes até 1924, quando passou o acervo para a prefeitura que transferiu, em 1928, para a companhia norte-americana Eletric Bond & Share que passou a denominar-se em Curitiba como: Companhia Força e Luz do Paraná.

Em 1945 a Força e Luz, para se livrar do serviço do transporte coletivo, que não era lucrativo, transferiu 38 bondes e 28 quilômetros de linhas para a prefeitura que, por sua vez, repassou tudo para o empresário Aurélio Fressato, pelo preço simbólico de um cruzeiro. Em 1952 os bondes foram desativados em Curitiba, o de numero 105 fez a última viagem entre o ponto final do Portão e a Estação de Bondes da Rua Barão do Rio Branco, em julho daquele ano.

A Nostalgia deste domingo apresenta uma serie de fotos curiosas dos bondes curitibanos.

Dê sua opinião

O que você achou da coluna de hoje? Deixe seu comentário e participe do debate.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]