i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Verissimo

Aqueles dias

  • 18/07/2009 21:03

Em abril de 1964 eu estava no Rio, recém-casado, e ten­­tava começar um ne­­gócio que só confirmaria a incompetência da família para negócios. Dependia de ajuda de casa para pagar o aluguel do nosso primeiro apartamento, em Copacabana. Um quarto e sala na Figueiredo Magalhães com janelas para a Siqueira Campos, onde passavam bondes. Até hoje nossa primeira filha, que nasceu quando ainda morávamos lá, é a que tem o sono mais tranquilo: se acostumou a dormir com o barulho dos bondes da Siqueira Campos.

Cito os bondes para não citar outros marcos da distância que nos separa daqueles dias. O fato incrível de que tínhamos todos 45 anos menos, por exemplo. A tevê era em preto e branco e a política da época, de certo modo, também. Havia a esquerda e havia a direita e as duas se demonizavam mutuamente. A Terra estava dividida entre o Mundo Livre e o mundo comunista num permanente limiar de guerra, e a nitidez da distinção determinava o que nos acontecia aqui no quintal. Não foi um tempo de muitas nuances. Para a América Latina não ser dos demônios da esquerda mobilizaram-se os demônios da direita e começou a era dos generais. Entrávamos num período de moratória da liberdade que no Brasil duraria 20 anos.

Minha atividade política era nenhuma. Me limitava a vibrar com os artigos do Cony no Correio da Manhã e lamentar as notícias da consolidação do golpe na tevê em preto e branco, que mostrava, entre outras celebrações, a coleta de ouro da população para ajudar os militares a salvarem o Brasil. Não se soube onde foi parar este ouro. Nossa maior preocupação era com a minha tia Lucinda, que trabalhava para o governo do Rio, nunca escondera suas opiniões políticas e estava sendo perseguida. A tia Lucinda, irmã da minha mãe, era uma pessoa extraordinária. Foi quem me acolheu quando resolvi sair de Porto Alegre com a vaga ideia de passar pelo Rio e seguir para o mundo. Era a madrinha da Fernanda, nossa filha carioca. Se fosse preciso, contrabandearíamos a tia Lucinda para Porto Alegre. Não foi preciso. Eu é que, dois anos e pouco depois – a primeira filha nascida, a vida apertando e nenhuma perspetiva no Rio – decidi fa­­zer a coisa sensata. Voltei pra casa do pai.

45 anos depois, é tão difícil recapturar o clima daquela época como seria, hoje, pegar um bonde na Siqueira Campos. Esquerda e direita se dissolveram em nuances, as divisões do mundo são outras, tudo mudou. Ou será que mudou? Um outro Brasil ainda luta para sair de dentro do velho como no processo interrompido em 64. O que seria certamente o parto mais longo da história. Lembro com frequência da tia Lucinda. Principalmente depois que nasceu a nossa neta, filha da Fer­­nanda, que lhe deu o nome da madrinha. Com a aprovação do pai da criança, Andrew, que é inglês. Pois "Lucinda" também é um venerável nome de novela vitoriana.

Errei feio

Eu sei, eu sei. Errei feio. Há uma semana escrevi que a primeira seleção de basquete americano formada por jogadores profissionais a participar de uma olimpíada era o exemplo original de um dream team que não dera certo.

Como me corrigiram vários leitores, aquela seleção de 1992, que tinha Magic Johnson e Michael Jordan entre outros monstros, não só levou o ouro como ganhou todos os seus jogos por mais de 100 pontos, sempre com diferença maior do que 30 pontos. Enfim, tudo que eu disse que ela não tinha feito. Eu é que estava sonhando. Tam­­bém escrevi que o Chinezinho, que jogou no Inter e no Pal­­meiras e encerrou sua carreira na Itália devia ainda estar lá. Não está. Mora em São Paulo. Desculpe.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.