i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Jorge Fontoura

O canhão do Paraguai

  • 23/10/2013 21:03
 | Ilustração: Gilberto Yamamoto
| Foto: Ilustração: Gilberto Yamamoto

A Guerra da Tríplice Aliança, como é chamada a Guerra do Paraguai além do Rio Paraná, é episódio não devidamente valorizado na conformação histórica do hemisfério. Envolto em narrativas impróprias, vezes por preconceito, vezes por má fé ideológica, o conflito encerra tragédia monumental, de heroísmos e de crueldades desmedidas, a serem julgadas somente no rigoroso contexto de tempo e de espaço. Da crueza dessa guerra é que nascem os países platinos como hoje concebidos, o Uruguai e a Argentina modernos, mas também o Brasil. A propósito, foi a luta contra López que fez aglutinar a brasilidade dispersa do Segundo Reinado, diluída na vastidão continental, a unir amazônidas, cearenses, gaúchos, todos irmanados no mesmo campo de batalha. Depois, os tenentes da Guerra do Paraguai seriam os marechais da Proclamação da República, como Deodoro e Floriano.

Presente no imaginário profundo do país, na forma de nomes de logradouros e de ruas – Riachuelo, Boqueirão, Osório, para citar exemplos curitibanos –, a Guerra do Paraguai serviu ainda para despertar o paranismo, o sentimento de pertencimento à província, como consta nos escritos exemplares de Davi Carneiro.

Hoje a história é bem outra. As relações com o país vizinho são amistosas e voltam a se normalizar após o impeachment relâmpago do bispo-presidente, que fraturou o Mercosul em 2012. Tratou-se do controverso juízo de atentado à cláusula democrática imputado ao Paraguai, adotado pelo eixo Uruguai, Argentina e Brasil, a reconstituir a velha Tríplice Aliança quase um século e meio depois.

Se as relações Brasília-Assunção não podem sofrer abalos, haja vista a realidade forjada a cimento e ferro das comportas de Itaipu, com interesses binacionais inseparáveis, ainda necessita o Brasil consolidar total harmonia com vizinhos. Trata-se de plataforma indispensável ao projeto de inserção internacional, como quinta economia mundial já em 2016. Nesse patamar, o Brasil terá como contendores os demais Brics, mas será o único a conviver pacificamente, sem o espectro da guerra a pairar na vizinhança, como a que ocorre entre Índia e Paquistão.

O novo governo paraguaio, não isento de acusações graves, mas fruto da escolha livre e soberana de seu povo, tem demonstrado abertura para o pleno e pronto retorno ao Mercosul. À parte circunscrito nacionalismo irracional, a delirar com um Paraguai asiático e voltado para o Oceano Pacífico, não há vozes que destoem da tendência conciliadora do presidente Horácio Cartes. Com propostas modernas de gestão e de abertura da economia, deve ele demonstrar que empresários bem-sucedidos também podem fazer boas escolhas políticas. Pela frente, difíceis desafios a serem superados, a exemplo da revisão do Tratado de Itaipu, que, prevista para a próxima década, já começa a ser urdida, além do saneamento da questão fundiária, a interessar brasiguaios tão importantes para o desenvolvimento do país.

O canhão Cristiano, fundido com os sinos das igrejas de Assunção – daí seu apelido –, apresado pelas tropas brasileiras na Batalha de Humaitá e hoje exposto como troféu de guerra no Rio de Janeiro, tem sido objeto de recorrentes reivindicações paraguaias. É um imbróglio administrativo poder devolvê-lo, tombado como patrimônio público, a envolver pareceres de instituições sinuosas e cheias de burocracia de pequenos poderes. Porém, assente na moderna cultura dos povos, a memória da guerra não deve ser senão o pacifismo imaterial, como de resto é a índole do povo brasileiro. Não são rancores pretéritos que edificam nações: devolva-se o Cristiano já!

Jorge Fontoura é doutor em Direito Internacional e especialista em política externa

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.