i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
África do Sul

Comissão investiga casos de 48 mulheres esterilizadas sem consentimento em hospitais públicos

  • PorGazeta do Povo
  • [28/02/2020] [11:46]
| Foto: Pixabay

A Comissão para Igualdade de Gênero da África do Sul está investigando denúncias de 48 mulheres que dizem ter sido esterilizadas sem consentimento em hospitais públicos do país. De acordo com a investigação, elas tiveram seus úteros removidos ou passaram por procedimento de laqueadura após dar à luz ao primeiro filho. Há casos que vão até o ano 2001. As informações são da BBC Brasil.

Uma das denunciantes é a sul-africana Msibi Bongekile. Ela afirma que só descobriu não ter mais o útero depois que tentou engravidar pela segunda vez, 11 anos depois do nascimento da primeira filha. Ela tomava anticoncepcional durante todo esse período, por isso não achava anormal não menstruar. Ficou noiva e queria ter outro filho. Quando foi ao médico, descobriu a notícia. “Ele me examinou, me fez sentar, me deu um copo de água e me disse que eu não tinha útero. Foi muito cruel”, lembrou.

Depois disso, ela procurou a imprensa e o Ministério da Saúde. Segundo Msibi, o médico que estava no dia do parto nem sequer pediu desculpas à ela. “Ele disse que tinha me esterilizado para salvar minha vida”, completa.

A sul-africana ainda relata que outras mulheres foram esterilizadas de forma forçada por serem portadoras do HIV, mas ela não é. “Meu útero foi removido sem eu saber. Eu não sei por que fizeram isso”, reitera. Msibi disse que a notícia mudou a vida dela. “Acabei terminando com meu noivo, porque ele queria muito ter filhos e eu não poderia lhe dar isso”, conclui.

Ela pede à Justiça que o hospital ao menos pague por uma barriga de aluguel para que ela realize o sonho de dar um irmão à filha. “Eu ainda tenho ovários, então acho que o hospital deveria pagar. Eu quero que alguém seja responsabilizado”, observa.

De acordo com a BBC, o Ministério da Saúde da África do Sul ainda não deu uma resposta para a Comissão - que teve seu trabalho dificultado pelo "desaparecimento" de prontuários. No entanto, o ministro da Saúde, Zweli Mikhize, aceitou reunir-se com os representantes do grupo e das mulheres para discutir os casos.

Como é de praxe em outros países, a lei sul-africana determina que só mulheres adultas possam permitir a própria esterilização. O procedimento, além disso, precisa ser explicado de forma clara, incluindo todos os riscos, e só pode ser feito após autorização assinada. Caso a mulher não consinta ou desista da esterilização, ela pode voltar atrás da sua decisão em qualquer momento.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]
Tudo sobre:

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.