Os integrantes do Conselho de Leitores da Gazeta do Povo debateram sobre as mudanças do nome e na logomarca do grupo empresarial proprietário do jornal.

O nome Grupo Paranaense de Comunicação (GRPCom) substituiu a antiga denominação Rede Paranaense de Comunicação (RPC), conforme anunciado a todo o mercado na semana passada. Agora, o nome RPC passa a denominar as emissoras de televisão do grupo.

A gerente de comunicação institucional do GRPCom, Carmem Murara, falou sobre as motivações da mudança e o processo de arquitetura de marca vivido pela empresa durante um ano. "Mudar nem sempre é confortável, mas havia uma confusão geral no mercado. Com a ajuda de empresas especializadas, e depois de ouvir funcionários e leitores, a direção optou por mudar o nome do grupo e o das tevês", explicou.

A nova logomarca, por sua vez, representa diversos aspectos da comunicação, como a emissão e recepção de ondas, as folhas impressas de um jornal e as telas de um computador, além de traduzir outras referências ligadas ao conhecimento, como o facho de luz de um farol.

"Minha primeira impressão foi positiva. As lâminas da logo dão uma ideia de modernidade", comentou a conselheira Adriane Aragón. Para Jacir Venturi, o impacto inicial não foi tão fácil. "Causou surpresa, mas com o passar dos dias e com as explicações sobre o novo conceito, vejo que o grupo foi feliz e acertou a mão. A campanha publicitária também foi muito boa."

Gustavo Brandão disse ter ficado feliz pela mudança, "que se estabelece num momento em que o grupo disputa o Prêmio Esso de Jornalismo", embora tenha achado "pesado e longo" a nova sigla do grupo.

Integram o Conselho de Leitores da Gazeta do Povo: Adriane Aragon, Eduméia Coelho da Silva, Fábio Lopes de Oliveira, Gustavo Brandão, Jacir Venturi, Newton Fróes e Ramiro Gonzalez.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]