i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Lembrança

Dr. Francisco é homenageado

Academia Paranaense de Letras – da qual o jornalista era membro – entrega placa, instalada na portaria da redação da Gazeta

  • PorVanessa Prateano, especial para a Gazeta do Povo
  • 10/02/2010 21:08
Sob os olhares dos vice-presidentes da RPC Mariano Lemanski e Guilherme Döring Cunha Pereira, presidente da APL José Carlos Veiga Lopes e a também vice-presidente Ana Amélia Filizola descerram a placa de homenagem | Daniel Derevecki/Gazeta do Povo
Sob os olhares dos vice-presidentes da RPC Mariano Lemanski e Guilherme Döring Cunha Pereira, presidente da APL José Carlos Veiga Lopes e a também vice-presidente Ana Amélia Filizola descerram a placa de homenagem| Foto: Daniel Derevecki/Gazeta do Povo

O presidente e fundador da Re­­de Paranaense de Comunicação (RPC), Dr. Francisco Cunha Perei­ra Filho, que faleceu no ano passado, foi homenageado na manhã de ontem com a inauguração de uma placa na portaria da redação da Gazeta do Povo, na Rua Pedro Ivo, que lembra seus feitos à frente do jornal e na defesa das causas do Paraná. A ação foi proposta e organizada pela Academia Paranaense de Letras (APL), da qual o jornalista era membro desde 1998, onde ocupava a cadeira de número 18.

O presidente da APL, o escritor José Carlos Veiga Lopes, contou na cerimônia que a homenagem foi proposta em 2009 por conta dos 90 anos do jornal, quando o jornalista ainda era vivo. "A academia queria homenagear este jornal e o Dr. Fran­cisco por conta dos serviços prestados ao Paraná. Infe­lizmente, cerca de 15 dias depois, ele faleceu e nós ficamos meio tolhidos. Para nossa alegria, agora pudemos dar continuidade ao nosso desejo." O escritor relembrou que, além de defender de forma intransigente as causas paranistas – como o direito dos municípios lindeiros aos royalties de Itaipu e a modernização do Aero­porto Afonso Pena – Cunha Pereira também promoveu a academia. "Ele sempre divulgou e prestigiou os trabalhos da academia nas páginas do jornal."

Filha do jornalista, a vice-presidente da RPC, Ana Amélia Filizola, que inaugurou a placa junto ao presidente da APL, destacou a relação íntima entre o jornalismo e a literatura, muito valorizada pelo pai. "Os jornais sempre atraíram escritores, e a academia sempre acolheu os jornalistas. Essa relação se dá pelo amor inigualável de ambos pela língua e pela comunicação." A vice-presidente relembrou o papel do jornal e do pai na descoberta de talentos da literatura paranaense, como Dalton Tre­visan, e das artes, como Poty Lazarotto. "Ele era um entusiasta da literatura paranaense, e se preocupava muito com o que era publicado nas páginas literárias."

Na infância, a filha se lembra de sempre ver o pai com um livro ou jornal na mão. "Ele estava sempre com um livro na cabeceira. Acho que esse prazer pela leitura foi herdado do avô dele, meu bisavô, com quem ele morou um tempo. O avô ficou cego e pedia para que meu pai lesse pra ele, desde livros de medicina a livros em inglês e francês". De acordo com ela, o amor pelos livros foi passado aos filhos. "Ele sempre lia para nós. Lemos juntos as obras de Monteiro Lobato e Hans Cristian Andersen, e muitos livros de piadas. Esse foi o mundo em que eu vivi e acho que era o mundo em que ele queria que todos os paranaenses vivessem."

O jurista e colega de academia René Dotti comentou que a homenagem em forma de uma placa era pequena diante de tudo que o jornalista fez em mais de 60 anos de vida pública. "Como colega de academia, ele é uma referência permanente, seja como advogado, jornalista ou homem público. Ele marcou muito a minha geração, tinha um espírito muito aberto, alegre."

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.